Páginas

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

DOM DAS CRIANÇAS...


Hoje faço coisas como adulto que adoraria poder fazer quando era criança. Como por exemplo, quebrar nozes com a palma da mão na pia. Quando pequeno, dependia de um martelo e minha mãe ficava de olho com medo de algum acidente, e quando conseguia quebrar a noz, ela esmigalhava...
Mas, é justamente da infância, que trago um sentimento que hoje, como adulto, já não posso praticar com a mesma simplicidade de antigamente. É um dom que acompanha as crianças, é o "dom da reconciliação".

Lembro-me que nas disputas de bola ou em qualquer outra brincadeira na rua, às vezes, um amiguinho discutia com o outro, e por vezes, até saia nos murros "tolos" da raiva infantil. Na mesma tarde, ou no máximo no dia seguinte, lá estávamos todos nós brincando de novo, irmanados em uma alegre diversão, as vezes com bolas furadas, carrinhos feito de latas, e jogos que estimulavam a doce competição que as crianças sabem entender como ninguém...

Hoje eu sei, que o dom da reconciliação das crianças, passa pela inocência do perdão, que é o esquecimento completo daquilo que gerou a desavença, coisa que os adultos não conseguem fazer.
Passamos dias ruminando na memória a cena que "insultou o nosso orgulho" e queremos revanche. Arquitetamos planos de vingança, não como nos planos do "Cebolinha", mas com perversidade, como pais que se separaram e infernizam a vida dos filhos falando mal da pessoa que deixou de ser marido/esposa, mas não deixou de ser pai/mãe.

Por isso, a alma de todo mundo carrega um vazio, um gosto estranho de que está faltando um sabor na vida. Por mais que o homem cresça em mestrados, mba's, tecnologias de ponta e outras formas de evolução, fica o sentimento de que ainda temos muito o que aprender.

Se quer refletir sobre a inocência perdida, ou se não acredita que "algo de bom ficou para trás", deixa esta palavra de Jesus te relembrar algo esquecido:
"Então lhe apresentaram uns meninos para que os tocasse; mas os discípulos ameaçavam os que lho apresentavam. O que, vendo Jesus, indignou-se e disse-lhes:
Deixai vir a mim os pequeninos, e não os embaraceis, porque o Reino de Deus é daqueles que se lhes assemelham. Em verdade vos digo que todo aquele que não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele. E abraçando-os, e pondo as mãos sobre eles, os abençoava.
(Marcos, X: 13-16).

Que Jesus possa te abraçar e abençoar a sua vida. Derramando bençãos de serenidade, paz, doçura e reconhecimento da alma infantil que habita em você.
Muita paz
Paulo Roberto Gaefke

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget