Páginas

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

AO NOSSO ALCANCE...


Certa vez ouvimos uma fábula que nos fez refletir acerca dos ensinamentos que continha.
Tratava-se de um incêndio devastador que se abatera sobre a floresta.
Enquanto as labaredas transformavam tudo em cinzas, os animais corriam na tentativa de salvar a própria pele.
Dentre os muitos animais, havia uma pequena andorinha que resolveu fazer algo para conter o fogo.
Sobrevoou o local e descobriu, não muito longe, um grande lago. Sem demora, começou a empreitada para salvar a floresta.
Agindo rápido, voou até o lago, mergulhou as penas na água e sobrevoou a floresta em chamas, sacudindo-se para que as gotas caíssem, repetindo o gesto inúmeras vezes.
Embora não tivesse tempo para conversa fiada, percebeu que uma hiena a olhava e debochava da sua atitude.
Deteve-se um instante para descansar as asas, quando a hiena se aproximou e falou com cinismo:
Você é muito tola mesmo, pequena ave! Acha que vai deter o fogo com essas minúsculas gotas de água que lança sobre as chamas? Isso não produzirá efeito algum, a não ser o seu esgotamento.
A andorinha, que realmente desejava fazer algo positivo, respondeu: Eu sei que não conseguirei apagar o fogo sozinha, mas estou fazendo tudo o que está ao meu alcance.
E, se cada um de nós, morador da floresta, fizesse uma pequena parte, em breve conseguiríamos apagar as labaredas que a consomem.
A hiena, no entanto, fingiu que não entendeu, afastou-se do fogo que já estava bem próximo, e continuou rindo da andorinha.
Assim acontece com muitos de nós, quando se trata de modificar algo que nos parece de enormes proporções.
Às vezes, imitando a hiena, costumamos criticar aqueles que, como a andorinha, estão fazendo sua parte, ainda que pequena.
É comum ouvirmos pessoas que reclamam da situação e continuam de braços cruzados.
De certa forma é cômodo reclamar das coisas sem envolver-se com a solução.
No entanto, para que haja mudanças de profundidade, é preciso que cada um faça a parte que lhe cabe para o bem geral.
Reclamamos da desorganização, da burocracia, da corrupção, da falta de educação, da injustiça, esquecendo-nos de que a situação exterior reflete a nossa situação interior.
Não há possibilidade de fazer uma sociedade organizada, honesta e justa se não houver homens organizados, honestos e justos.
Em resumo, para moralizar a sociedade, é preciso moralizar o indivíduo, que somos cada um de nós, componentes da sociedade.
Se fizermos a nossa parte, sem darmos ouvidos às hienas que tentarão desanimar a nossa disposição, em breve tempo teremos uma sociedade melhorada e mais feliz.
Redação do Momento Espírita.

O JUGO SUAVE...


Em conhecida passagem do Evangelho, Jesus afirma:
Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas, pois é suave o meu jugo e leve o meu fardo.
O convite é tentador, pois o Mestre promete alívio para as dores humanas.
Também garante repouso para as almas, ao afirmar que Seu jugo é suave e Seu fardo é leve.
Em um mundo turbulento, alívio, repouso, suavidade e leveza são autênticos tesouros.
Em meio à correria da vida moderna, é possível ser rico de tudo, menos de paz.
Por vezes, as tarefas e os compromissos surgem esmagadores.
Na busca de sucesso e de bens materiais, as pessoas perdem a noção do que realmente importa.
As horas de trabalho são multiplicadas, talvez desnecessariamente.
Para comprar um carro mais novo ou uma casa maior, abre-se mão de um precioso tempo de repouso ou meditação.
A convivência familiar torna-se algo secundário.
Garante-se que os filhos tenham acesso às melhores escolas, mas se abre mão de transmitir-lhes valores.
Os jovens são instruídos, mas não educados.
Para lucrar bastante, profissionais deixam de lado a ética.
Passam a ter vergonha de si próprios, enquanto ganham muito dinheiro.
Com o objetivo de terem companhia, ainda que temporária, muitas mulheres abdicam de sua dignidade feminina.
Para parecerem modernos, jovens aceitam experimentar cigarros, bebidas e drogas.
Tudo parece valer a pena, desde que seja possível surgir aos olhos alheios como bem-sucedido.
Entretanto, a alma permanece carente de paz.
As conquistas materiais cintilam, mas os seus possuidores adoecem, desenvolvem problemas de sono e distúrbios psicológicos os mais diversos.
São ricos de coisas e de distrações, mas lamentáveis em seu desequilíbrio.
Estão conquistando o mundo, mas perdendo a si próprios.
Nesse contexto turbulento, convém recordar as palavras do Cristo.
Ele ofereceu alívio, repouso, suavidade e leveza.
São genuínos tesouros, que ninguém pode roubar.
Oscilações da Bolsa de Valores, desemprego, doenças e traições, nada consegue afetar o verdadeiro equilíbrio espiritual.
Quem adquire paz de espírito jamais a perde.
Mas é importante observar que Jesus não apenas fez o oferecimento.
Também recomendou que se aprendesse com Ele, que é brando e humilde de coração.
Ou seja, é preciso seguir os exemplos do Cristo, a fim de se viver em paz.
Ele enfatizou a importância da brandura e da humildade.
Assim, para não se perder nas ilusões mundanas, importa manter-se humilde.
Igualmente convém desenvolver brandura, não se imaginar em combate feroz com os semelhantes.
Não é preciso vencer ninguém para ser feliz.
Instruir-se e trabalhar, pois isso é necessário à vida.
Mas não gastar tempo em disputas vãs ou ilusões passageiras.
Jamais admitir corromper a própria essência, mesmo diante das maiores tentações.
Havendo dúvida sobre a conduta correta, recordar a figura digna e sábia de Jesus.
Ter em mente os sublimes exemplos do Cristo é o melhor antídoto contra ilusões que apenas causam sofrimentos.
Segui-los pode não ser fácil, mas eles constituem um jugo suave, na medida em que propiciam a verdadeira paz.
Pense nisso.
Redação do Momento Espírita.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

INTENSIDADE DA VIDA...


A vida se vai em um instante...
quando pensamos que podemos deixá-la de lado, vem o tempo mostrando que não há tempo, vem a noite e passa o dia, semanas se sucedem, e quando nos damos conta, mais um ano acabou.

E agora?
Que fazer do parque que não conhecemos?
Do filho que não vimos crescer?
do amor que deixamos morrer?
da saúde que destruímos de qualquer maneira?
Do amor que mal vimos desabrochar e morreu?

O que fazer do tempo que não temos?
Sim, porque sempre não temos tempo para viver, sempre é um corre-corre ou uma apatia total, fazemos ou não fazemos o que queremos, geralmente fazemos mal feito, não aproveitamos...

Aproveite esse tempo e ame com intensidade, ainda que o medo mande você maneirar.
Estude apenas por prazer, ainda que a matéria seja chata, ande por contentamento, caminhe na chuva e sinta o sol,
seja intenso, vibrante, forte, cheio de certezas, ainda que não saiba por onde ir...

E porque a vida é um instante, seja eterno.
O prazer é viver esse momento, que deixarão de ser parte de um dia, para ser inesquecível.

Paulo Roberto Gaefke

LORENZO - SHOW COM CAVALOS...

video

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

20 CONSELHOS de HARVARD...


As universidades de Harvard e Cambridge publicaram recentemente um compêndio com 20 conselhos saudáveis para melhorar a qualidade de vida de forma prática e habitual.

1- Um Copo de Suco de Laranja diariamente para aumentar o ferro e repor a vitamina C.

2- Salpicar Canela no café (mantém baixo o colesterol e estáveis os níveis de açúcar no sangue).

3- Trocar o pãozinho tradicional pelo pão integral** que tem quase 4 vezes mais fibra, 3 vezes mais zinco e quase 2 vezes mais ferro que tem o pão branco.

4- Mastigar os vegetais por mais tempo.
Isto aumenta a quantidade de químicos anticancerígenos liberados no corpo.
Mastigar libera sinigrina. E quanto menos se cozinham os vegetais, melhor efeito preventivo têm.

5- Adotar a regra dos 80%: servir-se menos 20% da comida que ia ingerir evita transtornos gastrintestinais, prolonga a vida e reduz o risco de diabetes e ataques de coração.

6- O futuro está na Laranja, que reduz em 30% o risco de câncer de
pulmão.

7- Fazer refeições coloridas como o arco-íris. Comer uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco em frutas e vegetais, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.

8- Comer pizza. Mas escolha as de massa fininha.
O Licopene, um antioxidante dos tomates pode inibir e ainda reverter o crescimento dos tumores; e ademais é melhor absorvido pelo corpo quando os tomates estão em molhos para massas ou para pizza.

9- Limpar sua escova de dentes e trocá-la regularmente.
As escovas podem espalhar gripes e resfriados e outros germes. Assim, é recomendado lavá-las com água quente pelo menos quatro vezes à semana (aproveite o banho no chuveiro), sobretudo após doenças quando devem ser mantidas separadas de outras escovas.

10- Realizar atividades que estimulem a mente e fortaleçam sua memória...
Faça alguns testes ou quebra-cabeças, palavras-cruzadas, aprenda um idioma, alguma habilidade nova...
Leia um livro e memorize parágrafos.

11- Usar fio dental e não mastigar chicletes.
Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que
mastigam chicletes têm mais possibilidade de sofrer de arteriosclerose, pois tem os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder a um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos a sua idade biológica porque remove as bactérias que atacam aos dentes e o corpo.

12- RIR.
Uma boa gargalhada é um 'mini-workout', um pequeno exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o estresse e acorda células naturais de defesa e os anticorpos.

13- Não descascar com antecipação.
Os vegetais ou frutas, sempre frescos, devem ser cortados e descascados na hora em que forem consumidos.
Isso aumenta os níveis de nutrientes contra o câncer.

14- Ligar para seus parentes/pais de vez em quando.
Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluiu que 91% das pessoas que não mantém um laço afetivo com seus entes queridos, particularmente com a mãe, desenvolvem alta pressão, alcoolismo ou doenças cardíacas em idade temporã.

15- Desfrutar de uma xícara de chá.
O chá comum contém menos níveis de antioxidantes que o chá verde, e beber só uma xícara diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias.
Cientistas israelenses também concluíram que beber chá aumenta a sobrevida depois de ataques ao coração.

16- Ter um animal de estimação.
As pessoas que não têm animais domésticos sofrem mais de estresse e visitam o médico regularmente, dizem os cientistas da Cambridge University. Os mascotes fazem você sentir se otimista, relaxado e isso baixa a pressão do sangue. Os cães são os melhores, mas até um peixinho dourados pode causar um bom resultado.

17- Colocar tomate ou verdura frescas no sanduíche.
Uma porção de tomate por dia baixa o risco de doença coronária em 30%, segundo cientistas da Harvard Medical School.

18- Reorganizar a geladeira.
As verduras em qualquer lugar de sua geladeira perdem substâncias nutritivas, porque a luz artificial do equipamento destrói os flavonóides que combatem o câncer que todo vegetal tem. Por isso é melhor usar á área reservada a ela, aquela caixa bem embaixo.

19- Comer como um passarinho.
A semente de girassol e as sementes de sésamo nas saladas e cereais são nutrientes e antioxidantes. E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes.

20- e, por último, um mix de Pequenas Dicas para alongar a vida:
- Comer chocolate. Duas barras por semana estendem um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio.
- Pensar positivamente. Pessoas otimistas podem viver até 12 anos mais que os pessimistas, que ademais pegam gripes e resfriados mais facilmente.
- Ser sociável. Pessoas com fortes laços sociais ou redes de amigos têm vidas mais saudáveis que as pessoas solitárias ou que só têm contato com a família.
- Conhecer a si mesmo. Os verdadeiros crentes e aqueles que priorizam o 'ser' sobre o 'ter' têm 35% de probabilidade de viver mais tempo.
Uma vez incorporados, os conselhos, facilmente tornam-se hábitos...
É exatamente o que diz uma certa frase de Sêneca: “Escolha a melhor forma de viver e o costume a tornará agradável”.
Utilidade Pública

VOCÊ É UM ENVELHESCENTE?


"Se você tem entre 45 e 65 anos, preste bastante atenção no que se segue. Se você for mais novo, preste também, porque um dia vai chegar lá. E, se já passou, confira.

Sempre me disseram que a vida do homem se dividia em quatro partes: infância, adolescência , maturidade e velhice. Quase correto. Esqueceram de nos dizer que, entre a maturidade e a velhice (entre os 45 e os 65) existe a ENVELHESCÊNCIA .

A envelhescência nada mais é que uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade. Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia. Não !!! Antes vem a envelhescência !!! E, se você está em plena envelhescência, já notou como ela é parecida com adolescência?

Coloque os óculos e veja como este novo estágio é maravilhoso: Já notou que andam nascendo algumas espinhas em você ? Notadamente na bunda ? Assim como os adolescentes, os envelhescentes também gostam de meninas de 20 anos. Os adolescentes mudam a voz. Os envelhescentes também. Mudam o ritmo de falar, o timbre. Os adolescentes querem falar mais rápido; os envelhescentes querem falar mais lentamente. Os adolescentes não têm idéia do que vai acontecer com eles daqui a 20 anos. Os envelhescentes evitam pensar nisso..

Ninguém entende os adolescentes ... Ninguém entende os envelhescentes... Ambos são irritadiços, enervam-se com pouco. Acham que já sabem de tudo e não querem palpites nas suas vidas. Às vezes, um adolescente tem um filho: é uma coisa precoce. Às vezes, um envelhescente tem um filho: é uma coisa "pós-coce".

Os adolescentes não entendem os adultos e acham que ninguém os entende. Os envelhescentes também não entendem eles. "Ninguém me entende" é uma frase típica de envelhescente. Quase todos os adolescentes acabam sentados na poltrona do dentista e no divã do analista. Os envelhescentes, também. A contragosto, idem. O adolescente adora usar uns tênis e uns cabelos "dá hora". O envelhescente também. Sem falar nos brincos. Ambos adoram deitar e acordar tarde. O adolescente ama assistir a um show de artista envelhescente (Caetano, Chico, Mick Jagger). O envelhescente ama assistir a um show de um artista adolescente. O adolescente faz de tudo para aprender a fumar. O envelhescente pagaria qualquer preço para deixar o vício. Ambos bebem escondido. Os adolescentes fumam maconha escondido dos pais. Os envelhescentes fumam maconha escondido dos filhos. O adolescente esnoba que dá três por dia. O envelhescente, quando dá uma a cada três dias, está mentindo.

A adolescência vai dos 10 aos 20 anos ... a envelhescência vai dos 45 aos 65. Depois, sim, virá a velhice, que nada mais é que a maturidade do envelhescente.
Daqui a alguns anos, quando insistirmos em não sair da envelhescência para entrar na velhice, vão dizer :
"É um eterno envelhescente." Que bom !!! "
Mário Prata

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

VIOLÊNCIA NO LAR...


Tem se falado muito a respeito da violência. Daquela que existe nas ruas e atinge pessoas aparentemente inocentes.
A cifra diária fala de assaltos, de assassinatos, de seqüestros. E parece que ninguém está a salvo.
Comenta-se também da violência de esposos embriagados ou em desequilíbrio, agredindo esposas.
Fala-se de pais atormentados ou em desespero, que agridem fisicamente seus filhos, provocando-lhes lesões corporais ou até a morte.
Tudo isto choca e muitas vozes se erguem para protestar, proteger, sugerir soluções.
Existe, no entanto, outro tipo de violência não menos cruel. Embora nem sempre percebida pelos demais, porque fica acobertada pela covardia.
Ou talvez exatamente porque se passa entre as quatro paredes do lar.
Falamos de idosos obrigados a excessivo labor pelos seus próprios filhos.
Idosos que já trabalharam muito e hoje, dependentes economicamente daqueles que geraram, são constrangidos a realizarem tarefas superiores a suas forças, já depauperadas.
Correr atrás de crianças levadas o dia todo, providenciar a limpeza da casa, lavar e passar roupas, ir ao supermercado.
Mesmo que a vista já se apresente meio turva e haja dificuldades para distinguir se o sinal está aberto para os carros ou para eles.
E quando a roupa não estiver bem passada ou a comida do jeito que era esperado, ouvem reclamações e acusações de que não valem nem o incômodo que causam.
São irmãos dependentes de outros irmãos, por problemas de enfermidades ou por serem menores, que devem amargar o pão que recebem para se alimentarem, todos os dias.
Pão que tem gosto de fel.
Filhos pequenos que suportam todos os dias os gritos e as agressões verbais de pais frustrados em suas paixões ou em seus sonhos.
Violência no lar que traduz, na verdade, a violência que vai na alma de cada um.
Cada um de nós denuncia nos seus atos a sua verdadeira identidade. Boa ou má.
Talvez alguns de nós não cheguemos aos extremos que falamos. Contudo, estamos a meio caminho.
Por isso, se a consciência nos diz que estamos sendo muito agressivos, mal educados e descuidados com os nossos afetos, paremos logo.
Se os nossos gritos e reclamações estão alcançando pais idosos e enfermiços, recordemo-nos o quanto deles recebemos.
Quantas noites de insônia quando nós, crianças, nos apresentávamos doentes. Quantos cabelos fomos nós mesmos que colorimos com a brancura da neve, com nossas rebeldias e malcriações.
E nem por isso, nos deixaram de amar. Sempre continuamos a ser para eles as eternas crianças que um dia eles acalentaram.
Agora suas mãos e faces enrugadas nos pedem calma, carinho, atenção.
É o mínimo que lhes podemos ofertar, como dádiva de gratidão pelo tanto que recebemos.
Trabalho como terapia? Excelente! Mas não em excesso, que lhes debilite ainda mais as poucas forças que têm, ou os preocupe ao ponto de perderem o sono.
Se a nossa raiva está sendo descarregada sobre irmãos menores ou de qualquer outra forma dependentes, recordemos que não foi o acaso que assim providenciou.
São as Leis Divinas que colocaram o mais fraco sob nossa guarda. É a Providência Divina que nos endereça aqueles mesmos que ontem, de uma ou de outra forma, machucamos ou até roubamos.
Se os nossos filhos pequenos estão recebendo a descarga das nossas frustrações, comecemos a agir de forma diferente.
Os que renascem na carne são sempre Espíritos na escalada do progresso. Normalmente, não é fácil o recomeço, a retomada dos compromissos.
Paciência é o que nos pedem. Cuidados. E amor.

Aprendamos a respeitar na criança a inocência do Espírito que ainda não se revelou por inteiro.
E nos cabelos brancos da velhice a experiência e as dores dos que ultrapassaram os anos no trabalho e na luta.
Redação do Momento Espírita

CORAGEM...


Coragem é ter fé para fazer o que ninguém faz, o que acham loucura, é pegar um bloco de pedra colossal e fazer um Davi quase divino, como Michelangelo, ver na pedra bruta, a obra pronta, e mesmo que demore, que os anos se passem que as mãos estejam doloridas, nada te detenha, nada te desanime.
Não te falte nessa vida, coragem para começar ou recomeçar, até que a sua obra esteja pronta, até que você se sinta feliz, tenha coragem...
Paulo Roberto Gaefke

ÁGUA MÁGICA...


A infelicidade se espalha como praga.
É um vírus, do tipo "MHQSS" (mal-humor que se espalha sózinho), vai pelo ar, está nos olhos dos "infelizes", só de olhar para cara da pessoa, você já tem vontade de chorar.

Por vezes, a pessoa reclama da sua casa, que lá não há harmonia, amor, amizade, que no trabalho é "cobra querendo comer cobra", e sai se achando "prejudicada", sem se perguntar:
-Será que eu estou fazendo a minha parte?
-Será que eu sou vacina ou contaminante?
- Será que esse vírus já não está instalado na minha alma?

Experimente, entrar no escritório, sorrindo, cumprimente a todos olhando nos olhos, coloque flores na sua mesa, no canto da sala, abra às janelas, deixe a brisa entrar.

Em casa, se o povo adora discutir, dê para cada um, a água mágica!
Onde tem água mágica?
Na torneira mesmo: pegue um pouco de água e coloque na boca, quando a pessoa que mais discute começar o bate-boca, mantenha a sua água na boca, sem engolir.
Deixe o infeliz falar, falar, falar, até cansar...
quando ele parar, engula a água mágica.

Isso também vale se a pessoa "chata", que adora um bate-boca for você.
As vezes, tudo o que precisamos é um pouco de silêncio, de intimidade com nós mesmos.
Então, água mágica na boca e viva a paz!
A felicidade também é contagiante, mas demora um pouco mais para se espalhar.
Parece que as pessoas ainda tem medo dela, medo de acordar e não ter do que reclamar...
Credo!

Eu acredito na Felicidade!
Vem ser feliz!
Paulo Roberto Gaefke

SER ÚTIL E NECESSÁRIO...


Os meses se sucedem tão rapidamente que logo se transformam em anos...
Os anos se acumulam e acabam realizando os sonhos nobres de quem os acalenta, com perseverança, na intimidade.
Assim acontece com os nossos filhos, especialmente quando estão buscando uma formação profissional.
As primeiras batalhas começam na luta por conquistar uma vaga na Universidade.
Após árduos esforços, lá está ele dentro de uma sala de aula. As expectativas são grandes e as dúvidas quanto ao curso escolhido lhe rondam a alma.
Será isso mesmo que eu quero? Será que lograrei êxito? Pergunta-se com freqüência.
Enfim se adapta ao curso e segue adiante. São anos e mais anos de perseverança para conquistar a possibilidade de exercer uma profissão.
Agora outras questões lhe vêm à mente: poderei ser útil e necessário à sociedade da qual faço parte?
Valerá a pena tantos esforços, enquanto há muitos jovens desperdiçando seu tempo em coisas fúteis e sem propósitos? Por fim aproxima-se do final do curso. Agora as preocupações são outras. É o estágio, a monografia, os preparativos para o exame final.
Ao cabo de alguns anos de esforços continuados, o diploma, enfim.
Agora uma última pergunta vem à mente: terá valido a pena?
E nós diremos que somente aqueles que perseveram até o fim obterão essa resposta.
E ela virá na utilidade que cada indivíduo der à sua profissão e na importância de ser necessário e de estar presente onde se é necessário.
É o agradecimento de uma mãe cujo filho o novo médico acaba de salvar...
O reconhecimento de alguém ao jovem farmacêutico, pelo medicamento eficaz que lhe aliviou as dores.
É o olhar de contentamento de alguém que contratou um engenheiro ou arquiteto eficiente e obteve seu lar bem construído.
São as palavras de gratidão ao analista de sistemas que conseguiu resolver com presteza os problemas de determinado empresário.
É compartilhar da vitória conquistada pelos alunos de um professor competente que não mediu esforços para ensinar com sabedoria.
É a gratidão da humanidade inteira pelas descobertas científicas promovidas por jovens cientistas conscientes de sua utilidade perante o mundo.
É a satisfação dos usuários promovido por profissionais que pensam na melhor maneira de levar conforto e segurança através da arte de desenhar.
E, assim, todos os profissionais dedicados terão uma resposta que provará que tudo valeu a pena.
Que as noites em claro foram de grande utilidade...
Que abrir mão das diversões para dedicar-se ao estudo foi uma sábia decisão.
Enfim, que todos os esforços valeram a pena pelo simples fato de que os limites superados os fizeram cada vez mais fortes e mais livres.
Você sabia?
Que perante as leis de Deus toda ocupação útil é trabalho?
E que o trabalho é alavanca de progresso para todas as criaturas?
Assim sendo, com ou sem diploma, todos podemos contribuir de forma eficiente para a evolução da humanidade e, especialmente, para nossa própria evolução.
Redação do Momento Espírita

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

SERMÃO DE CASAMENTO...


"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre:
"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"
Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
- Promete se deixar conhecer?
- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?
- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros."

Mário Quintana

O TRIPÉ DA MUNDANÇA...


Idade, necessidade e vontade – o que faz você mudar?
Eu, particularmente, mudo por vontade que me faz ver o mundo sempre de uma nova forma e viver rodeada de desafios.

Mudamos por três razões básicas: idade, necessidade e vontade. Esta e outras afirmações estão em artigo que faz uma reflexão sobre os momentos de mudanças ao qual passamos. Confira!
Por que encontramos tantas dificuldades em realizar mudanças, sejam elas pessoais ou profissionais?
Poderíamos discorrer um livro inteiro sobre esse tema (ainda o farei), mas neste artigo vamos ao cerne da questão.

Mudamos por três razões básicas: idade, necessidade e vontade.
Aceitamos com naturalidade o fato de mudarmos a medida que o tempo passa, que a idade avança. Etapas novas vão surgindo. Escalas de valores vão se alterando. Algumas características permanecem e outras se alteram em função do andar da carruagem. São mudanças naturais que a própria vida se encarrega de realizar em nós.
Os outros dois motivos são mais complexos. Diferenças significativas distanciam necessidade (causas externas) de vontade (causas internas).
Por necessidade, chamamos todos os movimentos realizados em função de causas externas: um novo emprego, uma demissão, uma doença, um novo chefe, uma nova tecnologia, o crescimento de um concorrente, um novo produto para um novo mercado. Uma força externa faz com que ações venham a se realizar dentro de nós. Na maior parte das vezes, não gostamos do que está acontecendo, mas somos compelidos a aderir ao movimento. Rompemos nossa homeostase a contragosto. Normalmente, esses movimentos são radicais. Esses motivos externos modelam o tempo, via de regra, com um intervalo menor do que o desejado. Um novo emprego nos obriga a aceitar uma cultura diferente. Uma doença súbita leva-nos a novos hábitos. Uma nova tecnologia surge e nos obriga a adotá-la para não ficarmos fora de mercado. Novas atitudes são tomadas em função do crescimento do concorrente. Ou mudamos, ou a empresa perde mercado. A situação exige velocidade.
Passada a tempestade e os momentos iniciais dessa nova fase, que pode ser de vários meses, vimos que poderíamos ter realizado as mudanças vinculadas aos motivos em questão, sem as dores e contratempos com que a velocidade nos obrigou a fazê-las. Não queríamos ver o problema em si? Não tínhamos coragem de tomar as decisões por sabermos das dificuldades e riscos que iríamos passar? Por que prorrogamos por tanto tempo essas mudanças? Por que precisamos dessa força externa para “obrigar-nos” a mudar? Desculpas?
Faltou algo importante. Um toque mágico, um passo de coragem, um ato de determinação. Uma provocação? Um exemplo bem sucedido a ser seguido? Uma motivação? Quantas perguntas sem respostas....
Por vontade, chamamos todos os movimentos que realizamos através do nosso “eu”. De dentro para fora. A necessidade pode até estar no âmago da questão, servindo como mola propulsora da mudança ou apenas como indicador forte de que devemos mudar. A diferença básica entre a vontade (própria) e a necessidade, é que esta, provindo de razões externas, tende a desaparecer, quando essas forças deixam de atuar. A mudança, ou as mudanças, foram temporariamente dirigidas e pressionadas por uma causa externa. No caso da vontade, precisamos de uma força muito maior do que a anterior. Um movimento interno que nos induz a mudar.
Fazendo outra comparação, podemos dizer que a necessidade atua sobre a cabeça (razão), ao passo que a vontade mexe com o coração (sentimentos). Por esta forma de falar, podemos dizer que a vontade atua sobre uma parte do cérebro, gerando substâncias químicas relacionadas com o prazer, bem estar. Ao passo que a necessidade atua sobre outra parte do cérebro, relacionado à obrigação, dever, cobrança, sem o prazer e o bem estar da anterior.
Quando partimos para o campo da necessidade, os resultados podem também gerar prazer quando atingimos os objetivos que estávamos buscando. A origem porém, é diferente. A mudança causada pela vontade (força interna) nasce e encerra com prazer, ao passo que a causada pela necessidade inicia por obrigação e pode encerrar com prazer.
A base da vontade está intimamente ligada à motivação. Vamos agora examinar a palavra motivação e sua prima-irmã, provocação. Em ambas sobressai o sufixo “ação”. Parte importante em tudo que realizamos em nossas vidas. Já mencionei em outros artigos, mas vale a pena repetir. Existem três tipos de pessoas. As que fazem, as que deixam que os outros façam, resignando-se seja qual for o resultado e as que choram pelos cantos e reclamam pelas coisas que os outros fizeram e cujos (bons) respingos elas “não tiveram sorte” de receber.
Motivação significa “o ato de motivar”, do latim motivu, que move. Provocação significa “o ato de provocar” do latim provocare, desafiar. Que mais palavras precisamos para realizarmos transformações internas do que as acima mencionadas? Um desafio que nos faz mover. Sem obrigação. Por prazer de superar as dificuldades que possuímos. Por prazer de ver nossa(o) companheira(o) mais feliz. Por prazer de melhorar o ambiente familiar ou profissional. Por prazer de fazer o bem a um(a) amigo(a). Por prazer de entender que devemos mudar para preparar-nos para um futuro melhor. Por prazer de querer viver mais e com mais qualidade de vida. Para sermos mais felizes.
Se entendermos a última frase, estaremos dando um passo importante para realizar nossas mudanças tão esperadas por nós mesmos (e pelos que convivem conosco).
Mudem com prazer para serem mais felizes. Não é a única via, mas certamente todos nós temos que passar por esse difícil caminho da mudança. Decidam, ousem, corram riscos, mas mudem. Para melhor, para serem mais felizes.

Por Rui Carlos Pizzato (autor do livro chamado Fábrica de Sonhos - Editora Nova Prova - Livraria Sulina. E-mail: ruipizzato@brazservice.com.br)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

MEU JESUS ANDA SORRINDO...


Meu Jesus anda sorrindo!
O seu convite não é aquele do medo, nem de ameaças de inferno ardente, nem de cobranças tolas e aparentes.
Meu Jesus é amoroso, e para todos traz consolo.
Seus ombros são largos, e seu abraço um afago.
Meu Jesus não despreza ninguém, pelo contrário, é Ele quem sai às ruas, é Ele que vem ao seu encontro, visita hospitais; cura, visita presídios; liberta a alma, visita aflitos; consola, visita pobres e ricos, ama a todos, sem distinção,
Jesus sorrindo, é Jesus da redenção.
Receba agora Jesus sorrindo, esqueça a imagem da cruz, Ele desceu dela faz muito tempo, deixou a dor ali, perdoou,
libertou-se do mundo, sem nunca deixá-lo.
E agora, presente em cada canto, anuncia a boa nova sem espanto, sorrindo, Jesus está aqui, Jesus te quer feliz!
Receba-o agora na sua casa, na sua vida, se o problema é grande, o Pai é Maior, e Jesus sorrindo anuncia bençãos sem medida, pois Ele é o caminho, a verdade e a Vida!
Que assim seja!
Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 11 de agosto de 2009

OBSERVADOR...


Enquanto a mãe zela, o pai observa!
E se as palavras não expressam, pequenos gestos, como o segurar a bicicleta na primeira volta, andar de mãos dadas pelo parquinho, levar de cavalinho pela casa, brincar com o carrinho sem rodas, ou mesmo jogar vídeo-game em silêncio, fazem do amor paternal, um amor único, que marca mais pela "presença", lembra uma fortaleza...
Enquanto o amor de mãe é, e sempre será, incondicional, o pai observa, explica, corrige, exemplifica, mas é tão humano e por vezes cai.
O pai é a parte racional cheia de emoções.
O que precisa ser durão, forte, sustentáculo...
Mas quantas vezes se pega chorando, escondendo lágrimas que teimam em cair.
O pai observa...
Seja de onde for, ele zela.
Para os que tem o pai vivo, um abraço mais demorado, um olhar cúmplice, assim de repente, este é o melhor presente. Para os que não o conheceram, fica o amor do Pai de Todos, e para os que já partiram, uma gostosa saudade, m cheiro de domingo no parque, lembrança da eterna felicidade, porque a mãe zela, o pai observa, e Deus, que é Pai e Mãe,
a todos abraça, a todos vela.
Paulo Roberto Gaefke

PERFIL DA ALEGRIA...


Ela surpreende pelo festival de bênçãos que a caracteriza.
Às vezes insinua-se com suavidade, qual madrugada que vence com gentileza as sombras aterradoras e triunfa, oferecendo reconforto.
Noutros ensejos é clarão inesperado que ilumina de um só golpe, a tudo dominando.
Seja como for, ela é imprescindível à vida.
A alegria é dádiva de Deus que sorri em toda parte, conclamando à renovação e ao entusiasmo.
Um minuto de júbilo ressarce todo um investimento de receios e preocupações, oferecendo reservas de energias para o prosseguimento das lutas.
A sua força vitaliza o corpo e incentiva o Espírito para a continuação do programa evolutivo.
A alegria é como um sol primaveril após a demorada invernia.
A alegria da Terra são as pequenas flores que explodem nos campos e matizam a natureza.
A alegria da ave são os amplos espaços a vencer.
A alegria do trabalhador é o fruto da sua ação.
O artista e o esteta, o cientista e o filósofo, o literato e o religioso colhem as dádivas da alegria no labor que realizam, como vitórias sobre as dificuldades e os desafios que enfrentam.
Em toda parte, quem ama encontra o toque de alegria que o amor de Deus assinala como beleza.

Como anda sua alegria?
Considerando os diversos momentos de seu dia, você poderia dizer que passa mais tempo com ou sem ela?
Mas, que razões temos para cultivá-la, uma vez que ainda vivemos num mundo de tantas dores? - alguém poderia indagar.
Sim, temos muitas razões!
A alegria do dever cumprido; da perseverança no ideal superior; da paciência na luta renovadora.
A alegria da resignação ante as dores; da bondade inalterável; do perdão incondicional.
A alegria da vitória sobre as paixões dissolventes; da vitória do eu novo sobre o eu antigo. Júbilo que redunda em paz, em plenitude do coração e da mente.
Temos razão para celebrar a alegria de amar, de querer bem, e também de ser amado por muitos.
Alegria da gratidão. Gratidão pela oportunidade da encarnação; pela proteção, pelo carinho dado e recebido.
Alegria de poder sonhar... De ser livre nos pensamentos, na imaginação.
Alegria de quem é imortal, e sabe que jamais será consumido pelo tempo.
De quem consegue perceber que a cada dia que passa estamos mais vivos, mais maduros, e temos a chance de estarmos mais felizes.
Nem mesmo aquele que padece dificuldades terríveis, pode dizer que não possui razões para a alegria.
Hoje já sabemos que, mesmo no sofrimento profundo, as Leis Divinas nos impulsionam para a felicidade maior.
Vive assim a alegria em seus dias, deixando que essa sua força lhe faça mais resistente às intempéries ainda comuns desses dias invernais.
A alegria é imprescindível à vida.

Redação do Momento Espírita com base no cap. 14, do livro Perfis da vida, pelo Espírito Guaracy Paraná Vieira, psicografado por Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

DESCONFIE...


Fuja das facilidades do mundo, cuidado com portas largas demais, até para sorrir o rosto pede esforço, nada acontece sem trabalho e perseverança, não se chega a lugar nenhum sem uma boa caminhada, por isso, desconfie quando o "lá" vira "aqui", quando a esmola é generosa demais, quando o preço for muito abaixo do mercado.
Fique atento principalmente:
quando disserem que você não tem jeito, que não se adequou ao perfil, quando tentarem te colocar "abaixo do abaixo", quando alguém te abandonar, ou até trocar.
Cuidado com o desamor, é muito fácil cair, é muito mais simples se esconder, se fechar no quarto escuro, se isolar,
difícil é resistir, é lutar, viver.
Mantenha em mente a sua importância, não se deixe levar pela corrente, o pessimismo é uma praga que se instala,
é doença que atrapalha e se espalha, como vírus pelo ar, e pega mesmo, em que insiste em não se valorizar.
Você vale muito mais do que imagina, Valorize-se!
Paulo Roberto Gaefke

UM TELEFONEMA PROVIDENCIAL...


O médico-escritor A J. Cronin conta, em sua obra "Pelos caminhos da minha vida", que, numa noite chuvosa de dezembro, retornou ao seu lar, exausto e decepcionado com a sua profissão.
Embora sua esposa insistisse, ele não quis jantar e tomou somente uma caneca de chocolate. Deitou-se depois e como fervoroso cristão, pediu a Deus na sua prece para que ninguém o incomodasse, naquela noite, com um chamado de urgência.
Adormeceu rapidamente para, logo mais, ser despertado pela campainha do telefone.
Tateando no escuro, agarrou o aparelho e atendeu.
Era uma voz feminina que lhe pedia que fosse até a casa de determinada família para socorrer uma pessoa que se encontrava em grave estado de saúde.
O médico, cansado, disse que iria pela manhã. Naquela noite de tempestade era quase impossível atender o chamado.
A voz aflita insistiu: "trata-se de minha filha, doutor. É a mãe dela quem está falando. Pelo amor de Deus, venha agora."
Impressionado, ele se levantou e saiu. Uma senhora idosa abriu a porta e ele penetrou num quarto mal iluminado e com pouca mobília.
Sobre a cama estava uma adolescente em estado de inconsciência. Um homem de meia idade estava sentado ao lado e parecia velar por ela.
Quando soube que era o médico que ali estava, o mandou embora.
"Muito bem", falou o médico, "mas se sua filha vier a morrer, o senhor já sabe de quem é a culpa."
"Está bem", falou o homem. "então a examine, já que está aqui mesmo."
Depois de um meticuloso exame, o médico descobriu um tumor benigno por detrás da orelha direita da jovem, que estava quase se infiltrando na massa encefálica.
Ali mesmo, o médico realizou a pequena cirurgia de emergência.
Tendo concluído a sua tarefa e após a menina começar a dar sinais de recuperação, ele olhou para a senhora que lhe abrira a porta e lhe disse: "não fosse o seu telefonema me chamando e sua filha poderia estar morta, agora."
O pai da menina, surpreso, falou que aquela senhora era apenas a criada, que nem ao menos falava o seu idioma, que eles não tinham telefone e o mais próximo ficava a vários quilômetros daquela casa.
E acrescentou: "minha esposa morreu, neste quarto mesmo, há 5 anos, porque eu não permiti que se chamasse um médico."
E começou a chorar.
A narrativa do médico-escritor acaba afirmando que, dias depois, se descobriu que quem dera o telefonema fora uma plantonista da agência central telefônica da cidade.
No entanto, ela não soube explicar porque fez aquilo. Alguma coisa a motivara a telefonar, é como se alguém a tivesse inspirado, naquela noite.

Todos somos mais ou menos médiuns, mesmo que nem sempre nos demos conta. Por isso, se faz importante a conquista dos valores morais para que sejamos sempre os médiuns do amor, da atenção, da renúncia.
Através de nós, os mensageiros do bem podem agir, beneficiando outros seres, socorrendo-os em suas necessidades.
Mesmo porque as mãos de Jesus, na terra, são as mãos dos homens que se amoldam à lei de amor que Ele veio ensinar e exemplificar.

Equipe de Redação do Momento Espírita, a partir de artigo da revista Presença Espírita, ano XXVII, nº 226, de setembro/outubro 2001, intitulado Um telefonema providencial, de autoria de José Ferraz.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

VÍNCULOS...


Outro dia recebi pela internet aquele filmezinho que já rodou muito por aí, “Filtro solar”. A versão original até hoje me emociona. É tudo bastante simples, mas a voz segura do locutor americano, a ótima edição de imagens e a música vibrante — nada a ver com as músicas cafonas dos abomináveis power points — fazem com que o texto cresça também. Gosto especialmente da parte que diz que quanto mais você envelhece, mais precisa das pessoas que o conheceram na juventude.

Ainda estou a uma distância segura da decrepitude, mas já não sou garota e cada vez tenho mais consciência da importância do meu passado na construção de quem sou hoje, e portanto carrego minha folha corrida sempre comigo, não importa o quanto pese — e o passado sempre pesa.
Mas sem ele, quem somos? Valem nada nossas conquistas se não temos ao lado aqueles que testemunharam o quanto a gente batalhou pra chegar até aqui. E nossas derrotas só merecem ser choradas nos ombros daqueles que nos conhecem tão profundamente que sabem mais do que nós as razões da nossa dor. Quem nos conheceu ontem, não consegue perceber a verdadeira dimensão do que nos comove.
Amigos novos são bem-vindos, trazem frescor à nossa vida, mas há certos momentos em que precisamos de um espelho humano, alguém em quem possamos nos refletir e avalizar nossa origem e identidade. Estes espelhos geralmente são nossos pais, irmãos e os "velhos amigos", mas pode ser também uma fruta que você colhia no pátio da casa da sua infância, pode ser um fusca que você não tem coragem de vender, pode ser um anel que foi da sua avó e que hoje está no dedo da sua filha. Pode ser qualquer coisa que te leve pra trás e te traga de volta, assegurando quem você é — e sempre foi.
Apesar deste papo meio poético, tudo isso me veio à cabeça não por causa de uma lembrança terna, mas de uma lembrança selvagem: foi escutando o novo disco dos Rolling Stones que cheguei até este tema. Os velhinhos continuam possantes, parece que as últimas décadas não passaram pra ninguém, me vi ainda solteira, no meu quarto, escutando “Tatoo You”, disco de 1981, e agora ouço o vigoroso “A bigger bang” e parece que foi ontem, e é hoje, e seguimos os mesmos.
Vínculos. Um conforto para o que nos amedronta tanto, que é a passagem do tempo.
Martha Medeiros

NOSSOS PAIS...


Pais heróis e mães rainhas do lar.
Passamos boa parte da nossa existência cultivando estes estereótipos.
Até que um dia o pai herói começa a passar o tempo todo sentado, resmunga baixinho e puxa uns assuntos sem pé nem cabeça.
A rainha do lar começa a ter dificuldade de concluir as frases e dá prá implicar com a empregada.
O que papai e mamãe fizeram para caducar de uma hora para outra?
Fizeram 80 anos. Nossos pais envelhecem. Ninguém havia nos preparado pra isso.
Um belo dia eles perdem o garbo, ficam mais vulneráveis e adquirem umas manias bobas.
Estão cansados de cuidar dos outros e de servir de exemplo: agora chegou a vez de eles serem cuidados e mimados por nós, nem que pra isso recorram a uma chantagenzinha emocional.
Têm muita quilometragem rodada e sabem tudo, e o que não sabem eles inventam.
Não fazem mais planos a longo prazo, agora se dedicam a pequenas aventuras, como comer escondido tudo o que o médico proibiu. Estão com manchas na pele.
Ficam tristes de repente. Mas não estão caducos: caducos ficam os filhos, que relutam em aceitar o ciclo da vida.
É complicado aceitar que nossos heróis e rainhas já não estão no controle da situação. Estão frágeis e um pouco esquecidos, têm este direito, mas seguimos exigindo deles a energia de uma usina.
Não admitimos suas fraquezas, seu desânimo.
Ficamos irritados se eles se atrapalham com o celular e ainda temos a cara-de-pau de corrigi-los quando usam expressões em desuso: calça de brim? frege? auto de praça?
Em vez de aceitarmos com serenidade o fato de que as pessoas adotam um ritmo mais lento com o passar dos anos, simplesmente ficamos irritados por eles terem traído nossa confiança, a confiança de que seriam indestrutíveis como os super-heróis.
Provocamos discussões inúteis e os enervamos com nossa insistência para que tudo siga como sempre foi. Essa nossa intolerância só pode ser medo. Medo de perdê-los, e medo de perdermos a nós mesmos, medo de também deixarmos de ser lúcidos e joviais. É uma enrascada essa tal de passagem do tempo.
Nos ensinam a tirar proveito de cada etapa da vida, mas é difícil aceitar as etapas dos outros, ainda mais quando os outros são papai e mamãe, nossos alicerces, aqueles para quem sempre podíamos voltar, e que agora estão dando sinais de que um dia irão partir sem nós.
Martha Medeiros

LIBERDADE DE ESCOLHAS...


Sim, você pode ir para qualquer lugar.
Desde que se proponha realmente a chegar lá.
Você pode aceitar uma proposta de emprego, pode começar um pequeno comércio, quem sabe, inaugurar um novo tipo de indústria.
Você pode ainda, infelizmente, sentar e não fazer nada.
Tudo faz parte do seu direito de escolha.

Liberdade para pensar e plantar, liberdade para lançar sementes e semear, tudo é livre, menos a colheita, pois essa é obrigatória.
É a Lei Maior da Vida:
-você colhe o que plantar.

Por isso, antes de reclamar do dia, pense bem nas vantagens de cada situação.
Mesmo a dor mais profunda possui ensinamentos, e dela podemos retirar motivação para o resto dos nossos dias.

Existem coisas que podemos evitar, ótimo, evite-as, mas existem aquelas que nem podemos explicar,
acontecem e não têm aparentemente uma razão.
Então, resta o silenciar, o deixar o tempo passar, seguir trabalhando, lutando, para quem sabe, um dia entender que tudo faz parte de uma dinâmica.
Da nossa experiência com a liberdade, que somos livres, ninguém é de ninguém, e assim, a nossa história é única,
assim como a liberdade que dispomos.

Aproveite a sua liberdade para plantar novas sementes, fazer um novo curso, adotar uma criança, um animalzinho,
doar sangue, doar órgãos, doar amor.
Nada muda alguém tão profundamente quanto o amor.
Amor e liberdade, com responsabilidade, representam a vida, são a própria eternidade.
Paulo Roberto Gaefke

DIREÇÃO DO SOL...


Tome a tua vida em tuas mãos, e não entregue a direção dela a ninguém.
Por mais que te amem, por mais que desejem, o teu bem, só você é capaz de sentir o que realmente sente, e aquilo que você passa de impressão para os outros,nem sempre corresponde ao que vai na sua alma.

Quantas vezes você já sorriu para disfarçar uma lágrima teimosa?
Quantas vezes quis gritar e sufocou o pranto?
Quantas vezes quis sair correndo de algum lugar e ficou por educação, respeito ou medo?
Quantas vezes desejou apenas um beijo, e ficou com a boca seca esperando o que não veio?
Quantas vezes tudo o que você desejou era apenas um abraço.
Um consolo, uma palavra amiga e só recebeu ingratidão?
Quantos passos foram necessáriospara chegar até onde você chegou?
Quantos sabem dar o valor que você realmente merece?
Criticar é fácil, mas usar o seu sapato ninguém quer, vestir as suas dores ninguém quer,
saber dos seus problemas, só se for por curiosidade, por isso, não entregue a sua vida nas mãos de ninguém,
nada de acreditar que sem essa ou aquela pessoa, você não vai viver...Vai viver sim, o mundo continua girando, e se você deixar, pode te trazer algo muito melhor.
Pegue a direção da sua vida e aponte rumo ao Sul, lá onde a placa diz "caminho do sol", bem na curva da felicidade, que te espera sem pressa, para viver com amor e intensidade, a paz, a harmonia e a felicidade.
Paulo Roberto Gaefke

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O CAMINHO DA LOUCURA...


Quase todos os seres humanos possuem uma característica típica da esquizofrenia: fazerem continuamente as mesmas coisas e ficar à espera de resultados diferentes.

Todas as pessoas querem vidas melhores, mais saúde, melhores relacionamentos, mais abundância financeira... Mas, dia após dia fazem exatamente as mesmas coisas! À espera de um milagre. Que nunca irá acontecer!

PORQUE SÃO LOUCAS...
Porque acreditam que vão mudar de vida sem mudar. Porque se meditarem o suficiente serão abençoadas com milhares de coisas boas, sem necessidade de mudar o que quer que seja.

Já reparou que à sua volta, na natureza, nada permanece constante? Tudo muda continuamente. E, no entanto, você... que quer mudanças na sua vida, está a espera que elas ocorram sem mudar.

BEM VINDO À INSANIDADE!
A maior parte das pessoas tem um sonho e faz planos para o manifestar e medita. E acredita na Lei da Atração e até é capaz de escrever alguma coisa e esperar que as pessoas à sua volta comecem a mudar...

E NADA ACONTECE...
Porque a mudança tem que começar dentro de cada um primeiro!

Tudo começa com os rótulos que colocamos sobre cada experiência do nosso cotidiano. Qualquer experiência sua é sempre uma aprendizagem. O "bom" e o "mau" é penas um rótulo que você decide colocar.

Quando sentir que a experiência merece um rótulo "negativo" aprenda, antes de colocar o rótulo, a afirmar algo como "não sei de que forma esta experiência é boa pra mim, MAS É!".

QUANTO MAIS NEGATIVO FOR AQUILO QUE TENHO PRA DIZER, MAIS DEMORO PRA DIZER. É uma técnica ensinada por D. Juan: dissolver a negatividade para dar poder à divindade.

Ame cada experiência se quer atrair experiências melhores. E lembre-se que jamais passará por uma experiência "dramática", a menos que esteja preparado/a para ela.
"Quem vive no presente com olhos no passado descobrirá que não tem futuro."
"Insanidade é fazer repetidamente as mesmas coisas e esperar resultados diferentes."
Pare de se queixar para que esse tema se dissolva. Agradeça mais! Reclame menos!
Em tudo que fazes, lembra-te: O UNIVERSO NÃO É ESTÚPIDO!

Paulo Kronemberger

terça-feira, 4 de agosto de 2009

ENCONTRE A FELICIDADE...


Corremos de um lado para o outro esperando descobrir a chave da felicidade. Esperamos que tudo que nos preocupa se resolva num passe de mágica. Achamos que a vida seria tão diferente, se pelo menos fôssemos felizes.

E, assim, uns fogem de casa para serem felizes e outros voltam para casa para serem felizes. Uns se casam para serem felizes e outros se divorciam para serem felizes. Uns fazem viagens caríssimas para serem felizes e outros trabalham além do normal para serem felizes.

Uma busca infinda. Anos desperdiçados. Nunca a lua está ao alcance da mão, nunca o fruto está maduro, nunca o vinho está no ponto. Nunca estamos satisfeitos.

Mas, há uma forma melhor de viver! A partir do momento em que decidimos ser felizes, nossa busca da felicidade chegou ao fim. É que percebemos que a felicidade não está na riqueza material, na casa nova, no carro novo, naquela carreira, naquela pessoa. E jamais está à venda.

Quando não conseguimos achar satisfação dentro de nós mesmos, é inútil procurar em outra parte. Sempre que dependemos de coisas fora de nós para ter alegria, estamos fadados à decepção.

A felicidade não tem nada a ver com conseguir. Consiste em satisfazer-nos com o que temos e com o que não temos.

Poucas coisas são necessárias para fazer feliz o homem sábio, ao mesmo tempo em que nenhuma fortuna satisfaria um inconformado. As necessidades de cada um de nós são poucas.

Enquanto nós tivermos alguma coisa a fazer, alguém a amar, alguma coisa a esperar e um Deus pra acreditar, seremos felizes.

Saiba: a única fonte de felicidade está dentro de você, e deve ser repartida. Repartir suas alegrias é como espalhar perfumes sobre os outros: sempre algumas gotas acabam caindo sobre você mesmo.

"Na incerteza do amanhã, aproveite o hoje para ser feliz."
Desconheço a autoria

DEUS...


Que nos leva a viver, que nos faz recomeçar.
Que nos faz sorrir, que nos faz suportar as dores.
Que nos faz suportar a saudade.
Que nos faz buscar a felicidade.
Existe uma força muita além de nossos olhos.
Maior que imaginamos, que nem sempre procuramos.
Mas, ela sempre está a nossa espera.
Existe uma força que nos faz sonhar.
Uma força que nos faz acreditar.
É uma força chamado amor.
É uma força chamada persistência, coragem, fé!
Uma força que nos faz, desejar viver.
Olhe! Ela existe dentro de mim.
Ela existe dentro de você!
A nossa força é DEUS!
Deus te ama e eu também!!!
Desconheço a autoria

domingo, 2 de agosto de 2009

DE ARREPENDIMENTO...


Todo mundo conhece uma velha expressão popular: “se arrependimento matasse…”.

Acontece que arrependimento mata, se não procurarmos consertar o mal que fizemos. Ninguém pode se arrepender, e pronto. É preciso fazer alguma coisa, ou o remorso vai corroer nossas vidas. Só o desejo de agir justifica o pensamento sobre uma ação já executada.
Sempre é possível pedir perdão, reparar um mal, recuperar algo que destruímos, mesmo quando a morte já se colocou entre nós e a pessoa a quem causamos mal. Neste caso, oramos pedindo que nos desculpe, e procuramos fazer um bem desinteressado a outro, oferecendo a tarefa em intenção de sua alma.
Sempre é possível fazer alguma coisa.
Paulo Coelho

RELAÇÕES HUMANAS...


Relações humanas no ambiente de trabalho - assim deve ser o tratamento com superiores, subordinados, colegas e clientes.
1 - Respeite seu chefe imediato, colegas, subordinados e clientes - Quem respeita, será respeitado.
2 - Não corte a palavra de quem fala - Fale pouco, convicto e com segurança.
3 - Seja claro na comunicação - Fale somente o necessário e saiba ouvir.
4 - Cuide de não ferir o outro com reações agressivas - Controle suas emoções.
5 - Procure a causa de suas antipatias a fim de vencê-las - Conheça-se a si mesmo.
6 - Nunca dizer categoricamente: "Não concordo! Você está errado" - Dizer a mesma coisa com outros termos. A maneira como você diz é mais importante do que aquilo que você diz.
7 - Tente sempre enaltecer as qualidades positivas das pessoas, através do elogio - Assim você cativa amigos.
8 - Cuide de certas normas de etiqueta social; aplique-as corretamente - Exemplo: não fume na presença de quem não fuma.
9 - Tenha sempre um semblante alegre e sorridente - O sorriso contagia o ambiente.
10 - Mostre interesse pelos outros, por seus problemas, sua família, sua profissão - As pessoas gostam de receber atenção.
11 - Dê importância ao outro, por mais humilde que seja - Valorize as pessoas, é uma questão de respeito.
12 - Mostre, pela atenção, que gostaria de ser seu amigo - Dar atenção confere destaque à outra pessoa.
13 - Lembre-se sempre que ninguém nasce sabendo - Aprender é descobrir ignorâncias.
14 - Lembre-se que para galgar os degraus do sucesso é preciso, necessariamente, vender simpatia - Só vendendo simpatia é que se atrai amizades.
15 - Dialogar sempre - O diálogo aberto e sincero, amigo, é um dos imperativos para quem quer ser alguém na vida.
16 - Gostar daquilo que você faz é gostar de si - Auto-estima: gostar do outro e amar seu trabalho são ingredientes de sucesso nas relações humanas.
Desconheço a autoria
Ocorreu um erro neste gadget