Páginas

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

"Hoje eu só verei a bondade e a virtude de todos à minha volta.
Quando vejo e aprecio as especialidades nos outros, torna-se fácil e natural ver e apreciar minhas próprias especialidades.
Isto me torna uma pessoa fácil e leve.
Às vezes eu posso achar difícil ou literalmente impossível ver as especialidades em algumas pessoas.
Isto acontece porque temos o hábito de julgar e rotular.
Ao julgar, deixamos de aceitar e amar.
Aceitação é a chave para encontrar especialidades nos outros e em mim."


Brahma Kumaris

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

CONFUSÕES DO AMOR...

A palavra "amor"pode ser resumidamente classificada e facilmente identificada: amor é tudo o que é positivo e que faz bem. O resto é alienação, medo e muita, muita confusão.
Tem gente que diz: amo quem não me quer. Desculpe, mas há dois pontos aí: quem não aprendeu a se amar não ama ninguém; e quem se ama, não aceita quem lhe faça mal. É claro! Se eu me amo, só quero ao meu lado quem me respeite e que divida bons sentimentos comigo, para o meu próprio bem.

Quando penso que amo quem não me quer, quem não me quer sou eu.
Quando digo que amo quem me priva de minha liberdade, sou eu, prisioneiro de mim.
Em outras, somos nós os responsáveis por tudo o que aceitamos em nossas vidas, que nos faça mal ou bem.
Há quem diga também: estou sofrendo por amor.
Você pode sofrer por carência, inaceitação, egoísmo e também por inflexibilidade. Mas por amor, ninguém sofre.
Amor só faz bem. Amor só acontece quando aprendemos a nos amar. E aí, somos nós os responsáveis pelas confusões constantes que fazemos com nossos sentimentos.
Somos mestres em criar expectativas e, quando a pessoa que julgamos amar não corresponde a elas, achamos ruim, nos fazemos de vítima, dizemos que não queremos mais amar ninguém e que as pessoas sempre nos decepcionam.
Quando confundimos amor com ciúme, obsessão, possessividade, egoísmo, alienação, submissão e outras coisas mais, que geram dor e sofrimento a nós e aos outros, melhor nos lembrarmos de que amor só faz bem, e aquilo que não fizer, amor não será.
Há quem diga: tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Falso dito.
Devemos ser responsáveis é na forma de amar, e não por sermos amados.
Tendo sido honesto e autêntico, quem é amado não tem que se preocupar em agradar para merecer afeto.
Amor não combina com sedução. Combina com autenticidade.
Precisamos ter a coragem de sermos nós mesmos, certos de que a colheita virá, bem em acordo com o que plantamos.
Então, se algo não vai bem, será bom repensarmos o amor em nossas atitudes e o que desejamos mudar para que, num futuro que começa no próximo segundo, tudo fique diferente.


Victor Chaves

NOTAS SOBRE A HUMILDADE...

Não se cobra humildade de ninguém. Isso já é soberba.
-A palavra "humildade" não sai da boca do humilde. Quem diz "eu sou humilde", com isso, já não está sendo.
-Às vezes, por nos sentirmos pequenos, julgamos que o outro se sente maior.
-Excelente exercício de humildade vem das abelhas. Colaborar é ungir-se de união, abstenção e subserviência.
-Quem precisa demonstrar grandeza é apenas quem não a possui. E quem não a possui, ainda está pequeno.
-Quando nos incomodamos com a soberba alheia, é bom prestarmos atenção em nós mesmos. Quem se sente inferiorizado, ainda não entendeu que não há superiores. E se não há, porque nos incomodarmos? O outro está no caminho do aprendizado, assim como nós, ainda que em diferentes estágios.
-Quem cumprimenta, sorri, faz-se simpático e receptivo, está agindo apenas educadamente, sorridentemente, simpaticamente e receptivamente. Humildade é outra coisa. É a consciência de saber que você é apenas você. Nem mais e nem menos, nem acima e nem abaixo de ninguém.

Há políticos corruptos em busca de votos, mestres em cumprimentar a todos.
Há gente que recebe bem e fala pelas costas após a despedida.
Quando chamamos alguém de humilde, pelo fato de termos sido atendidos em algum propósito, estamos julgando sem conhecimento, dentro de um contexto em que, por nosso egoísmo e carência, nos deixamos levar por quem nos mima.
Age com humildade aquele que não se preocupa em agradar, mas com a educação e o amor que aprendeu a ter ao próximo, sabe que todos temos choro e riso suficientes, nem acima e nem abaixo de ninguém, nem mais e nem menos do que plantamos.


Victor Chaves

AFIRMAÇÕES...

Faço do pouco aparente, realidade suficiente para superar a necessidade do obsoleto.
Já não sou tão crítico, para não esquecer-me de quem sou quando o criticado for eu.
Imagino-me melhor e mais puro a partir de agora, para que neste próximo segundo, meu agora seja mais feliz e mais sóbrio.
Respeito a ordem das coisas e a dos outros para não ficar tentando entender o que não é de minha ordem.
Não mais tento convencer o mundo a ceder às minhas verdades. O mundo muda, eu mudo e minhas verdades mudarão.
Vivo sem preocupar-me com a morte. Uma parte de mim nasce e outra morre, a cada segundo, e isso é viver.
Ajo com amor, pois basta-me a intenção para que nada seja quase e tudo seja vitória.


Victor Chaves

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

PENSAR É COISA SÉRIA...

Não se deixe impressionar pela palavra dessa ou aquela pessoa.
Ainda que essa pessoa diga que te ama muito e está falando mal para o seu bem.
Antes de mais nada, use o seu poder de reflexão. 
Deixe de lado essa forte emoção, e por alguns momentos,
reflita usando a razão.
Você insiste nessa situação porque tem uma certeza que é o seu desejo,
ou é o orgulho que anda te cegando e deixando sem visão?

Muitas vezes queremos porque queremos tal coisa,
apenas para não deixar o gostinho de derrota ou fracasso na boca.
Somos orgulhosos demais para levar um não para casa.
Ensinamos até caminho errado só para não dizer que não conhecemos tal endereço.
Imagine quando se trata de amor, de paixão?

Apaixonados por uma "visão", por uma idealização, somos vítimas de nós mesmos.
Nos vendemos barato. Nos entregamos por nada.
Caímos em ciladas tão tolas, que depois de um tempo, ficamos até com vergonha.
Por isso, a razão é aquela amiga que cutuca e fica forçando uma atenção.
Pense!

Use o cérebro, coloque no papel. 
Converse com outras pessoas.
Não acredite nessa besteira de que sabemos tudo ou que podemos tudo.
Devemos ir até onde a dor seja pelo menos suportável.
Porque depois de errar, chorar é o que menos resolve.
Pense!

Paulo Roberto Gaefke

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A VIDA CABE EM APENAS 1 DIA...

Na incerteza que é a Vida,
resta-nos a certeza dos poucos dias.
Temos pouco tempo para realizarmos tantos sonhos.
E nos perdemos em discussões tolas, em reuniões chatas.
Nos agarramos a amores mesquinhos, e por pura vaidade,
permanecemos onde não queremos, nos apegamos a idade
e no meio de tanta discriminação, esquecemos a razão,
e deixamos falar mais alto a tola emoção.
Olhar para o futuro é ver a tarde de hoje, a noite que se aproxima,
e ter a absoluta certeza de que estamos fazendo
algo que não fere a nossa alma.
Trabalhar para o bem coletivo.
Ter uma visão global do mundo.
Amar sem medo, sem esperar recompensas.
Viver sem cobrar nada e nem se cobrar.
Tomar o sorvete até o fim sem pensar nas calorias,
por puro prazer, por pura alegria.
A vida inteira cabe apenas nesse dia.
Aproveite-o!


Paulo Roberto Gaefke

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

JÁ PASSOU...

Não pense que a vida é um maço de flores lindas e perfumadas.
Que os amigos virtuais serão presenças marcantes no seu tempo.
Que os seus relacionamentos serão eternos e melados.
Que o Papai Noel existe e trará presentes de verdade...
Sinto lhe dizer que as coisas não são bem assim.
As rosas tem espinhos e podem machucar.
Os carros, quando batem, podem matar.
Bebidas alcoólicas podem viciar.
Cigarro mata, e se não mata, brocha.
Então, pare de acreditar em tudo o que você ouve.
Pare de se lamentar por tão pouco.
A sua dor não vai sair no Jornal Nacional, nem vai virar tema do filme do Jabor: pobre de mim, ai a minha dor...
Por isso, é extremamente recomendável que você acorde.
Viva a sua realidade com desejo de transformá-la.
Já que o que está ruim, pode ficar pior...
Nada de desanimar no meio do caminho.
Voltar pode ser mais doloroso, e avançar pode revelar caminhos maravilhosos.
As frutas amargas de hoje podem amadurecer, e no processo do tempo, ficarem docinhas.
Nada é definitivo, nem o fermento e nem o pão.
Nem a dor que hoje machuca, nem a alegria que faz rir.
Por isso, só por isso, vale a pena lutar.
Ser pelo menos neste instante, a transformação real que você tanto sonha.
Amar-se como nunca imaginou ser possível.
Gostar do seu cheiro, ter misericórdia de você.
Não se maltratar, não se culpar.
Simplesmente amar.
Hoje, e somente por hoje, nada mais do que hoje, você vai dizer diante do espelho: eu mereço o melhor!
Eu não aceito migalhas.
Eu sou a própria alegria.
E decidi ser feliz, sem levar em conta os outros.
Sem me importar com os problemas.
E atire a primeira pedra aquele que nunca errou, porque o tempo de sofrer, já passou!

Eu acredito em você!


Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

NÃO CARREGUE O VELHO COM VOCÊ...

Infelizmente, tenho visto muita gente apegada ao sofrimento. Não por vontade consciente, mas por repetição mecânica da mesma forma de agir e pensar.
Aparentemente todas as pessoas sabem onde nasce o sofrimento. Alguns sofrem por amor, uma boa parcela sofre por conta de desacertos familiares, outros porque não conseguem uma colocação no mercado de trabalho ou ainda porque não têm as condições financeiras necessárias para sustentar o padrão de vida que acham que merecem. Seguindo neste raciocínio parece que temos todas as justificativas necessárias para sofrer. Parece mesmo que não tem outra saída porque quando está tudo errado não há conserto e, por conta disso, nem adianta procurar uma terapia e a solução soa como algo irreal. Será que é mesmo assim que a vida acontece?

Será que não temos uma atitude frente às impossibilidades ou poderíamos mudar de foco? Pensar de um outro jeito, criando um espaço para o novo?
Porém, não podemos esquecer que fazer uma abertura para algo novo exige coragem e desapego. E, infelizmente, tenho visto muita gente apegada ao sofrimento. Não por vontade consciente, mas por repetição mecânica da mesma forma de agir e pensar. Na verdade, muitas vezes a pessoa quer fazer diferente, no entanto, não consegue como no caso que vou usar para ilustrar a importância de uma mudança consciente de padrão.

Roberto, um jovem desenhista, após fazer vários cursos, inclusive no exterior, sentia-se sugado pela empresa em que trabalhava. Recebia um bom salário, embora não se sentisse livre para criar... e, é claro, achava que deveria ganhar mais já que reconhecia em si mesmo um grande talento.
Como ele veio me procurar para um tratamento, não me cabia avaliar se de fato ele tinha um talento especial ou se ele julgava a si mesmo com mais valor do que realmente tinha. Porque isso costuma acontecer quando não temos a consciência expandida. Às vezes, as pessoas ficam tão autocentradas que não reconhecem no mundo à sua volta as capacidades das outras pessoas. Passam, então, a competir até com a sombra e esse comportamento vai gerando tanta insegurança que anula a autoestima. Assim, a pessoa se fecha e, para se proteger, vê apenas aquilo que quer ver. Diz para si mesma que é ótima e que o mundo é que não reconhece o seu talento e esforço... e, seguindo por esse caminho, cai no papel de vítima...
Foi exatamente o que apareceu na história de Vidas Passadas do meu cliente Roberto. Ele havia sido um artista sem o talento reconhecido, criado por pais exigentes que cobraram muito dele. Hoje, ele assumiu autocobrança e não se permitia errar, o que o tornou taciturno na convivência e afastou amigos e relacionamentos, e o trabalho que era o ponto luminoso de sua vida estava pesado e sem a luz da realização.

Como dizer para este moço que ele sofria por ser muito orgulhoso?
Claro que ele se sentindo não respeitado e ferido não conseguia se ver como orgulhoso. Mas era esse desvio que estava atrapalhando tudo. Inclusive, quando conversamos, ele reconheceu que não aceitava críticas porque sentia muita vergonha e raiva ao mesmo tempo. Reclamava também que mesmo tendo mudado de emprego algumas vezes, apesar de ser em lugares bons, a história se repetia... Persistia o desrespeito, a solidão e o não-reconhecimento. Novas pessoas, novas oportunidades e o mesmo comportamento...

O que fazer, então, senão mudar o jeito de agir? Expliquei que era preciso aprender a conviver com as pessoas, ouvir a opinião alheia sem achar que a crítica teria o poder de destruir tudo...
Claro que nem sempre agradaremos a todos à nossa volta e quanto mais você se expõe, mais será alvo de amor ou de crítica, mas a vida é assim... Precisamos caminhar, encontrar com as pessoas e usar as experiências para nos transformarmos porque, de outro modo, teremos que nos contentar com a solidão e a mesmice das mesmas pessoas e paisagens.

Falando do coração: Acho que você merece mais que isso! Então, meu amigo, ouse ser você mesmo, renovando-se sempre, assumindo seus enganos e crescendo com a vida.

Maria Silvia Orlovas


http://somostodosum.ig.com.br/

VOCÊ ACREDITA?

É interessante como é uma questão de acreditar ou não. Você simplesmente acredita, e tem uma alma. Você não acredita, e, portanto, não tem uma alma. O difícil é que ocorre uma questão de impor crendices e sentimentos que movem o crescimento humano de cada um, que torna o crer e não crer, algo sujeito a julgamentos negativos e preconceituosos.

Acreditar em Deus é uma escolha, não uma obrigação.
Acreditar que os gatos são criaturas iluminadas espiritualmente, é uma escolha, não necessariamente uma verdade.
Assim como acreditar que se é amado, é uma maneira de ver, não necessariamente uma realidade. Afinal, é tão bom acreditar naquilo que faz bem...

Julgar-se certo por ter um raciocínio voltado para o ceticismo, é julgar-se melhor do que os outros ou mais inteligente, por simplesmente acreditar em algo que os outros não escolheram acreditar, e que você, por algum motivo específico, julga ser o certo.
Julgar-se mais evoluído por acreditar no poder do pensamento positivo, não o torna melhor do que ninguém.
O julgar-se pode ser perigoso. 
É como enxergar somente aquilo que se pode entender e aceitar. É limitar-se ao próprio raciocínio.

Se alguém acredita em alma, em energias positivas e negativas, ou se alguém acredita que o Sol e a Lua são Deuses, não importa. Muito menos importa se alguém escolhe não acreditar em nada, e ter o universo como inspiração para seus pensamentos e escolhas.

O que importa é saber que não se deve impor uma crença ou opinião. Mas sim que se deve saber aceitar e conversar sobre, utilizando-se do raciocínio que Deus, o Sol, os Gatos, Buda, ou/e a genética, a vivência, entre outros demais que possam ser a origem de tudo para cada um, nos “deu”.

Uma pessoa que sabe ouvir, sem dúvida sabe falar também.

Mas uma pessoa que não sabe ouvir, falará somente aquilo que for fruto da sua imaginação, aquilo que mantém a sua ilusão de que tudo que ela fala é certo, não importa o que o outro diga.

Afinal, o que é a vida, se não uma miragem daquilo que cada um carrega em seu deserto pessoal?

Vamos viver cada um a sua miragem, vamos acreditar naquilo que melhor mantém a pouca água que nos resta?
Não dá para forçar o outro a beber da sua água cética.
Não dá para forçar o outro a beber da sua água feita de fé.
Mas dá para viver em acordo, cada um com a sua água, seja ela como for.
O necessário é que ela o mantenha vivo.

Cada um só para se viver.

Mas que não falte amor.
Que não falte paz.
Que não falte sabedoria para ouvir e falar.
Que não falte um “terceiro olho” capaz de ver o que os dois que temos, muitas vezes, não conseguem.

Que as miragens não sejam destrutivas, e que água de cada um nunca se esgote.
Que o deserto de cada um possa ser habitado por outras águas, que estas águas sejam céticas, que sejam feitas de fé, mas que principalmente, não causem doenças, não impeçam a evolução, e que demonstrem que viver é mais do que saber, é também acreditar, saber ouvir e falar.

Agarre-se ao que você acredita, mas não permita que o seu raciocínio o impeça de caminhar por outros desertos.

Assista ao vídeo abaixo, e imagine-se agarrando somente aquilo que julga ser o necessário e correto. Veja o final, e pense sobre.


Um feliz mês dezembro.
Ocorreu um erro neste gadget