Páginas

terça-feira, 31 de maio de 2011

COMO FALAR EM PÚBLICO SEM MEDO...

O medo de falar em público é uma das fobias mais comuns da humanidade. Só de pensar em se levantar e falar na frente de uma platéia, muitas pessoas passam do estado de calma para o de pavor. E elas se sentem dessa forma porque têm medo de serem julgadas negativamente pelo público.


Dessa forma, o segredo para superar o medo de falar em público reside em evitar o receio de reprovação. Assim, temos alguns conselhos importantes para você:


• Pare de buscar a aprovação do público. Ao invés disso, você deve se concentrar em como dar algo útil àquelas pessoas. É isso que importa. Utilizar o seu discurso para transmitir alguma coisa relevante à sua audiência;


• No momento em que você perceber que tem algo a oferecer ao público, seu foco vai mudar, e você vai descobrir que tem controle sobre a platéia. Você está lhes dando isso, então por que ter medo deles? A platéia é formada apenas por ouvintes que estão se beneficiando da sua fala;


• Imagine a situação. Veja que você está fazendo algo grande nesse momento, algo em benefício daquela platéia, e que você é merecedor de aplausos por isso;


• Mantenha durante todo o tempo a noção de que você está oferecendo um presente, e não sendo examinado. Você é uma pessoa única, ninguém é igual a você, e nem pensa como você. Portanto, partilhe as suas idéias com os outros. A platéia não vai encontrar esses pensamentos em nenhum outro lugar. Seja generoso em compartilhar sua riqueza intelectual;


• Se você começar a falar e por ventura sentir medo, saiba que as pessoas na platéia se sentiriam muito mais assustadas, porque essa é a mais comum das fobias. Portanto, se houver um pequeno tremor em sua voz, a platéia vai se identificar com isso, e não reprovar você, porque eles saberão que você está fazendo algo desafiador;


• Lembre-se que a prática leva à perfeição. Sendo assim, veja cada ocasião de falar em público como uma nova oportunidade para melhorar. Todos os grandes oradores de hoje tiveram dificuldades em suas primeiras experiências com o público, mas evoluíram com o tempo. Seria muito ruim se você nunca tivesse oportunidade de praticar, pois assim jamais aperfeiçoaria sua técnica. Encare o discurso como mais um degrau em sua escala evolutiva;


• Veja que você será objeto de inspiração para os demais. Afinal, quando você se levantar para falar diante da platéia, as pessoas dirão a si próprias, “se ele consegue fazer isso, então eu também posso!”. Sua coragem vai inspirar as pessoas. Você pode se sentir orgulhoso por isso.


Pratique, portanto, a fala em público sempre que puder. Seja em reuniões de amigos, familiares, festas, na sala de aula ou em reuniões. Busque públicos cada vez maiores e faça disso um desafio prazeroso. Você perceberá uma melhora a cada vez que o fizer.


Dicas para falar em público
Falar em público é algo que deixa algumas pessoas apreensivas. A experiência pode gerar muito nervosismo, sendo este um sentimento natural, que quando controlado pode ser transformado em entusiasmo. Mas, em grande escala, pode constituir um obstáculo.
Neste sentido, seguem dicas importantes para falar em público:


• Antes de fazer seu discurso, pratique. Diga o texto em voz alta para si mesmo e experimente também com amigos e familiares. Quanto mais familiarizado você estiver com o material com antecedência, mais fácil será lidar com ele diante da plateia;


• Momentos antes de se apresentar, prepare sua voz. Execute o discurso em condições normais de volume e repita passagens ou palavras difíceis;


• Conheça o ambiente. Se for possível, se familiarize com o espaço no qual você vai trabalhar. Isso torna mais fácil o momento da oratória. Caminhe pelo local, teste a posição do microfone e a visão da plateia. Tente localizar pessoas conhecidas;


• Não olhe excessivamente para anotações. Um orador com a cabeça sempre baixa lendo papéis não é algo que agrade a plateia. Se tiver que ler algo como forma de se auxiliar durante o discurso, o faça rapidamente direcionando apenas os olhos para as anotações;


• Mantenha uma linguagem simples e direta. Quando falar em público, tenha por objetivo valorizar a clareza. Evite clichês e expressões complicadas que podem fazer com que o público não entenda você;


• Varie sua voz. Não faça o discurso como uma sequência monótona de palavras. A variação na ênfase e na entonação é sempre importante para uma boa oratória;


• Mantenha contato visual com a plateia. Essa atitude ajuda a passar uma imagem mais engajada. Certifique-se, claro, de mudar o destino do seu olhar com frequência para que determinadas pessoas não pensem que estão sendo encaradas;


• Cuidado com o excesso de movimento. Você pode caminhar pelo palco, mas não faça isso o tempo todo e nem muito rapidamente. A gesticulação também é válida, mas sem excessos. Ela deve funcionar apenas como auxiliar do que está sendo expressado;


• Na maioria das situações o uso de algum humor também é válido. Se o público estiver sorrindo, é sinal que está prestando atenção e imerso no seu discurso;


• Seja objetivo. Algo que pode irritar o público é um discurso que se estende além do esperado de forma desnecessária. Repetições ou períodos inúteis são facilmente perceptíveis e fragilizam sua relação com as pessoas.


http://www.tudobox.com/

AVANCE NA DIREÇÃO DO SUCESSO...

Se você não está nem um pouco apreensivo, é porque não está indo longe o bastante.

Para seguir em frente, você deve se colocar na linha. Isso significa ir além da sua confortável rotina.


Suas habilidades só fazem aumentar quando você se esforça e se supera. Sua eficiência só é maior quando os desafios obrigam você a ultrapassar seus próprios limites.


A insegurança que sentimos ao adentrarmos novos territórios precede o sucesso. Preparação e planejamento são vitais, mas a confiança em si mesmo é essencial.


Ainda assim, esses elementos sozinhos não garantem a conquista. Em algum momento você terá de mergulhar.


Você nunca estará tão preparado quanto gostaria. Nunca será tão confortável quanto você desejaria que fosse.


Mergulhe assim mesmo, assuma o compromisso e empenhe-se ao máximo.


Os desafios, quando aceitos com sinceridade de propósitos, trazem a força necessária para vencer.

FUTURO PRÓXIMO... (dia de vidro)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

A FUNÇÃO DO MEDO...

A vida é preciosa demais para permitir que o medo a detenha. A função do medo é preparar você, e não segurá-lo.

O medo aguça seus sentidos, direciona sua mente, afia seu julgamento e aumenta seu nível de energia. O medo lhe dá condições de aceitar desafios.

Conheça seu medo, extraia dele forças e vá em frente com o poder que ele lhe dá.

No medo do fracasso estão os instrumentos para o sucesso. No medo da humilhação está a energia para expressar-se com eloqüência. No medo da rejeição você achará a energia para perseverar.

Mas apenas se você não permitir que o medo o detenha. Em muitas ocasiões, o medo vai ajudá-lo a fazer mudanças positivas em sua abordagem.

Mas o medo pode ser desperdiçado se você permitir que ele o detenha. Use o seu medo para agir com mais rapidez e inteligência, e não para fugir.

APRENDA COM A ÁRVORE...

Sente-se sob uma árvore majestosa e perceba que tudo o que essa árvore precisou, ela recebeu.
Os nutrientes, os minerais, a água e a luz do sol, tudo isso fluiu por perto ou esteve ao alcance da árvore durante toda sua vida.

Mesmo tendo crescido tanto, a árvore nunca teve de ir a lugar algum para conseguir o que precisava. Ela cresce e prospera graças à sua habilidade para aproveitar o que está disponível onde se encontra.
Essa árvore forte, alta e resistente alcançou seu tamanho impressionante usando apenas o que ela já possuía.

Da próxima vez que você achar que, para ser feliz, precisa ir a algum lugar, adquirir alguma coisa ou conquistar algo, pense nessa árvore majestosa.

É maravilhoso poder agir e fazer tanta coisa acontecer. Contudo, em todo esse fazer, ir e conseguir, não negligencie o que você já tem. A riqueza e a satisfação não provêm de se conseguir apenas mais, e sim de saber usar o que já se tem.

FOCALIZE SUA MENTE NO SUCESSO...

Para ter o que você deseja, ser a pessoa que você quer, fazer o que você quer da sua vida, faça disso algo importante para você. Se pequenos detalhes da vida não permitem que você alcance seu objetivo, então este não é suficientemente grande.

Para atingir sua meta, torne-a importante. Faça dela sua prioridade. Visualize-a em sua mente, mas não em um canto esquecido, onde ela só receba atenção uma ou duas vezes por semana. Tenha-a em mente à sua frente e no centro.

Mentalmente, coloque seu objetivo no meio do caminho, bloqueando todo o resto. Tudo que você tiver de fazer para conseguir outra coisa, terá de acontecer. Tudo que você não puder deixar de pensar terá de ser alcançado.

Em vez de permitir que a vida se coloque entre você e seu objetivo, coloque seu objetivo no caminho de sua vida.

Você realmente quer isso? Esta é a maneira de consegui-lo. Pinte sua meta grande em sua mente e você chegará lá.

A EVOLUÇÃO DA PROPAGANDA (Show na fachada de prédio em Berlim)

DÚVIDAS DE INTERNAUTAS

AÇUCAR...

"Um certo dia, a professora perguntou as crianças quem saberia explicar quem é Deus?
Uma das crianças levantou o braço e disse:
- Deus é o nosso pai, Ele fez a terra, o mar e tudo que está nela;
nos fez como filhos dele.
A professora, querendo buscar mais respostas, foi mais longe:
- Como vocês sabem que Deus existe, se nunca o viram?
A sala ficou toda em silêncio...
Pedro, um menino muito tímido, levantou as mãozinhas e disse:
- A minha mãe me disse que Deus é como o açúcar no meu leite que ela faz todas as manhãs, eu não vejo o açúcar que está dentro da caneca no meio do leite, mas se ela tira, fica sem sabor.
Deus existe, e está sempre no meio de nós, só que não o vemos, mas se Ele sair de perto, nossa vida fica...sem sabor.
A professora sorriu, e disse:
- Muito bem Pedro, eu ensinei muitas coisas a vocês, mas você me ensinou algo mais profundo que tudo o que eu já sabia.
- Eu agora sei que Deus é o nosso açúcar e que está todos os dias adoçando a nossa vida!
Deu-lhe um beijo e saiu surpresa com a resposta daquela criança.
A sabedoria não está no conhecimento, mas na vivência de DEUS em nossas vidas, pois teorias existem muitas, mas doçura como a de DEUS, não existe ainda, nem mesmo nos melhores açúcares...
Tenha um bom dia e
lembre-se de colocar "AÇÚCAR" em sua VIDA..
O melhor dos açúcares DEUS ÚNICO E VERDADEIRO.

AMIGOS...

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !

Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...

A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.

Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.

Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.

Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure.

E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí, e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.

Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.

E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.

Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ...
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida
não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo,
falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente,
os que só desconfiam - ou talvez nunca vão saber - que são meus amigos!

A gente não faz amigos, reconhece-os.

Vinicius de Moraes

sexta-feira, 27 de maio de 2011

NOVOS RUMOS...

Você entra em uma loja de conveniência para comprar um presente de natal, de repente passa à frente de um monitor de segurança e, de relance, aparece sua imagem na tela de televisão. Aí você pensa: "Ei, que estranho... Aquela pessoa está usando uma camisa da mesma cor que eu estou usando. Não, não é somente a mesma cor, aquela camisa é exatamente igual à minha. Espere um momento, aquele ali sou eu!"

É um sentimento estranho quando você vê a si mesmo. O mesmo ocorre quando escutamos uma gravação de nossa voz. Você acha a voz feia, diferente, estranha, definitivamente demora a acreditar que é você mesmo. Isto é uma experiência curiosa que demonstra que você trilha um caminho diferente do caminho que outros vêem para você.

O que é importante guardar em mente é: freqüentemente dê uma parada e veja você mesmo com os olhos de como os outros o vêem. Olhe com o máximo de objetividade suas suposições, rotinas, hábitos e modos. Com isto você poderá obter uma perspectiva valiosa. Pare alguns instantes e converse com pessoas mais próximas de você que o conhecem bem, pergunte sem medo de se ofender, como elas o vêem.

Imagine como você poderá melhorar seu relacionamento com os outros se você souber entender como todos o conhecem. Faça isto e você verá novas possibilidades à sua frente.

SEJA BENDITO!

Tem que começar de novo sim!
Se a caminhada está difícil, se percebeu que pegou o caminho errado, tem que dar meia volta e procurar um novo rumo.
Nessa busca, não há espaço para o orgulho, por isso, pergunte, informe-se, converse, quem já amou e foi feliz, nunca se esquece.


Tem que reerguer-se sim!
Nada de ficar no chão, esperando a misericórdia ou a piedade de sabe-se lá de quem.
O chão, é o demarcador da derrota e também da vitória.
Muita gente aproveitou a queda para crescer, porque será diferente com você?


Olhe para o horizonte com novas lentes, com olhos coloridos pela esperança,
com sonhos e desejos dessa criança, que habita em cada um de nós, e insiste, em fazer de cada problema, um tijolinho, que será usado na reconstrução de nós mesmos, nos projetos mais ambiciosos ou nos sonhos de simplicidade.
 E já que o tempo não coloca limites, não são os outros e nem mesmo a sua idade, que vão impedir o seu crescimento, pois quando você quer, você pode.

Se precisava de um recado, ele chegou, se precisava de um estímulo, aqui está, se queria uma força renovadora, ela se apresenta, é o dia de hoje, cheio de possibilidades, que se apresenta como presente único, aproveite-o, cresça e apareça.


A vida te saúda e bate palmas para sua decisão, de recomeçar mais leve, cheio de razão, com alma limpa e desejos de renovação, sem nunca perder a ternura, vivendo com emoção.
Sempre é tempo de ouvir o seu coração...


Paulo Roberto Gaefke

quinta-feira, 26 de maio de 2011

SABEDORIA DE AVÓ...

Quando eu for bem velhinha, espero receber a graça de, num dia de domingo, me sentar na poltrona da biblioteca e, bebendo um cálice de vinho do Porto, dizer a minha neta:
- Querida, venha cá.
Feche a porta com cuidado e sente-se aqui ao meu lado.
Tenho umas coisas pra te contar.
E assim, dizer apontando o indicador para o alto: - O nome disso não é conselho, isso se chama colaboração!
Eu vivi, ensinei, aprendi, caí, levantei e cheguei a algumas conclusões.
E agora, do alto dos meus 82 anos, com os ossos frágeis a pele mole e os cabelos brancos, minha alma é o que me resta saudável e forte.
Por isso, vou colocar mais ou menos assim:
É preciso coragem para ser feliz. Seja valente.
Siga sempre seu coração.
Para onde ele for, seu sangue, suas veias e seus olhos também irão.
Satisfaça seus desejos.
Esse é seu direito e obrigação.
Entenda que o tempo é um paciente professor que irá te fazer crescer, mas escolha entre ser uma grande menina ou uma menina grande, vai depender só de você.
Tenha poucos e bons amigos. Tenha filhos. Tenha um jardim.
Aproveite sua casa, mas vá a Fernando de Noronha, a Barcelona e a Austrália.
Cuide bem dos seus dentes.
Experimente, mude, corte os cabelos. Ame. Ame pra valer, mesmo que ele seja o carteiro.
Não corra o risco de envelhecer dizendo "ah, se eu tivesse feito...
" Vai que o carteiro ganha na loteria - tudo é possível, e o futuro é imprevisível.
Tenha uma vida rica de vida! Viva romances de cinema, contos de fada e casos de novela.
Faça sexo, mas não sinta vergonha de preferir fazer amor.
E tome conta sempre da sua reputação, ela é um bem inestimável.
Porque sim, as pessoas comentam, reparam, e se você der chance elas inventam também detalhes desnecessários.
Se for se casar, faça por amor.
Não faça por segurança, carinho ou status.
A sabedoria convencional recomenda que você se case com alguém parecido com você, mas isso pode ser um saco!
Prefira a recomendação da natureza, que com a justificativa de aperfeiçoar os genes na reprodução, sugere que você procure alguém diferente de você.
Mas para ter sucesso nessa questão, acredite no olfato e desconfie da visão.
É o seu nariz quem diz a verdade quando o assunto é paixão.
Faça do fogão, do pente, da caneta, do papel e do armário, seus instrumentos de criação.
Leia. Pinte, desenhe, escreva. E por favor, dance, dance, dance até o fim, se não por você, o faça por mim.
Compreenda seus pais.
Eles te amam para além da sua imaginação, sempre fizeram o melhor que puderam, e sempre farão.
Não cultive as mágoas - porque se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que um único pontinho preto num oceano branco deixa tudo cinza.
Era só isso minha querida.
Agora é a sua vez.
Por favor, encha mais uma vez minha taça e me conte: como vai você?


Isso vale para todos nós, pais, filhos, netos e amigas...

MUDANÇA...

Diz o ditado mineiro que "quando a gente está no caminho errado, não adianta ficar pegando atalhos".

Quando seguimos por outros caminhos que não combinam com a nossa situação de vida, inevitavelmente iremos “quebrar a cara”. Quando isto ocorrer, mude imediatamente. Isto significa dizer que não adianta ficar batendo cabeça com coisas que você sabe que não darão certo.
Muitas vezes uma mudança de estratégia na vida da gente poderá modificar o nosso futuro e dará um outro rumo para o encontro da nossa felicidade.
Mude sempre que precisar: a mudança é a única certeza estável em nossa vida. Pense nisso hoje e reformule os seus conceitos de bem viver.

PREPARADO...

Pense por um momento no emprego ideal. O que você faria se pudesse fazer qualquer coisa? O que lhe daria o dinheiro, a satisfação, a realização profissional e o desafio que você sempre quis?

Se lhe oferecessem o emprego ideal agora, você teria condições de aceitá-lo? Você estaria pronto para assumir as responsabilidades? Teria você as habilidades, o conhecimento, os contatos e o discernimento necessários para se sair bem? Você estaria pronto para a oportunidade da sua vida se ela surgisse agora?


A concretização de uma oportunidade depende de mais que uma simples vontade. Depende de preparação.

COMPREENDE JESUS...

Compreende Jesus, a dificuldade do cego pelo ódio em perceber a luz do perdão.

Compreende Jesus, a afinidade dos sofredores com a busca de milagres imediatos.

Compreende Jesus,
a falta de confiança dos que se perderam pelo caminho,
dos que se entregaram aos desatinos,
dos que lançaram sorte sobre às suas vestes,
dos que O deixaram em troca de promessas vãs.

Compreende Jesus,
a revolta dos que não recebem o que buscam,
pois mal sabem o que querem, vítimas dos próprios caprichos,
dos que ainda acreditam, que os "céus" são portas abertas para os desejos mais pessoais, mais mesquinhos...

Compreende Jesus,
nossa fraqueza em admitir que estamos errados.
Nosso orgulho que nos cega,
nossas paixões carregadas de desejos mundanos,
que por vezes nos remete a beira da loucura,
onde até negamos a nós mesmos,
e como Pedro, por vezes, negamos a Ti, não 3, mas 3 mil vezes.

Compreende Jesus,
ainda que no silêncio de cada alma aflita,
perdida em seus próprios erros,
que precisamos de Ti,
não como o "Salvador" que vai reparar nossos erros,
mas como o Farol na noite escura,
indicando aos navios perdidos em meio ao mar agitado,
o caminho seguro até o cais.

Compreende Jesus,
a minha oração, que de tão repetida,
se tornou um lamento, e de tanta correria atrás do "nada",
ficou tão curta, tão sem tempo.

Ainda assim, em meio ao caos da minha vida,
encontro em Ti, a paz que eu tanto preciso,
e por isso, com tantos defeitos,
te busco e quero te seguir,
pois só em Ti,
encontro refúgio seguro,
paz em meio a tantas guerras,
serenidade em meio aos gritos,
respostas para minhas perguntas,
e sobretudo, em meio a dor,
só em Ti eu encontro,
o verdadeiro Amor.

Compreende-me Jesus!

Paulo Roberto Gaefke

SEJA ÁGUIA E NÃO PAPAGAIO...

“Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”.
Isaias 40:31

Deus deseja que sejamos como águia, mas ao contrário disso, ficamos felizes em voar como um papagaio.
Repetindo estrofes, se debatendo e de árvore em árvore parar para descansar e tomar um ar.
Deus é a fonte para cada necessidade que venhamos a ter.
O tempo de Deus é ferramenta para nos proporcionar maior propulsão espiritual.
Ganhamos entendimento sobre a situação, amadurecemos, somos restaurados, nossas forças são restabelecidas e com uma nova motivação voamos sobre as situações que nos assombravam.
Independente de idade, o Senhor restabelece o ânimo para seguirmos nossa vida sobrevoando e vendo as tribulações do ponto de vista mais alto, como Deus as vê.
Voar como águia é subir mais alto, no ar rarefeito, e mesmo assim tão distante, conseguir identificar até as menores oportunidades e conquistá-las.
A restauração de Deus ocorre no silêncio do tempo, e o passar dos segundos são preciosos para compor cada ligamento da asa que Deus quer dar a você para voar mais alto, sobre todas as circunstâncias.
Seja forte para entender que o forno (deserto) é a escola de Deus para aperfeiçoar a sua mais rica obra, VOCÊ!

Que Deus te abençoe.


"A Paz de Deus que excede a todo entendimento,guarde seu coração e seus sentimentos em Cristo Jesus."

segunda-feira, 23 de maio de 2011

MULHERES...

Certo dia, parei para observar as mulheres e só pude concluir uma coisa: elas não são humanas! São espiãs. Espiãs de Deus, disfarçadas entre nós. Pare para refletir sobre o sexto-sentido. Alguém duvida de que ele exista?


E como explicar que ela saiba exatamente qual mulher, entre as presentes, em uma reunião, seja aquela que dá em cima de você?


E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você, que alguém está ficando doente ou que você quer terminar o relacionamento?


E quando ela diz que vai fazer frio e manda você levar um casaco? Rio de Janeiro, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo. Só meia-hora de vôo. Ela fala pra você levar um casaco, porque "vai fazer frio". Você não leva. O que acontece? O avião fica preso no tráfego, em terra, por quase duas horas, depois que você já entrou, antes de decolar. O ar condicionado chega a pingar gelo, de tanto frio que faz lá dentro!


"Leve um sapato extra na mala, querido. Vai que você pisa numa poça..." Se você não levar o "sapato extra", meu amigo, leve dinheiro extra para comprar outro. Pois o seu estará, sem dúvida, molhado...


O sexto-sentido não faz sentido! É a comunicação direta com Deus!


Assim é muito fácil... As mulheres são mães! E preparam, literalmente, gente dentro de si. Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal?


E não satisfeitas em gerar a vida, elas insistem em ensinar a vivê-la, de forma íntegra, oferecendo amor incondicional e disponibilidade integral.


Fala-se em "praga de mãe", "amor de mãe", "coração de mãe". Tudo isso é meio mágico... Talvez Ele tenha instalado o dispositivo "coração de mãe" nos "anjos da guarda" de Seus filhos (que, aliás, foram criados à Sua imagem e semelhança).


As mulheres choram. Ou vazam? Ou extravasam? Homens também choram, mas é um choro diferente. As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar, um não sei quê de fragilidade, um não sei quê de amor, um não sei quê de tempero divino, que tem um efeito devastador sobre os homens... É choro feminino. É choro de mulher...


Já viram como as mulheres conversam com os olhos? Elas conseguem pedir uma a outra para mudar de assunto, com apenas um olhar. Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar. E apontam uma terceira pessoa com outro olhar. Quantos tipos de olhar existem? Elas conhecem todos...


Parece que freqüentam escolas diferentes das que freqüentam os homens! E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens. En-fei-ti-çam!


E tem mais! No tocante às profissões, por que se concentram nas áreas de Humanas? Para estudar os homens, é claro! Embora algumas disfarcem e estudem Exatas.


Nem mesmo Freud se arriscou a adentrar nessa seara. Ele, que estudou, como poucos, o comportamento humano, disse que a mulher era "um continente obscuro". Quer evidência maior do que essa?


Qualquer um que ama se aproxima de Deus. E com as mulheres também é assim. O amor as leva para perto dEle, já que Ele é o próprio amor. Por isso, dizem "estar nas nuvens", quando apaixonadas.


É sabido que as mulheres confundem sexo e amor. E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a própria vida.


Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado. Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo. Mas elas são anjos depois do sexo-amor. É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos. E levitam. Algumas, até voam... Mas os homens não sabem disso. E nem poderiam. Porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora.


Luís Fernando Veríssimo

DECEPÇÕES...

Não somos poucos os que nos tornamos pessoas amargas, indiferentes ou frias, por causa de decepções que afirmamos ter sofrido aqui ou ali, envolvendo outras pessoas. A decepção foi com o amigo a quem recorremos num momento de necessidade e não encontramos o apoio esperado. Foi com o companheiro de trabalho que nos constituía modelo, parecia perfeito e o surpreendemos em um deslize. Tais decepções devem nos remeter a exames melhores das situações. Decepcionarmo-nos com pessoas que estão no Mundo, sofrendo as nossas mesmas carências e tormentos não é muito real. Primeiro, porque elas não nos pediram para assinar contrato ou compromisso de infalibilidade para conosco. Segundo, porque o simples fato de elas transitarem na Terra, ao nosso lado, é o suficiente para que não as coloquemos em lugares de especial destaque, pois todas têm seu ponto frágil e até mesmo seus pontos sombrios. A nossa decepção, em realidade, é conosco mesmo, pois nos equivocamos em nossa avaliação, por precipitação ou por análise superficial. Não menos errada a decepção que afirmamos ter com a própria religião, com a doutrina de fé cristã que está a espalhar, em toda parte, os ensinamentos deixados por Jesus Cristo para os seres de boa vontade. O que acontece é que costumamos confundir as doutrinas que ensinam o bem, o nobre, o bom com os doutrinadores que, embora falem das virtudes que devemos perseguir, conduzem as próprias existências em oposição ao que pregam. Como vemos, a decepção não é com as mensagens da Boa Nova, mas exatamente com os que conduzem a mensagem. Nesse ponto não nos esqueçamos de fazer o que ensinou Jesus: comparar os frutos com as qualidades das árvores donde eles procedem, de modo a não nos deixarmos iludir. Avaliemos, desta forma, as nossas queixas contra pessoas e situações e veremos que temos sido os grandes responsáveis pelas desilusões do caminho. Nós mesmos é que criamos as ondas que nos decepcionam e magoam. Cabe-nos amadurecer gradualmente nos estudos e na prática do bem, aprendendo a examinar cada coisa, cada situação, analisar a nós mesmos com atenção, a fim de crescermos para a grande luz, sem nos decepcionarmos com nada ou com ninguém. Precisamos aprender a compreender cada indivíduo no nível em que se situa, não exigindo dele mais do que possa dar e apresentar, exatamente como não podemos pedir à roseira que produza violetas, que não tenha espinhos e que não despetale suas flores na violência dos ventos. Para que avancemos em nossa caminhada evolutiva, imponhamo-nos uma conduta de maturidade, de indulgência e de benevolência para com os demais. Disponhamo-nos a brilhar, sob a proteção de Deus, avançando sempre, não nos detendo na retaguarda a examinar mágoas e depressões, que se apresentam na estrada como pedras e obstáculos, calhaus e detritos.

Raul Teixeira

O MECÂNICO E O MÉDICO...

Um mecânico está desmontando o cabeçote de um motor quando ele vê na oficina um cirurgião cardiologista muito conhecido.
Ele está olhando o mecânico trabalhar.
Então o mecânico pára e pergunta: - Ei, doutor, posso lhe fazer uma pergunta?
O cirurgião, um tanto surpreso, concorda e vai até o motor no qual o mecânico está trabalhando.
O mecânico se levanta e começa:- Doutor, olhe este motor. Eu abro seu coração, tiro válvulas, conserto-as, ponho-as de volta e, quando eu termino ele volta a trabalhar como se fosse novo.
Como é então que eu ganho tão pouco e o senhor tanto, quando nosso trabalho é praticamente o mesmo?
Então o cirurgião dá um sorriso, se inclina e fala bem baixinho para o mecânico: - Tente fazer isso, com o motor funcionando!

Conclusão: "Quando a gente pensa que sabe todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas. " (Sócrates)

UM MOMENTO...

Antes de negar-se aos apelos da caridade, medite um momento nas aflições dos outros... Imagine você no lugar de quem sofre.

Observe os irmãos relegados aos padecimentos da rua e suponha-se constrangido à semelhante situação.

Repare o doente desamparado e considere que amanhã, provavelmente seremos nós, candidatos ao socorro na via pública.

Examine o ancião fatigado e reflita que se a desencarnação não chegar em breve, não escapará você da velhice.

Contemple as crianças necessitadas, lembrando os próprios filhinhos.

Quando a ambulância deslize rente ao seu passo, conduzindo o enfermo anônimo, pondere que talvez um parente nosso extremamente querido se encontre a gemer dentro dela.


Escute pacientemente os companheiros entregues à sombra do grande infortúnio e recorde que em futuro próximo, é possível estejamos na travessia das mesmas dificuldades.


Fite a multidão dos ignorantes e dos fracos cansados e infelizes, julgando-se entre eles, e mentalize a gratidão que você sentiria perante a migalha de Amor que alguém lhe ofertasse.

Pense um momento em tudo isso!!! E você reconhecerá que a caridade para nós todos é simples obrigação!!!

André Luiz, psicografado por Chico Xavier

O EXERCÍCIO DO PERDÃO...

Certa vez, perguntaram a um filósofo se Deus perdoa. Após refletir um tanto, ele respondeu com outro questionamento:
- Para perdoar é necessário sentir-se ofendido?
De pronto o interlocutor respondeu:
- Sim. Se não há ofensa, como haveria perdão? Retornou ele novamente para o filósofo.
Esse então, calmamente respondeu:
- Logo, Deus não perdoa!
Embora a resposta nos pareça estranha, traz em si reflexões de grande monta.
A primeira delas é a de que muito melhor que perdoar, é não se sentir ofendido. E para isso, é necessário que a indulgência esteja em nossa mente, que a benevolência esteja em nossas ações.
Porém, quem já não se sentiu ofendido?
Ainda trazemos muitas dificuldades na alma. O orgulho, a vaidade, a pretensão, todos reunidos na alma, nos fazem criaturas com grande dificuldade em não se ofender.
Às vezes, o ofensor nem percebe que nos magoou, quando acontece de não conseguir avaliar as nossas limitações emocionais. Outras tantas, percebe, tenta remediar, mas o mal já está feito...
A ofensa já nos atingiu.
Assim, se ainda nos ofendemos, devemos aprender a perdoar. Porque será o perdão que conseguirá tirar a nódoa da ofensa dos tecidos de nossa alma.
Se a ofensa nos pesa no coração, atormenta a alma e perturba a mente, o perdão nos fará leves novamente, tranquilizando a alma e sossegando a mente.
Dessa forma, todo esforço para perdoar deve ser levado em conta, sem economia de nossas capacidades emocionais e racionais.
É claro que o perdão não se instaura imediatamente, e ainda, quanto mais magoados e ofendidos, maior a intensidade das dores. Talvez, mais esforço nos seja demandado.
Assim, comecemos o exercício do perdão assumindo que a raiva, a mágoa, a ofensa existem em nosso coração. Enquanto fingirmos que perdoamos, apenas pelos lábios, sem passar pelo coração, nada acontecerá.
Em seguida, busquemos compreender a atitude do outro, daquele que nos ofendeu.
Talvez tenha sido um mau dia para ele. Ou esteja passando por uma fase difícil. Ou ainda, talvez ele mesmo seja uma pessoa com grandes feridas na alma. Por isso, mostra-se tão agressivo.
Após compreender, exercitemos pequenos passos de aproximação. Primeiramente, suportemo-lo, enfrentando os sentimentos ruins que poderão brotar em nossa alma, nesse primeiro instante.
Mas, persistamos na convivência, por alguns instantes que seja.
Em seguida, demos espaço para a tolerância, ensaiando os primeiros passos do relacionamento, mesmo que distante e ainda um tanto frio.
Em seguida, estreitemos um pouco mais o relacionamento, através da cordialidade e do coleguismo.
Não tardará para que sejamos capazes de retomar a fraternidade e administrar o ocorrido, em nossa intimidade.
Afinal, o perdão exige o esquecimento.
Porém, não esqueceremos o fato, aquilo que nos causou a mágoa, já que isso se mostra quase impossível.
O esquecimento que o perdão provoca é o da mágoa, da ofensa.
Quando pudermos olhar nos olhos daquele que nos magoou, com tranquilidade e paz no coração, aí estará implantado em nossa alma, o perdão.


Redação do Momento Espírita

AS MOEDAS...

Dois homens instalaram-se, com suas tendas e mercadorias, à beira de movimentada estrada. Por ali passavam viajantes de muitas paragens, eis que a estrada logo adiante apresentava diversas bifurcações que levavam a cidades grandes e pequenas, vilas e povoados.

Na tenda maior, de listas grandes, coloridas, muito chamativa, ficou um homem de grande ambição. Seu desejo era juntar muitos tesouros.

Por isso mesmo, suas mercadorias eram demasiado caras, embora fossem ricamente apresentadas em embalagens suntuosas.

Na tenda menor, de colorido delicado, o outro homem simplesmente se dispôs a aguardar os que desejassem chegar até ele. Nenhum cartaz de propaganda bombástica, nem qualquer outro artifício.

O primeiro atraía multidões. Os que por ali passavam, estranhamente se dirigiam para a sua tenda e ninguém discutia ou buscava barganhar os preços das mercadorias.

Apesar das grandes somas que deviam despender, todos se mostravam dispostos a pagar, sem qualquer discussão.

O segundo não tinha muitos fregueses. Discreto, enquanto aguardava, plantava flores em seu jardim. O lugar era, assim, agradável e de encantos naturais.

Poucos paravam ali, mas os que se detinham, recebiam das mãos do bom homem flores perfumadas de variados matizes.

Havia tanta singeleza e bondade na doação, que alguns chegavam a se emocionar, e com beijos nas mãos calosas do anônimo jardineiro, procuravam agradecer as dádivas generosas, depositando nelas as lágrimas das suas almas tocadas pelo gesto.

O primeiro homem logo foi enchendo o seu cofre com recursos amoedados. Tantos, que a cada dia mais abarrotavam todos os escaninhos do grande local.


Sentia-se feliz vendendo, a peso de ouro, a calúnia, a maledicência, o vício, a inveja, o ciúme. E os passantes prosseguiam, sempre mais ávidos, a buscar-lhe as mercadorias.

Os dias se multiplicaram e se transformaram em semanas, que cederam lugar aos meses. Na somatória desses, advieram os anos.

Certa tarde, quando o sol ia descansando no horizonte, derramando seus derradeiros raios sobre a terra fértil, colorindo o céu de ouro, sangue e prata, os dois homens entenderam que a sua hora se aproximava e que seria bom fazer o balanço das suas finanças.

O primeiro homem, da tenda maior, abriu o cofre e, desgostoso, constatou que ele estava cheio de moedas de metal vil. Ele fora ludibriado. Durante anos, recolhera o que pensava serem moedas fartas de ouro e verificava serem todas de valor irrisório.

O outro estendeu as mãos e as descobriu cheias de preciosas gemas. As lágrimas de gratidão dos que haviam sido aquinhoados com suas flores de bondade, haviam se transformado em pedras de alto valor.

O homem que vendera ilusões, gozos e prazer, entendeu. Ele comercializara e recebera as moedas da Terra, passageiras, ilusórias, que somente compram as coisas do mundo e se perdera, no emaranhado do mal.

O outro, por ter distribuído a bondade sem nada exigir, recebera as moedas do Mundo Invisível.


Semear o bem ou comprazer-se no mal, é decisão de cada um.
Somos responsáveis não somente pelo mal que praticamos, mas também por aquele que, de alguma forma, incitamos os outros a praticar.
Assim, todo bem que espalhamos ao nosso redor, é bem para nós mesmos, pois sempre é dado a cada um segundo as suas obras.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. A moeda da Terra e a do Céu, do livro À sombra do olmeiro, pelo Espírito Um jardineiro, psicografia de Dolores Bacelar, ed. Correio Fraterno do ABC.

O EQUILÍBRIO ENTRE O SER E O TER...

Vivemos em um mundo que valoriza extremamente os bens materiais. Em sua maioria, as pessoas valorizam ou não o próximo, a partir do que o outro possui e aparenta, e não pela essência de seu ser.

Em um mundo dominado por nações materialistas e ainda sem ter alcançado suficiente desenvolvimento espiritual, grande parte das pessoas dedica sua vida a acumular dinheiro e bens materiais.

Desde cedo as crianças se acostumam a ter o que querem. E passam a valorizar seus amigos por suas aparências.

O que ocorre é que, sem reservas morais suficientes, muitos se tornam verdadeiros escravos da posse material e, muitas vezes, escravizam outros para atingir seus objetivos.

Sem dúvida que as posses materiais são uma conquista sócioeconômica do ser humano, ao longo de suas inúmeras jornadas na Terra.

O desenvolvimento material das sociedades é importante, pois gera melhorias na qualidade de vida, incentiva o desenvolvimento da indústria, do comércio, das ciências, das artes.

Todas essas conquistas permitem à Humanidade superar obstáculos de sobrevivência básica e, com isso, a possibilidade de desenvolver seu lado espiritual e moral.

A conquista do ter é dever de todos. A família depende dos recursos materiais para seu desenvolvimento, bem como a sociedade.

A conquista do ter, contudo, jamais deve ser mais importante que a do ser, que é a conquista dos valores morais e leva o indivíduo a elevar-se como Espírito.

O risco da posse ou da aquisição da propriedade não está no fato em si, mas da maneira como isto se dá e no que representa emocionalmente.

A aquisição de bens materiais não deve ter como base a avareza, e como objetivo a conquista de posição social passível de inveja ou de submissão de outrem.

A conquista material deve ser resultado do trabalho digno e constante, frequentemente oriundo de uma profissão baseada em estudo e preparo.

A conquista material deve prover conforto e equilíbrio àqueles que a possuem, mas jamais levar ao desequilíbrio das posses supérfluas e do modo de vida de ostentação e prazeres intermináveis.

Quem acumula bens materiais em quantidade superior àquela necessária à sua dignidade bem como de sua família, tem uma obrigação moral: dividir seus bens de uma maneira inteligente e sensata.

Obviamente que a doação àqueles que necessitam é necessária e nobre, mas a verdadeira divisão é baseada na geração de empregos e desenvolvimento.

Para ter tal lucidez é preciso que o indivíduo já tenha maior evolução espiritual a fim de que possa perceber que de nada serve uma fortuna acumulada em instituições financeiras e transformada apenas em bens de uso próprio.

É preciso ter equilíbrio, é preciso pensar no próximo, é preciso ser mais do que ter.


A felicidade, na Terra, independe do que se tem, mas se constitui naquilo que o ser cultiva interiormente em termos de amor sincero, ilimitado e em simplicidade.


Redação do Momento Espírita com base no cap. Propriedade, do livro Jesus e o Evangelho à luz da psicologia profunda, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco,ed. Leal.

Shhh! SILÊNCIO...

Shhh!
Faça silêncio...
Por um instante, deixe-se levar pela serenidade., deixe os pensamentos mais revoltados se acalmarem.
Faça um minuto de limpeza mental, e deixe o silêncio te envolver.
O silêncio interior fala mais que mil vozes distintas.

Do jeito que caminhamos apressadamente, da maneira com que tomamos decisões impensadas, no estilo de vida que mais lembra uma corrida de carros, nós vamos entrando cada vez mais em uma "mata fechada", mata de problemas sem fim, uma "fábrica de doidos", que pede remédios, calmantes, drogas, vícios...

Shhh!
Faça silêncio para organizar os seus desejos, para manter acesa aquela chama inocente, da criança que ainda mora em você, mas que anda perdida, sem rumo, incrédula.
Por amor a sua vida, procure-se depressa, mas com calma e serenidade, para redescobrir valores encobertos pelo tempo, apagados por decepções causadas por terceiros.
A sua vida é única, é dom Supremo!
Tenha tempo para você.
 Shhh!
Faça silêncio pelo seu espírito que grita, que pede minutos de atenção, antes de ferir-se, antes de entrar de cabeça nessa aventura.
Antes da briga desnecessária, antes da mágoa doentia, antes da maledicência que persegue a todos.


Antes que o sol se deite, que a noite se levante, antes que mais um dia termine sem você ter pedido perdão, sem ter dado um abraço nas pessoas mais queridas, sem ter tido tempo para os seus desejos, antes que a morte venha bater na nossa porta, é fundamental fazermos silêncio para refletirmos;
- na qualidade da nossa vida,
- na qualidade dos nossos atos e pensamentos,
e se preciso for, largarmos tudo para recomeçar, deixarmos nosso egoísmo e orgulho na esquina da ilusão, e seguirmos em paz, rumo ao nosso infinito, com doçura e satisfação.
Pois a vida é doce, para os que sabem extrair o seu favo diário, para quem trabalha, confia, e não desiste de ser feliz.


Shhh!
Silêncio, por amor a você!


Paulo Roberto Gaefke

domingo, 22 de maio de 2011

A CRIANÇA E A TIMIDEZ...

Quem já vivenciou a experiência de sentir os filhos agarrados em seus braços, envergonhados de responder a um cumprimento ou com medo de participar de uma festinha, sabe como é complicado conviver e viver a timidez.

Muitos pais não sabem como lidar com o comportamento da criança tímida e, talvez, por desconhecerem as causas da timidez, repreendem, rotulam seus filhos ou assumem posturas que reforçam ainda mais a insegurança da criança.

O medo da crítica e a rigidez excessiva consigo podem gerar crianças inseguras, com baixa auto-estima, que acreditam ser necessário atingir a perfeição para serem aceitos por seus pares.

É comum encontrarmos crianças com as mãozinhas geladas, suando frio, escondendo-se pelos cantos, isolando-se de todos. Estes são alguns sinais que denunciam muitas vezes a criança tímida que encontra dificuldades para relacionar-se, preferindo brincar sozinha e recusando-se a ir à escola quando inicia o período letivo, uma vez que toda situação nova é altamente desafiadora e desconfortável para esta criança. Perguntar algo ao professor é um drama; responder a questões orais é um verdadeiro sacrifício, pois o medo de errar e a sensação de vergonha de uma possível crítica afastam qualquer tentativa de participação na aula. Daí a necessidade de receber segurança, carinho e estímulo de professores e pais que, ao evitar comparações e rotulações, auxilia a criança a entender seus sentimentos e a superar inseguranças.

Geralmente aos três anos a criança começa a sinalizar uma aparente timidez e, se receber ajuda no período inicial, poderá superar seus temores, porém quando vive em um ambiente superprotetor, onde é privada de fazer suas próprias descobertas, acertando ou errando, e a dependência é privilegiada, o processo pode ser mais difícil, uma vez que qualquer mudança em sua rotina, que exija iniciativa ou ação, poderá gerar frustração por não conseguir expressar-se em situações novas sem aprovação e direcionamento.

Quando a criança é forçada a fazer o que não quer, desqualificando seus interesses, ou quando o nível de exigência dos adultos for acima de seus limites, a tendência é que a mesma retraia-se cada vez mais e procure o isolamento.

Fortalecer a auto-estima da criança tímida, valorizando suas ações, conquistas e habilidades, motivando o convívio social com amiguinhos mais próximos, viabilizando diálogos constantes, mostrando que ela é capaz e principalmente mostrando que ela é amada acertando ou não, são atitudes importantes que auxiliam a superar o problema.

LUZ PRÓPRIA...

Vivemos procurando razões e respostas para tudo. Procuramos fé, procuramos a verdade, procuramos o conhecimento, procuramos evolução. Enfim, com toda a sapiência o homem procura decifrar muitos mistérios que o cercam. Tudo à sua volta lhe interessa, desprezando muitas vezes o seu lado interior. Desde a criação dos tempos, Deus colocou no interior do homem uma luz de brilho incessante e de harmonização intensa, fazendo dele uma usina de poderosa energia. Todos nós possuímos uma luz própria, que ilumina o nosso caminho e o dos outros. Fazer com que esta luz desperte os horizontes da felicidade é o maior desafio que encontramos todos os dias.

A partir de hoje, comece a olhar mais para o seu interior e viva intensamente a sabedoria de Deus, mostrando que você é uma pessoa iluminada e abençoada. Aproveite este momento de reflexão e busque a iluminação.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A BELEZA DA MATEMÁTICA...


1 x 8 + 1 = 9
12 x 8 + 2 = 98
123 x 8 + 3 = 987
1234 x 8 + 4 = 9876
12345 x 8 + 5 = 98765
123456 x 8 + 6 = 987654
1234567 x 8 + 7 = 9876543
12345678 x 8 + 8 = 98765432
123456789 x 8 + 9 = 987654321

1 x 9 + 2 = 11
12 x 9 + 3 = 111
123 x 9 + 4 = 1111
1234 x 9 + 5 = 11111
12345 x 9 + 6 = 111111
123456 x 9 + 7 = 1111111
1234567 x 9 + 8 = 11111111
12345678 x 9 + 9 = 111111111
123456789 x 9 +10= 1111111111

9 x 9 + 7 = 88
98 x 9 + 6 = 888
987 x 9 + 5 = 8888
9876 x 9 + 4 = 88888
98765 x 9 + 3 = 888888
987654 x 9 + 2 = 8888888
9876543 x 9 + 1 = 88888888
98765432 x 9 + 0 = 888888888

Veja a simetria:

1 x 1 = 1
11 x 11 = 121
111 x 111 = 12321
1111 x 1111 = 1234321
11111 x 11111 = 123454321
111111 x 111111 = 12345654321
1111111 x 1111111 = 1234567654321
11111111 x 11111111 = 123456787654321
111111111 x 111111111 = 12345678987654321

Agora, veja isto...

De um ponto de vista estritamente matemático:

O que é igual a 100%?
O que significa dar MAIS do que 100%?

Já pensou sobre aquelas pessoas que dizem estar dando mais do que 100%?

Todos já estivemos em situações em que alguém quer que você DÊ MAIS DO QUE 100%.

O que acha de ALCANÇAR 101%?

O que se iguala a 100% na vida?

Aqui está uma pequena fórmula matemática que pode ajudar a responder a essas perguntas:

SE:
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
fosse representado por:
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26

se:
H-A-R-D-W-O-R- K (trabalho duro)
8+1+18+4+23+15+18+11 = 98%
e:
K-N-O-W-L-E-D-G-E (conhecimento)
11+14+15+23+12+5+4+7+5 = 96%

e:
A-T-T-I-T-U-D-E (atitude)
1+20+20+9+20+21+4+5 = 100%
ENTÃO, veja onde o amor de Deus o levará:
L-O-V-E O-F G-O-D (amor de Deus)
12+15+22+5+15+6+7+15+4 = 101%

Portanto, pode-se concluir com certeza matemática que:
Enquanto Trabalho Duro e Conhecimento o levarão perto e
Atitude o levará até lá...

... É o Amor de DEUS que colocará você no topo!!!
Ocorreu um erro neste gadget