Páginas

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

TUDO PASSA..


Certo dia um sacerdote percebeu a seguinte frase em um pergaminho pendurado aos pés da cama de seu mestre: "isso também passa".
Com a curiosidade de cada ser humano resolveu perguntar: "Mestre, o que significa essa frase?"

E o mestre sem titubear lhe responde: A vida nos prega muitas peças, que podem ser boas ou não. Mas tudo significa aprendizado.

Recebi esta mensagem de um anjo protetor num desses momentos de dor onde quase perdi a fé. Ela é para que todos os dias antes de me levantar e de me deitar possa ler e refletir, para que quando tiver um problema, antes de me lamentar eu possa me lembrar que "isso também passa",

E para quando estiver exaltado de alegria, que tenha moderação e possa encontrar o equilíbrio, pois "isso também passa", Tudo na vida é passageiro assim como a própria vida, tanto as tristezas como também as alegrias. Praticar a paciência e perseverar no bem e nas boas ações ter simplicidade, fé e pensamentos positivos mesmo perante as mais difíceis situações é saber viver e fazer da nossa vida um constante aprendizado.

É ter a consciência de que todas as pessoas erram, de que o ser humano ainda é um ser imperfeito em busca da perfeição e por isso até saber que se muitas vezes nos decepcionamos com pessoas é porque esperamos mais do que elas estão preparadas para dar, dentro de seu contexto e grau de compreensão. Deste modo, meu amigo, toda vez que olho para essa frase, meu coração se aquieta e a paz me invade, pois sei que "isso também passa".

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

URGENTE E IMPORTANTE...


Os dois fatores que definem uma atividade são: o urgente e o importante. Urgente significa que a atividade exige nossa atenção imediata – é "agora". As coisas urgentes se impõem a nós. Um telefone que toca é urgente. A maioria das pessoas não consegue admitir a hipótese de simplesmente, deixar o telefone tocando.

Assuntos urgentes normalmente são óbvios. Eles nos pressionam, insistem para que alguma providência seja tomada; aparecem na nossa frente sem a menor cerimônia; com freqüência são agradáveis, fáceis e até divertidos de resolver, mas, com a mesma freqüência, não são nada importantes.

A importância, por outro lado, tem a ver com resultados. Se algo é importante, contribui para nossa missão, nossos valores e metas prioritárias. Nós reagimos à questões urgentes. Já as questões importantes – que não são tão urgentes – exigem mais iniciativa, mais pró-atividade. Precisamos agir para aproveitar as oportunidades, para fazer com que as coisas aconteçam. Mas, se não temos a idéia clara do que é importante, dos resultados que pretendemos para nossas vidas, caímos com facilidade na mera reação ao que é urgente, deixando de lado o que realmente é importante.

Stephen R. Covey

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O FÁCIL, O DIFÍCIL E O IMPOSSÍVEL...


O que chamamos de fácil nada mais é, do que aquilo que já conhecemos muito bem. E por quê conhecemos bem? Porque já convivemos com aquilo diariamente.

Mas, se pensarmos bem, veremos que uma determinada coisa se tornou fácil depois de muito tempo de convivência com ela. Descobrimos, então, que fácil é aquilo que já fizemos repetidas vezes.

Ótimo! Eu acabo de descobrir uma coisa muito importante: se fácil é aquilo que já repetimos várias vezes, daqui pra frente eu posso, então, transformar as coisas difíceis e impossíveis.

Como? Começando, desde já, a conviver com a possibilidade de alcançá-las; começando, desde já, a praticá-las; começando, desde já, e em pequenas doses, a fazer com que o impossível torne-se difícil. Mais adiante, fazendo o difícil tornar-se fácil.

Sabemos que ver as coisas dessa maneira não é fácil, é até um pouco difícil, mas também, impossível já não é mais, a partir do momento em que já descobrimos, pelo menos, qual é o caminho a seguir.

Se a vida vai ser algo fácil, difícil ou impossível, vai depender de nós mesmos. Aquilo que, nem sequer tentamos, será sempre impossível. Aquilo que começamos a tentar agora, é difícil. E, aquilo que já fazemos há muito, tornou-se algo fácil.

A VACA E O PORCO...


"Deus ama ao que dá com alegria" II Coríntios 9:7
Algum tempo atrás eu li uma estória sobre a conversa de uma vaca e um porco.
O segundo reclamava de sua impopularidade:
"Certo, você dá leite e nata, mas eu dou até mais. Eu dou toucinho e presunto e cerdas; pessoas até conservam os meus pés no sal! Mas eles estão sempre falando de sua gentileza e olhos amáveis. Por que isso acontece?"
A vaca pensou por um minuto e disse,
"Talvez seja porque eu dou enquanto eu estou ainda viva."


Aquelas palavras me fizeram refletir profundamente.
Eu estava pensando apenas em fazer um inventário de todos os meus bens e determinar, em um testamento, para onde tudo deveria ir após a minha morte.
Mas então eu comecei a olhar à minha volta.
Nossa igreja precisava de um novo órgão e um terreno para fazer um estacionamento.
Descobri que muitas crianças em meu bairro estavam prestes a fazer aniversário.
Um jornal me alertou da necessidade de um abrigo para animais na localidade e de crianças precisando de bolsas de estudo.
Devo ser como a vaca, pensei.
Isso foi há dez anos atrás.
Sim, claro, eu tenho um testamento e mantenho alguns recursos para distribuir.
Mas, enquanto isso, estou me regozijando em ser como a vaca e não como o porco.

Olga Stojicevic, Carolina do Sul - EUA.


Quais têm sido as nossas atitudes em relação às necessidades daqueles que estão diante de nós?
Agimos com egoísmo, pensando exclusivamente nos nossos interesses, concluindo que o que é nosso deverá ser sempre assim até a nossa morte?
Ou será que, como verdadeiros cristãos, temos nos preocupado em repartir, com os mais necessitados, aquilo que Deus tem nos dado com abundância?
Imaginemos a alegria de uma criança a quem oferecemos um presente que ela nem contava em receber.
O alívio de uma família carente ao ver uma sacola de compras chegando a sua casa num momento de desemprego.
O contentamento de alguém ao receber alguns poucos trocados para a passagem quando a ida para o trabalho já estava sendo feita a pé.
O louvor a Deus de um missionário que dedica sua vida em servir ao Senhor e tanto precisa da colaboração dos irmãos em Cristo.
A alegria deles será grande, mas a nossa será muito maior!

Pastor Daniel Alfa

terça-feira, 26 de outubro de 2010

FONTES DA VIDA...


"Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida." Provérbios 4:23

Será que já tivemos a oportunidade de morder uma maçã e encontrar lá dentro um bicho?
E se olharmos pelo lado de fora não encontraremos nenhum furo ou ponto de entrada para o ele.
E como o verme entrou na maçã?
Certamente ele não escavou pelo lado de fora.
Cientistas descobriram que ele veio do interior da fruta.
Mas como entrou lá?
Simples, um inseto põe um ovo na flor da maçã, tempo mais tarde, o bicho é chocado no coração da maçã e, então, vai corroendo tudo em seu caminho.

O pecado, como o bicho da maçã, começa no coração e vai corroendo os pensamentos, palavras, e ações.
A Bíblia ensina que devemos guardar o nosso coração.
Quando descuidamos em nosso relacionamento com Deus, afastando-nos de Seu altar e Sua presença, começamos a perceber que alguma coisa ruim, ali depositada, está afetando as nossas atitudes:
egoísmo, inveja, intrigas, mentiras, rebeldia.

Tudo que não é característica de um filho de Deus começa a corroer a nossa alma e a macular o nosso testemunho, apagando o brilho que até então era visto em nossas vidas.
Precisamos colocar o nosso coração diante de Deus e pedir-Lhe que feche todas as entradas possíveis ao pecado.
Sabemos que o santo lugar de Deus está reservado aos puros de mãos e limpos de coração.

E se o nosso coração estiver santificado ao Senhor, todo o nosso corpo também o será.
E, dessa forma, poderemos viver a vida abundante que o Senhor tem nos preparado e gozar da alegria verdadeira que tanto almejamos aqui neste mundo.
Guarde o seu coração e o pecado não achará lugar em seu interior.

VALE A PENA SER SINCERO...


A sinceridade torna as coisas tão simples!

Não que a humanidade passará a amá-lo mais se você não disser mentiras, mas, a sinceridade usada com o devido cuidado costuma ser a solução mais fácil.

Digamos que seu chefe tenha lhe pedido para enviar algumas cartas importantes. Mas, em vez de colocá-las no correio, você as jogou acidentalmente no lixo.

Você pode optar por criar histórias e desculpas mirabolantes, mas aí, a vida fica difícil.

Então, que tal dizer ao chefe que você fez uma tremenda besteira, se desculpar e se dispor a consertar o erro?

Isso facilita a vida, pode ter certeza.

Quando você é sincero com as pessoas, elas o admiram e o estimam, confiam em você, sabem qual é a sua abordagem e você pode obter mais daquilo que deseja...

Se você quiser algo, diga! Se quiser sair com alguém, fale diretamente à pessoa – sem rodeios e sem intermediários...

Siga o exemplo das crianças; elas conseguem o que querem porque simplesmente pedem...

Da mesma maneira, seja sincero quando não souber alguma coisa. É muito irritante ouvir professores, colegas, pais e outros "experts" fingindo que têm resposta para tudo. As pessoas sempre respeitam mais quem é capaz de dizer "eu não sei"...

Em poucas palavras: seja diplomático, mas fale abertamente.

A sinceridade é um sinal de respeito pelas pessoas e um sinal de auto-respeito. E torna tudo tão mais simples!

Andrew Matthews

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A IMPORTÂNCIA DE SER VOCÊ MESMO!


Certo dia, um Samurai, que era um guerreiro muito orgulhoso, veio ver um Mestre Zen.

Embora fosse muito famoso, ao olhar o Mestre, sua beleza e o encanto daquele momento, o samurai sentiu-se repentinamente inferior.
Ele então disse ao Mestre:
- "Por quê estou me sentindo inferior?

Apenas um momento atrás, tudo estava bem. Quando aqui entrei, subitamente me senti inferior e jamais me sentira assim antes.
Encarei a morte muitas vezes, mas nunca experimentei medo algum.

Por quê estou me sentindo assustado agora?"

O Mestre falou:
- "Espere. Quando todos tiverem partido, responderei."

Durante todo o dia, pessoas chegavam para ver o Mestre, e o samurai estava ficando mais e mais cansado de esperar.
Ao anoitecer, quando o quarto estava vazio, o samurai perguntou novamente:

- "Agora você pode me responder por que me sinto inferior?"

O Mestre o levou para fora. Era um noite de lua cheia e a lua estava justamente surgindo no horizonte.

Ele disse:
- "Olhe para estas duas árvores, a árvore alta e a árvore pequena ao seu lado. Ambas estiveram juntas ao lado de minha janela durante anos
e nunca houve problema algum. A árvore menor jamais disse à maior "Por quê me sinto inferior diante de você? Esta árvore é pequena e aquela é grande - este é o fato, e nunca ouvi sussurro algum sobre isso."

O samurai então argumentou:

- "Isto se dá porque elas não podem se comparar."

E o Mestre replicou:

Então não precisa me perguntar. Você sabe a resposta. Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem.

Você é o que é e simplesmente existe.
Um pequeno arbusto ou uma grande e alta árvore, não importa, você é você mesmo.
Uma folhinha da relva é tão necessária quanto a maior das estrelas.
O canto de um pássaro é tão necessário quanto qualquer Buda, pois o mundo será menos rico se este canto desaparecer.

Simplesmente olhe à sua volta.
Tudo é necessário e tudo se encaixa.
É uma unidade orgânica, ninguém é mais alto ou mais baixo, ninguém é superior ou inferior.
Cada um é incomparavelmente único.
Você é necessário e basta.
Na Natureza, tamanho não é diferença.
Tudo é expressão igual de vida.

domingo, 24 de outubro de 2010

SEMPRE HÁ TEMPO...


Um professor de filosofia parou na frente da classe e, sem dizer uma palavra, pegou um vidro de maionese vazio e encheu com pedras de uns 2 centímetros de diâmetro. Então perguntou aos alunos se o vidro estava cheio. Eles concordaram que estava.

Então o professor pegou uma caixa com pedregulhos bem pequenos, jogou-os dentro do vidro, agitando-o levemente. Os pedregulhos rolaram para os espaços entre as pedras. Ele então perguntou novamente se o vidro estava cheio.

Os alunos concordaram: agora sim, estava cheio!

Então o professor pegou uma caixa com areia e a despejou dentro do vidro, preenchendo o espaço restante. Agora, disse o professor, eu quero que vocês entendam que isto simboliza a sua vida.

As pedras são as coisas importantes: sua família, seus amigos, sua saúde, seus filhos, coisas que preenchem a sua vida. Os pedregulhos são as outras coisas que importam: o seu emprego, sua casa, seu carro. A areia representa o resto. As coisas pequenas. Se vocês colocarem a areia primeiro no vidro, não haverá mais espaço para os pedregulhos e as pedras. O mesmo vale para a sua vida. Cuidem das pedras primeiro. Das coisas que realmente importam. Estabeleçam suas prioridades. O resto é só areia!

Mas então, um aluno pegou o vidro e perguntou novamente se o vidro estava cheio. Os alunos concordaram: agora sim, estava cheio! Então ele derramou um copo de água dentro do vidro. Claro, a areia ficou ensopada com a água, preenchendo todos os espaços restantes dentro do vidro e fazendo com que ele, desta vez, ficasse realmente cheio.

Então disse: não importa o quanto sua vida esteja cheia de coisas e problemas, sempre sobra espaço para o que há de mais importante para sua plena felicidade.

O GRANDE HOMEM...


É tranqüilo, calmo, paciente, não grita, nem desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência, vive com simplicidade.
É do futuro, não do passado. Sempre tem tempo. Não despreza nenhum ser humano. Não é vaidoso. Como não anda à caça de aplausos, jamais se ofende. Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Vive dentro de seu próprio isolamento espiritual, onde não chega nem o louvor nem a censura.
No entanto, seu isolamento não é frio: ama, sofre, pensa, compreende.
O que você possui, dinheiro e posição social, nada significam para ele. Só lhe importa o que você é.
Despreza a opinião própria, tão depressa verifica o seu erro.
Respeita somente a verdade. Tem mente de homem e coração de menino. Conhece-se a si mesmo, tal qual é.

sábado, 23 de outubro de 2010

PELO QUE EU NÃO VI...


Pelo que eu não vi, a sensação de perder algo.
Pelo que eu não fiz, o vazio das mãos vazias.
Pelo que eu não aprendi, a incerteza da falta de conhecimento.
Pelo que eu não conquistei, a falta do que mostrar.
Pelo que eu não falei, o nó da palavra presa na garganta.
Pelo que eu não comi, o gosto do desconhecido.
Pelo que eu não hesitei, a dúvida: poderia fazer melhor?
Pelo que eu não entreguei, o acumulo desnecessário.
Pelo que eu não amei, a certeza de que deveria ter amado muito mais, sem cobrar nada, sem esperar troca, recompensa...
Pelo simples fato de amar e ter sentido o amor, eu já fui muito feliz e juro, eu nem sabia.
Pelo que eu desperdicei de tempo, a minha saudade, pelas noites perdidas em lamentações, pelas muitas reclamações, eu me perdôo, mas recomendo: não se perca em meio a ilusões tolas, a vida é breve, o amor é doce, ainda que não correspondido, ainda que pareça mal-vivido, ainda assim é amor, e amor, é chama que mantém a alma aquecida, e fonte da própria vida.

Paulo Roberto Gaefke

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

CONHEÇA SEUS LIMITES...


Antes de começar qualquer coisa, pergunte-se: quanto estou disposto a investir?
Quanto tempo, emoção e dinheiro é o meu limite?
Se você refletir sobre seus limites pessoais com antecedência, poderá executar qualquer tarefa com maior firmeza. Mas isso não é tudo.
Para progredir e ir mais longe, tente superar os seus limites, exija sempre mais de si mesmo.

Peça a si mesmo para melhorar a qualidade, executar num prazo menor, ou produzir mais do que o esperado; enfim, qualquer que seja o seu progresso, suba a aposta.

Narciso L. M. Machado, no livro "Exploda a Crise"

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

PENSAMENTOS PARA A VIDA...


- Veja mais o lado positivo das pessoas.
- Aprenda com os erros dos outros e principalmente com os seus erros.
- "Conhece a ti mesmo". Encare seus próprios defeitos e se esforce para mudar. Isso é evolução.
- Freie pensamentos ruins e aumente a quantidade de pensamentos bons. É bom para você e age no inconsciente coletivo, tornando o mundo melhor.
- Jogue fora as coisas ruins do passado e guarde as boas.
- Aproveite ao máximo o presente. Palavra que se revela em seu outro significado, pois é dado a você para ser usufruído.
- Trace planos para o futuro. Onde eu me encontro hoje? Onde quero estar daqui a um ano? E daqui a três anos? E dez?
- Faça metas. Trabalhe para alcançá-las e mentalize que tudo é possível e seus projetos se realizarão. O nosso destino é a gente quem faz.
- Não se importe com as críticas contra você. O que as pessoas pensam de ruim a seu respeito é problema delas. Mesmo que para todas as pessoas suas idéias parecerem ridículas, acredite nas suas próprias idéias. Liberte-se da boiada e ganhe asas.
- Grandes mentes discutem idéias; mentes medianas discutem eventos; mentes pequenas discutem a vida alheia.
- Tenha a mente aberta para aceitar novas idéias e mesmo para mudar de opinião.
A sociedade em que vivemos prega o sucesso pessoal e o individualismo. Quanto maior é a sua consciência, maior é a sua responsabilidade. Por isso faça alguma coisa boa para quem você gosta e para o coletivo.
Só com consciência e ação nós podemos melhorar a nós mesmos e o mundo em que vivemos.

A TAREFA DOS PAIS...


Quando se anuncia a chegada de um novo membro na família, há grande alegria.
Os pais se desdobram em complexos preparativos.
Por ocasião do nascimento, há arroubos de ternura.
A Sabedoria Divina veste os Espíritos que retornam à carne com encantadora roupagem.
Frágeis e graciosos, eles inspiram cuidados e afeto.
É com enternecimento que os pais acompanham o crescimento de seus pequenos rebentos.
Desejosos de que sejam muito felizes, tomam inúmeras providências.
Colocam-nos nas melhores escolas, cuidam de sua saúde, os defendem de tudo e de todos.
É bom e natural que seja assim, pois a tarefa dos pais envolve o cuidado e o preparo de seus filhos para os afazeres da vida.
Entretanto, essa tarefa é muito mais vasta.
Todo bebê que nasce representa um antigo Espírito que retorna ao cenário terrestre.
Como terá de viver em um mundo materializado, ele precisa receber educação formal e todos os demais cuidados que essa circunstância inspira.
Entretanto, como Espírito imortal, não renasce na carne para vencer os outros e brilhar em questões mundanas.
Todo Espírito precisa crescer em intelecto e em moralidade.
No atual estágio da evolução humana, há um certo descompasso entre esses dois aspectos.
A busca pelo bem-estar e mesmo o egoísmo fazem com que a criatura procure modos de viver o melhor possível.
Ao cuidar de seus interesses, ela exercita naturalmente a inteligência.
Entretanto, sob o prisma ético, a evolução costuma ocorrer de forma algo mais vagarosa.
Um contingente muito significativo dos Espíritos demora bastante para sentir o próximo como um semelhante.
Surge tardiamente a compreensão de que o outro também tem sonhos, sofre, chora e merece respeito e amparo.
O aspecto moral é atualmente deveras crítico.
Para as criaturas em geral não falta capacidade de raciocínio.
Falta-lhes retidão de caráter, compaixão e pureza.
Conseqüentemente, a desenvolver tais qualidades é que os pais precisam se dedicar.
Se apenas cuidarem para que os filhos sejam felizes, sob o prisma mundano, falirão em sua tarefa.
Os filhos terão nascido para buscar uma coisa, mas os pais os direcionarão a conquistar outras.
Isso implicará a perda de uma preciosa oportunidade.
Então, é necessário cuidar da instrução formal das crianças e adolescentes.
Mas é primordial ensinar-lhes respeito ao próximo.
Os jovens precisam aprender que a família e os bens dos outros são sagrados.
Que a tolerância é uma virtude preciosa em um mundo cheio de facetas.
Que a consciência tranqüila constitui o maior tesouro que se pode possuir.
Mas, para que a lição não seja hipócrita, os pais devem exemplificar, e não apenas falar.

Redação do Momento Espírita.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

OUVI CONTAR...


Um homem ia cometer suicídio e um mestre estava sentado à beira do rio onde ele ia se jogar. O mestre disse: ‘Espere um pouco! Espere! Você vai cometer suicídio?’
O homem disse, ‘Quem é você para me impedir?’
O mestre lhe disse, ‘Eu não estou impedindo você. Na verdade, eu gostaria de vê-lo cometendo suicídio, mas antes de fazê-lo, se você puder doar os seus dois olhos, porque o rei deste país ficou cego e os médicos disseram que se alguém puder doar-lhe os olhos, eles poderão ser transplantados e o rei poderá enxergar novamente. Mas tem que ser olhos de uma pessoa viva, não de um morto. E o que você quiser como recompensa, como prêmio, é só dizer e será seu. Assim, antes de suicidar, por que não fazer um pequeno negócio?’
O homem disse, ‘Quanto ele pagará?’ Ele já havia esquecido o suicídio.
As pessoas estão sempre pensando em negócios.
O mestre disse, ‘O quanto você pedir, é só dizer.’
Ele disse, ‘Eu sou um pobre homem, não posso pedir muito. Dê-me uma sugestão. Eu vou cometer suicídio.’
Então o mestre disse, ‘Pense alto. Que tal, vinte mil rúpias?’
O homem disse, ‘Vinte mil rúpias? Meu Deus, eu nunca pensei que poderia ter vinte mil rúpias.’
Mas o mestre disse, ‘Você ainda pode pensar. Eu posso até mesmo dizer ao rei que você precisa de vinte milhões. Tudo depende de você, pois o rei quer os olhos e paga qualquer preço.’
O homem disse, ‘Vinte milhões? Mas então, por que eu deveria cometer suicídio?’
O mestre disse, ‘Isto é com você. Mas, viver uma vida sem os olhos, mesmo tendo vinte milhões de rúpias, não será muito agradável.’
Já estavam a caminho do palácio, quando o homem começou a dizer ao mestre, ‘Eu estou pensando outra coisa.’
Ele disse, ‘Que outra coisa? Você já subiu o seu preço de novo?’
Ele respondeu, ‘O preço não é a questão.
Eu estou pensando: só por dois olhos, vinte milhões? E quanto às duas orelhas, o nariz, os dentes, todo o meu corpo? Qual o preço de todo o meu corpo?’
O mestre disse, ‘Você pode calcular, pois se são vinte milhões por apenas dois olhos...’
O homem disse, ‘Eu não vou vender. Eu vou para a minha casa.’ O mestre disse, ‘E quanto ao suicídio?’
Ele disse, ‘Eu pensava que você era um homem religioso. Você é um assassino! Você quer que eu cometa suicídio? Agora que pela primeira vez eu pude reconhecer o que a existência me deu, e eu não tive que pagar nem um tostão. Estes dois olhos que têm visto todo tipo de beleza, estas duas orelhas que têm ouvido todo tipo de música, esta vida que tem experienciado tanta coisa... E eu nada paguei por isto, nem mesmo disse muito obrigado. E o suicídio nada mais é que a última reclamação, a mais feia reclamação contra a existência: ela me deu tanto e eu estou destruindo tudo. Ao invés de estar agradecido, eu estou traindo. Não, eu não posso cometer suicídio e não posso vender os meus olhos, eles não têm preço. Você pode dizer isto ao rei. Nem mesmo por todo o seu reino eu não posso doar os meus olhos, mesmo sendo eu um mendigo.’

Você já percebeu o quanto a existência tem dado a você?

QUASE SEXTA-FEIRA...


Sexta feira chegando, mais uma semana vai se encerrando e eu pergunto: como estão os seus sonhos?
Será que a sua vida lhe pertence, ou você é daquele tipo que pensa em todo mundo, lembra de todas as datas, aniversários, momentos, vacinas, remédios, refeições, tudo para os outros, para você mesmo, nada?
Qual foi o último filme que você assistiu por puro prazer?
Qual o livro que você leu sem ser ficar parando e atendendo aos outros?
Sua agenda tem brechas para um sorvete, um cafezinho, uma hora de amor?
Seus sonhos são metas, ou são simplesmente sonhos distantes como aquela nuvem que está passando... Ihh... passou!

Percebe que até aquela nuvem já não está mais no mesmo lugar? Olha... se bobear, a pedra da Gávea, no Rio de Janeiro, já se moveu alguns milímetros. Pode ser pouco e até invisível aos olhos, mas até as pedras se movem, isso não é fantástico? Isso lembra alguma coisa?

A vida corre... e tem gente que pode ter apenas mais um dia de vida, e outros, terão mais vida em um dia.
É... mais uma semana terminando. E a sua vida ainda é a mesma do começo do ano? Piorou ou melhorou?
Você evoluiu? Aprendeu com a dor?
Está mais forte, ou ainda chora à toa, como manteiga derretida?
Está mais confiante ou continua sendo a vítima infeliz, que todos maltratam?
Está mais próximo do amor, ou anda com medo de se relacionar, já pensando que amor rima com dor?

Olha, não é por nada, não, mas o dia está tão maravilhoso, que se você se perder em reclamações, o dia vai passar e você nem vai perceber; mas se você sorrir agora, tem grandes chances de aproveitar o tempo contemplando um outro sorriso, quem sabe!
Por maior que seja o seu sonho, ele pode se transformar em realidade, quando você disser que sim, quando você realmente lutar!

Feliz Vida!!!

REGRAS PARA SER FELIZ...


Conta-se que um homem de negócios, após longos anos de trabalho árduo, conseguiu ajuntar significativa fortuna.

Todavia, o grande empresário, apesar de todo o dinheiro que possuía, sentia-se infeliz. Desejava a felicidade, mas um grande vazio lhe perturbava a alma e as tribulações das horas lhe roubavam a paz.
Um dia, ouviu falar da existência de um velho sábio conhecedor de regras eficientes para quem deseja ser feliz.
O executivo não teve dúvidas. Muniu-se dos recursos necessário e saiu a procurá-lo.
Após longa e exaustiva busca, chegou ao lugarejo onde residia o tal sábio.
Algumas informações a mais, e lá estava ele, frente a frente com o ancião.
A expectativa era tanta que ele foi direto ao assunto.
"Ouvi dizer que o senhor sabe a receita para se conquistar a felicidade, e o que mais desejo é ser feliz, pode me ajudar?" Perguntou ansioso.
Bem, respondeu o sábio, na verdade as regras são muito simples. A primeira delas é prestar atenção. A segunda, é prestar atenção. E a terceira e última é prestar muita atenção.
O executivo pensou que ele só podia estar brincando, mas depois de ouvir algumas considerações, foi mudando de idéia.
O ancião falou com sabedoria: "quem presta atenção em tudo o que acontece nos minutos de sua vida, consegue ser feliz."
- Preste atenção no que as pessoas lhe dizem. Saiba ouvi-las com serenidade, buscando ajudar na medida do possível.
- Ao fazer uma refeição, aproveite bem o momento. Preste atenção nos alimentos que ingere, sinta o seu sabor.
- Preste atenção em tudo à sua volta...
- Olhe com atenção uma noite enluarada, um amanhecer de ouro...
- Contemple, com atenção, um jardim que explode em perfumes e cores...
- Uma cascata estirada sobre a montanha rochosa...
- Observe com atenção um bando multicor de aves cruzando os ares... Ouça atentamente o canto de um pássaro solitário...
- Preste atenção na chuva que cai abençoando o solo. Imagine os lençóis d’água no subsolo, espalhando fertilidade e vida...
- Detenha-se a observar o trabalho das formigas, sua organização, sua perseverança.
- Acompanhe com atenção o desabrochar de uma rosa... sinta o seu perfume.
- Enfim, observe atentamente os pequenos "nadas" ao seu redor.
- Em pouco tempo você perceberá que há muito mais coisas boas do que ruins, e isso o fará feliz.
Depois de ouvir atentamente os conselhos do velho sábio, o empresário já estava se sentindo mais alegre e disposto a lutar pela felicidade tão almejada.

As horas são abençoadas oportunidades de aprendizado e alegria.
Mas, embora elas se repitam incessantemente, os minutos já não são os mesmos e as circunstâncias mudam a cada segundo.
Dessa forma, a cada hora temos sessenta minutos para encontrar motivos de felicidade, basta que prestemos muita atenção em cada um deles, sem esquecer que a nossa atenção deve voltar-se para as coisas realmente positivas.


Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em história de autoria desconhecida.

UM ENORME CORAÇÃO...


Amar o próximo como a si mesmo é preceito evangélico exaustivamente repetido. Acontece que, quase sempre, não sabemos exatamente o que significa.

Como demonstrar amor ao próximo? Às vezes, marcamos data e vamos visitar um asilo. Preocupamo-nos em levar coisas para os idosos: doces, frutas, guloseimas. E vamos distribuindo, de mão em mão, meio às pressas.

De outras vezes, deixamos de ir porque dizemos não ter dinheiro para comprar algo para levar. Como chegar de mãos vazias?

Nem pensamos que, para aquelas criaturas solitárias, quase sempre esquecidas dos familiares, o mais importante é alguém se dar.

Isto significa segurar suas mãos, levar uma tesourinha e cortar suas unhas. Lixá-las. Colocar um esmalte. Tomar de um pente e escova e fazer um penteado diferente.

Qual a mulher, de qualquer idade, que não gosta de se sentir bonita?

Amar o próximo é servi-lo onde se encontra, na circunstância que se apresente. Ceder o lugar no ônibus é sinal de urbanidade.

Mas, convidar o idoso, deficiente ou a mãe com o bebê ao colo a se sentar, com um sorriso nos lábios e uma frase sugestiva, como: "sente-se aqui. Ficará mais confortável" é amor ao próximo.

Estar atento ao que ocorre ao redor de si. O que nos recorda daquela sorveteria famosa, sempre lotada nos dias de calor.

Sorvete delicioso. Sabores variados. Clientela bem atendida.

Homens, mulheres, crianças, todos fazem fila e aguardam pacientemente a sua vez.

Tudo por um sorvete gostoso. Refrescante.

A menina sozinha, com o dinheiro na mão, também entrou na fila. Esperou, sem reclamar, mesmo quando uns garotos passaram à sua frente, sem cerimônia e sem polidez.

Quando chegou ao caixa, antes que pudesse falar qualquer coisa, o funcionário lhe ordenou que saísse e lesse o cartaz na porta.

Ela baixou a cabeça, engoliu em seco e saiu. E leu o cartaz, bem grande, na porta de entrada: proibido entrar descalço!

Olhou para os seus pés descalços e sentiu as lágrimas chegarem aos olhos. O gosto do sorvete não comprado se diluindo na boca.

Ia se retirando, cabisbaixa, quando uma mão forte a tocou no ombro. Era um homem alto, grande. Para a menininha, ele parecia um gigante.

Foi com ela até o meio-fio, sentou-se e tirou os seus sapatos número 44 e os colocou em frente a ela.

Depois, a suspendeu e enfiou os pés dela nos seus sapatos.

"Eu fico aqui, esperando." - disse ele. "vá buscar o seu sorvete! Não tenho pressa."

Ela foi deslizando os pés, arrastando os sapatos, até o caixa. Comprou sua ficha e saiu, vitoriosa, com seu sorvete na mão.

Quando foi devolver os sapatos para aquele homem, de pés grandes, barriga grande, ela se deu conta de que se ele tinha pés enormes, muito maior ainda era o seu coração.

Amar ao próximo é fazer a alegria de alguém, por mais insignificante que ela possa parecer.
É ter olhos de ver a necessidade embutida nos olhos tristes.
É ter ouvidos de ouvir os soluços afogados na garganta e os pedidos jamais expressos.
Amar ao próximo é simplesmente ter a capacidade de olhar um pouco além de si mesmo.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no cap. Pés grandes, coração maior ainda, de autor desconhecido, do livro Histórias para aquecer o coração dos pais, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jeff Aubery, Mark & Chrissy Donnely, ed. Sextante.

FAIXA PRETA...


"Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros." Mateus 9:37

Depois de incansáveis anos de treinamento, um disciplinado aluno de artes marciais viu-se diante do mestre para receber a faixa preta.

"Antes que lhe dê a faixa você terá de passar por um outro teste", avisou o mestre.
"Estou pronto." Respondeu o aluno.
"Você precisa responder a uma pergunta essencial. Qual é o verdadeiro significado da faixa preta?"
O jovem respirou fundo e disse: "Ela representa o fim de minha jornada. Será uma recompensa merecida por meu bom trabalho."

O mestre esperou um pouco.
O jovem percebeu que o professor não estava satisfeito.
O silêncio que constrangia o jovem foi quebrado por novas palavras do mestre: "Você não está pronto para receber a faixa preta. Volte daqui um ano."
Desapontado o aluno partiu.
Um ano depois, ajoelhou-se novamente na frente do mestre.

"Qual é o verdadeiro significado da faixa preta?" - repetiu a pergunta o professor.
"É o símbolo da excelência e o nível mais alto que se pode atingir em nossa arte", respondeu o jovem.
O mestre permaneceu em silêncio.
O aluno percebeu que outra vez sua resposta não fora satisfatória.
Por fim, disse o professor:

"Você ainda não está pronto para a faixa preta. Volte daqui a um ano." Resignado o aluno partiu.
Um ano depois voltou a ajoelhar-se diante do mestre.
Mais uma vez foi-lhe feita a pergunta:

"Qual é o verdadeiro significado da faixa preta?"
O aluno respirou fundo e respondeu:

"A faixa preta representa o começo. É o início de uma jornada sem fim de disciplina, trabalho e busca por um padrão cada vez mais alto."

O mestre sorriu e disse:

"Agora você está pronto para receber a faixa preta e iniciar o seu trabalho."

Estamos a caminho.
Muito já percorremos.
Muito já foi vencido.
Quando olhamos para trás vemos os vales extensos.
Os rios de correnteza inclemente.
Os desfiladeiros traiçoeiros.
Pântanos sombrios.
São paisagens passadas.
Situações superadas.
Também havia na jornada campos floridos.
Praias de areia alva.
Árvores frondosas a oferecer-nos sombra e abrigo.
São paisagens passadas.
Momentos que nos enchem de saudade.
Estamos a caminho.

Quando olhamos para frente vemos cenários novos.
Grandes surpresas nos aguardam nas curvas das estradas.
Grandes dores também esperam por nós.
São tantas as trilhas que se apresentam.
Cada qual com uma característica especial.
Algumas prometem facilidades e alegrias fugazes.
Escondem armadilhas em recantos com aparência inofensiva.
Outras mostram-se árduas desde o início, mas compensam os viajantes persistentes com vastos oásis de consolo e amparo.

Cada estrada apresenta riscos e prêmios.
Todas, porém, levam a um destino único.
O tempo de viagem depende da disposição de cada peregrino.
Há muito a percorrer.
Estamos, ainda, a caminho.

Desconheço o Autor

terça-feira, 19 de outubro de 2010

COMECE COM O OBJETIVO EM MENTE...


Começar com o objetivo em mente significa começar tendo uma compreensão clara do destino. Significa saber para onde você está seguindo, de modo a compreender melhor onde você está agora para depois dar o passo na direção correta... Começar com o objetivo em mente se baseia no princípio de que todas as coisas são criadas duas vezes.

Há a criação mental, ou inicial, e a criação física, ou segunda criação. E isso vale para tudo. Para ter noção do que estamos falando, pegue como exemplo a construção de uma casa. Antes de martelar o primeiro prego, você cria, detalhe por detalhe o que quer. Tenta ter uma noção bem clara do tipo de residência que deseja... Depois, transforma isso tudo em planta e começa a planejar a construção – tudo isso você faz antes de tocar o solo. Caso contrário, na segunda criação – a criação física – você vai gastar uma fortuna para fazer as modificações necessárias.

Aqui, vale a regra do carpinteiro, que é: medir duas vezes, cortar uma... E isso vale para tudo... Você não imagina como é incrivelmente fácil ser pego pela ilusão da atividade. Na correria da vida, é muito comum ver profissionais trabalhando cada vez mais para subir a escada do sucesso só para descobrir que esta escada estava apoiada na parede errada.

Com freqüência, as pessoas conquistam vitórias que se mostram vazias, sucessos que chegam com o sacrifício de coisas que, repentinamente, elas descobrem ser muito mais valiosas. Gente de todos os ramos freqüentemente batalham para aumentar sua renda, conseguir reconhecimento ou capacidade profissional e, no fim, descobrem que, na ânsia de atingir a meta estabelecida, deixaram de ver as coisas que realmente importavam e que foram deixadas no meio do caminho. Por isso, se a escada não estiver apoiada na parede certa, cada passo dado nos levará mais depressa para o lugar errado.

Talvez a fama, reconhecimento, dinheiro e algumas coisas pelas quais lutamos tanto nem sequer façam parte da parede concreta... Podemos viver correndo, ser até muito eficientes, mas só seremos verdadeiramente eficazes quando tivermos o objetivo em mente.

Stephen R. Covey, no livro "Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes

AMARGURA...


"Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem” Hebreus 12:15

Pessoas cheias de amarguras apenas transmitem amarguras!
Pois dão aos outros aquilo que receberam.

A amargura faz mal a alma ao corpo e ao espirito!
A Falta de perdão e as mágoas geram nas pessoas uma sensação de mal estar no físico podendo até gerar doenças!
Pessoas que estão sempre cançadas ou com constante dor de cabeça talvez estejam sofrendo pela legalidade das mágoas!

Quando Jesus nos ensinou a perdoar e amar nossos inimigos e orar por aqueles que nos perseguem, Ele nos mostrou o seu amor por toda a criatura afim de que todos se salvem, e através do perdão gerar uma ponte do amor de Deus para todos os homens,
O amor Ágape (incondicional) independe de quem somos ou de que atitudes tomamos.

A justiça e a vingança pertence a Deus! não cabe a nós nos vingar ou querer fazer justiça com as mãos, apenas perdoar, orar e amar nossos inimigos assim como Jesus. Nos assemelhemos a Ele!

A amargura destrói tanto a pessoa que sofre uma ação como o agressor! Em ambos os casos quando guardam dentro de si amarguras ainda que no subconsciente, existe um peso espiritual sobre a pessoa que não libera o perdão como se houvesse um cadáver em decomposição amarrado a pernas desta; primeiro que a pessoa anda se arrastando em sua vida sentimental e segundo tem a sensação de que os bichos do cadáver a comecem viva!
É horrível os estragos que a amargura provoca em um coração!

Muitos de nós guardamos muitas mágoas em nossos corações de coisas pequenas e que se tornam tão grandes como raízes de arvores!
Mas nosso orgulho não permite que enchergamos que precisamos liberar perdão!
Dizemos em nossos corações com toda a certeza "eu não guardo mágoas de ninguém, portanto não tenho do que perdoar!!!"
Mas nos enganamos a nós mesmos quando o dizemos!
Precisamos todos os dias em grandes e pequenas coisas liberar o perdão divino!

"Porque se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens (as suas ofensas), tão pouco o Pai
vos perdoará as vossas ofensas". Mateus 6:9-15

E assim nos tornamos livres da amargura!
Livres para ser feliz!!!


Natanael Scalco Neto

UM MINUTO...


Um minuto serve para você sorrir: sorrir para o outro, para você e para a vida.
Um minuto serve para você ver o caminho, olhar a flor, sentir o cheiro da flor, sentir a grama molhada, notar a transparência da água.
Basta um minuto para você avaliar a imensidão do infinito, mesmo sem poder entendê-lo.
Em um minuto apenas, você ouve o som dos pássaros que não voltam mais.
Um minuto serve para você ouvir o silêncio, ou começar uma canção.
É num minuto que você dará o sim que modificará toda a sua vida...
E basta.
Basta um minuto para você apertar a mão de alguém e conquistar um novo amigo.
Em um minuto você pode sentir a responsabilidade pesar em seus ombros: a tristeza da derrota, a amargura da incerteza, o gelo da solidão, a ansiedade da espera, a marca da decepção e a alegria da vitória. Quanta vitória se decide num simples momento, num simples minuto!
Num minuto você pode amar, buscar, compartilhar, perdoar, esperar, crer, vencer e ser.
Num simples minuto você pode salvar a sua vida.
Num pequeno minuto você pode incentivar alguém ou desanimá-lo!
Basta um minuto para você recomeçar a reconstrução de um lar ou de uma vida.
Basta um minuto de atenção para você fazer feliz um filho, um aluno, um professor, um semelhante.
Basta um minuto para você entender que a eternidade é feita de minutos. De todos os minutos bem aproveitados!

MENSAGEM PARA QUEM A GENTE AMA...


Eu quero que você sonhe!
E que tranforme seu sonho mais lindo,
em doce e concreta realidade.

Eu quero que você se encontre,
e sabendo quem é, descubra o que quer,
para ter uma rota segura, um caminho para seguir,
para ser feliz, é preciso saber decidir.

Eu quero que você escute.
Pois a sabedoria vem do ouvir,
e ouvindo queira praticar o que é bom,
e sendo bom, que seja admirado.

Eu quero que você estude,
que leia mais, ouça boas músicas,
vá ao teatro, veja bons filmes,
e possa compartilhar o que é bom.

Eu quero que você ame e seja amado.
Que descubra no partilhar das emoções,
a emoção de admirar alguém.
Pois o amor não é maior que a admiração,
nem a admiração, maior que o amor,
eles se completam, e um não existe sem o outro

Então, eu quero te admirar!
Para te ver como espelho dos meus anseios,
ter amizade com você além dos planos,
além do tempo miudinho que a vida nos dá.
Eu já sei, eu quero mesmo é te amar.

Paulo Roberto Gaefke

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

FITA MÉTRICA DO AMOR...


Como se mede uma pessoa? Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme para você quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravada.

É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade.

Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto. É pequena quando desvia do assunto.

Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.

Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas: será que ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições?

Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.

É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, e sim de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao estender a mão e, ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.

O egoísmo unifica os insignificantes.

Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande. É a sua sensibilidade sem tamanho.

Martha Medeiros

SOB NOVA INSPIRAÇÃO...


Em pane mental, surtada por tanta informação, hoje escrevo apenas sob o controle da emoção.

Exige-se racionalidade. É preciso pensar. Tomar decisões com a cabeça. Usar o bom senso. Botar pra funcionar os neurônios. Ok, mas sem fanatismo. Às vezes é bem-vindo um curto-circuito, uma mente desgovernada.

Pobre de quem conta apenas com a razão, escreveu o argentino Ernesto Sábato. Ao lê-lo, me senti profundamente atingida. Uma frase óbvia, uma verdade gritante, e eu surda. Em pane mental, surtada por tanta informação, por exigir de mim mesma opinião sobre tudo. Pois não contarei, hoje, com o cérebro. Escreverei sob outra inspiração.

Sobre o verão, direi que é uma estação diluente, que a gente transpira um desejo hibernado, que a água é colírio constante e o que se sente fica menos secreto.

Sobre dinheiro, direi o que já disse Simone de Beauvoir, que tê-lo demais e tê-lo o suficiente dá no mesmo, que não podemos comer mais do que comemos, vestir mais do que vestimos, que qualidade e vaidade não são a mesma coisa, que dinheiro desvirtua se não encontra um bolso decente, uma bolsa honrada.

Sobre a verdade, direi que tem muitas caras, tantas quantas as gentes do mundo, que umas verdades são boas, umas verdades são falsas, que umas libertam, outras asfixiam, que há as verdades eternas e aquelas que não duram um dia.

Sobre festas, direi que prefiro as que terminam cedo, onde encontro pessoas de que gosto e algumas que desconheço, que me fazem rir por motivos novos e adiar a volta pra mais tarde, pessoas que me acendem por dentro, me tiram pra dançar, me oferecem outra taça, um novo rosto e palavras que dão gosto de escutar.

Sobre cansaço, direi que tenho é da repetição, de diariamente a mesma notícia, o mesmo boa-noite, o mesmo sonhar acordada, pensando em como seria se a cada dia uma descoberta, uma nova vacina, um preço mais justo, uma confiança, direi que cansaço eu tenho é de muito espaço pra pouca novidade.

Sobre o amor, direi que sobrevive com aparelhos, muitos seguem com medo de senti-lo e recebê-lo, precisam de slogans que o vendam, de garantias que não há, meu amor, não há limite nem formatação adequada, o amor acontece, às vezes fica e às vezes passa.

Sobre política, não digo nada.

Hoje escrevo sob nova direção, sob controle da emoção e ligeiramente estafada.

Martha Medeiros

ESTRATÉGIA...


Perguntado como enfrentar com sucesso uma grande tropa inimiga em condições de combater e preparada para marchar para a batalha, responda: “Começando por tomar uma coisa que o inimigo conserve com interesse; então ele ficará sujeito à sua vontade”.

A rapidez é a essência da guerra. Tire partido da falta de preparação do inimigo, marche por caminhos onde não é esperado e ataque pontos desprotegidos. São os seguintes os princípios a serem observados por uma força invasora: quanto mais profundamente penetrar num país, maior deverá ser a solidariedade entre os soldados e, dessa forma, os defensores não levarão a melhor.

Faça pilhagens em território fértil para suprir seu exército de alimentos. Examine cuidadosamente o bem-estar de seus homens e não os sobrecarregue. Concentre sua energia e armazene suas forças. E, mantenha seu exército sempre em movimento e delineie planos insondáveis.

O tático habilidoso pode ser comparado a uma cobra encontrada nas Montanhas Ch’ang: atingida na cabeça, reage com o rabo; atacada no rabo, responde com a cabeça; agredida no meio, ataca com a cabeça e o rabo.

trecho de "A Arte da Guerra", de Sun Tzu

PROVÉRBIO ÁRABE...

Não digas tudo o que sabes
Não faças tudo o que podes
Não acredites em tudo o que ouves
Não gastes tudo o que tens

Porque:
Quem diz tudo o que sabe
Quem faz tudo o que pode
Quem acredita em tudo o que ouve
Quem gasta tudo o que tem

Muitas vezes...
Diz o que não convém
Faz o que não deve
Julga o que não vê
Gasta o que não pode

SEJA UM VENCENDOR...


Se você quer se sentir poderoso, ter um fulgurante carisma e emanar segurança, precisa lutar para conquistar tudo isso. Tem de mergulhar em sua fonte interior de coragem e força, construir autoconfiança e respeito por si mesmo e demonstrar isso através de ação.

Pessoas com inquebrantável auto-suficiência têm um segredo, um conhecimento que as torna diferentes das demais. E isso acontece simplesmente porque elas olharam para dentro, enquanto outras falharam por procurar orientação e incentivo fora de si mesmas. Elas sabem que podem confiar em si próprias porque se submeteram a testes e foram aprovadas com louvor. Ganharam sua medalha de honra e a usam com orgulho. O que pode ser melhor do que você se levar a sério? Do que ter bastante autoconfiança para não se importar se os outros o levam a sério ou não? O que pode ser melhor do que dar a si mesmo respeito e aprovação? É bom ser amado e admirado; mas é melhor ainda você se amar e se admirar... Isso é autoconfiança!

A melhor coisa do mundo é sabermos ser nós mesmos.

VIVER...


Não é doar um pouco
É doar sempre!
Não é superar uma ofensa
É esquecê-la!
Não é se compadecer
É ajudar, mesmo que seja um grande incômodo!
Não é apenas sorrir
É fazer sorrir as pessoas que estiverem ao seu lado.
Viver não é medir a sua ajuda
É ajudar sempre sem medidas!
Não é ajudar apenas os que estão por perto
Mas estar sempre perto de todos aqueles que precisam de ajuda.
Quem realmente vive e ama
Não faz apenas o que pode
Mas ama as pessoas de verdade
Como se houvesse um amanhã por vir!

DOR...


A dor é uma lição a ser aprendida. Prestando atenção à dor, podemos superá-la.

É doloroso tocar um ferro quente. Se você deixar de aprender pela experiência, a dor vai voltar cada vez que tocar o ferro quente. Quando você aprende a lição que a dor tem para lhe ensinar e evita tocar no ferro quente, nunca mais terá que sentir essa dor.

O que você pode aprender com a dor? Em toda dor existe uma lição. Às vezes, a lição é evitar os erros. Outras vezes, a lição é aprender a aceitar, valorizar e triunfar sobre os desafios que encaramos.

Você já aprendeu que tudo tem seu preço? Ou a dor ainda está tentando lhe ensinar isso? Você já aprendeu a viver com propósito e foco? Ou ainda está sofrendo a dor de aprender essa lição?

Liberte-se da dor aprendendo o que ela tem a lhe ensinar.

TIPOS FECHADOS AO TELEFONE...


Existem pessoas que, embora sejam capazes de participar normalmente de uma conversa, na maioria das vezes perdem a fala quando forçadas a falar ao telefone, mesmo com conhecidos. Quando tentamos conversar com esses fechados ocasionais, temos a impressão de estar participando de um monólogo, e não de um diálogo.

Na grande maioria, esses tipos são pessoas que não têm autoconfiança, são tímidas e introvertidas e precisam fazer um grande esforço para se afirmar e adquirir um mínimo de auto-segurança. Embora pessoalmente passem a impressão de não ter problemas de comunicação, assim que atendem a uma ligação parecem ser tomadas por toda a timidez, que escondem a tanto custo.

Lidar com pessoas assim não é simples. Pra começar, faça perguntas que não podem ser respondidas com monossílabas. Faça, também, declarações do tipo: “dou muito valor à sua opinião...” ou “conto com seus comentários”.

E, uma vez feita a pergunta, dê um tempo para que a pessoa organize seus pensamentos; se não houver resposta, pergunte novamente. Mas, se a pessoa do outro lado da linha continuar quieta, tente a todo custo não ficar irritado e não faça nenhum comentário agressivo, porque isso poderá transformar o fechado ocasional em eterno fechado.

Isso também não significa que você deva deixar que a pessoa desligue sem ter conseguido o que queria; ao contrário, deixe claro que irá ligar novamente, para que ela tenha tempo de organizar seus pensamentos. Em último caso, sugira uma reunião pessoal – encontros pessoais tornarão a comunicação mais fácil para ambos.

Alan Houel e Christian Godefrey, no livro "Como lidar com pessoas difíceis"

UMA PALAVRA DE SABEDORIA...


Se eu pudesse deixar algum presente para você.
Deixaria aceso o sentimento de amar os seres humanos.
A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora.
Lembraria os erros que foram cometidos, para que não mais se repetissem.
Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável: além do pão; o trabalho. Além do trabalho; a ação.

E, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.

Mahatma Gandhi

A SUSPEITA QUE TRANSFORMA O SER HUMANO...


O folclore alemão conta a história de um homem que, ao acordar, reparou que seu machado desaparecera. Furioso, acreditando que seu vizinho o tivesse roubado, passou o resto do dia a observá-lo.

Viu que o vizinho tinha jeito de ladrão, andava furtivamente como ladrão, sussurrava como um ladrão que deseja esconder seu roubo. Estava tão certo de sua suspeita que resolveu entrar em casa, trocar de roupa e ir até a delegacia dar queixa.

Porém, assim que entrou em casa, encontrou o machado, que sua mulher havia colocado em outro lugar. O homem, então, tornou a sair, examinou de novo o vizinho, e percebeu que ele andava, falava e se comportava honestamente como qualquer outra pessoa.

Paulo Coelho, no livro? Histórias para pais, filhos e netos?

MORTE LENTA...


Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições.

Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece.

Morre lentamente quem faz da TV o seu guru e seu parceiro diário. Como podem 14 polegadas ocupar tanto espaço em uma vida?

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no branco" e os "pingos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve musica, quem não acha graça de si mesmo.

Morre lentamente quem destrói seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

Evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar!!!

A ORIGEM DA PALAVRA "SINCERA"...


SINCERA é uma palavra doce e confiável.
SINCERA é uma palavra que acolhe... e essa é uma palavra que deveria estar no vocabulário de toda alma.
SINCERA foi uma palavra inventada pelos romanos.
Sincero vem do velho, do velhíssimo latim... Eis a poética viagem que fez sincero de Roma até aqui:
Os romanos fabricavam certos vasos de uma cera especial. Essa cera era, às vezes tão pura e perfeita que os vasos se tornavam transparentes. Em alguns casos, chegava-se a se distinguir um objeto um colar, uma pulseira ou um dado, que estivesse colocado no interior do vaso. Para o vaso, assim fino e límpido, dizia o romano vaidoso:

- Como é lindo... Parece até que não tem cera!!!

"Sine-cera " queria dizer "sem cera", uma qualidade de vaso perfeito, finíssimo, delicado, que deixava ver através de suas paredes. E da antiga cerâmica romana, o vocábulo passou a ter um significado muito mais elevado.

Sincero, é aquele que é franco, leal, verdadeiro, que não oculta, que não usa disfarces, malícias ou dissimulações.

O sincero, à semelhança do vaso, deixa ver através de suas palavras, os nobres sentimentos de seu coração.

Malba Taham

PÉROLAS DE LUZ...


Em dias tão turbulentos, de tantas preocupações e desafios, a Espiritualidade Superior nos brinda com algumas pérolas de luz:
A receita da vida será sempre melhorar-nos, através da melhora que venhamos a realizar para os outros.
Em matéria de felicidade só se possui aquela que se dá.
Cada pessoa renasce na soma do que já fez.
A melhora de tudo para todos começa na melhora de cada um.
A vida por fora de nós é a imagem do que somos por dentro.
Perante Deus toda pessoa é importante.
Quem perdeu a própria fé, nada mais tem a perder.
Quem condena atira uma pedra que voltará sempre ao ponto de origem.
A indulgência é a fonte que lava os venenos da cultura.
Nunca se viu egoísmo que não se queixe de ingratidão.
Não te digas incapaz, nem te digas inútil. Auxilia como puderes.
A felicidade não entra em portas trancadas.
Em qualquer empresa, a irritação dos responsáveis faz a metade do insucesso.
Não sobrecarregues teus dias com preocupações desnecessárias, a fim de que não percas a oportunidade de viver com alegria.
Quem aprende a ouvir com atenção aprende a falar com proveito.
Esclarece e avisa para o bem, mas não exijas do próximo aquilo que ainda não consegues fazer. De imediato, ninguém renova pessoa alguma.
A herança da liberdade pertence ao dever cumprido. Obrigação cumprida será sempre o nosso mais valioso seguro de proteção.
Inteligência sem obras é tesouro enterrado. Mobiliza o conhecimento elevado para atenuar a ignorância.
Reclamar é ferir-se. A alma corajosa não é aquela que se dispõe a revidar o golpe recebido e sim aquela que sabe desculpar e esquecer.
Mais fácil sofrer, difícil é perdoar. Perdão é lucro.
O dinheiro pode proporcionar-te reconforto, mas o descanso da alma vem de Deus.
Em qualquer parte a vida te conhece pelo que és, mas apenas te valoriza pelo que fazes de ti.
Aproveita o tempo construindo o bem, a fim de que o tempo te aproveite, de modo a fazer o melhor de ti.
* * *
Constantemente, a vida nos envia pérolas de luz.
Representam o cuidado particular de Deus e de Seus trabalhadores incansáveis, pela melhoria dos seres e, consequentemente, do planeta.
Saibamos aproveitar cada uma delas. Saibamos refletir sobre toda e qualquer experiência edificante do existir.
Cada dia é oportunidade que não volta. Não se pode se banhar no mesmo rio por duas vezes. As águas já serão outras.
Que seja esta mais uma pérola de luz em sua vida.
Esteja onde estiver, seja você quem for, esta é mais uma prova de que não estamos abandonados num mundo em crise.
Estamos muito bem amparados, num mundo em transformação.
Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com trecho da obra Pérolas de luz, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Ceu.
Em 14.07.2010.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

SUCESSO PUBLICITÁRIO...


O maior sucesso de comunicação do século 20 é o filme publicitário; mas ele não teria a eficácia que tem se não considerasse como fator determinante – em sua criação e produção – a que público ele se destina. Por isso, é o sucesso que todos conhecemos. Esses filmes, em apenas 30 segundos conseguem passar um mundo de informações que sugerem soluções, despertam e satisfazem expectativas e, sobretudo, dão prazer.

Tratando-se de Marketing Pessoal, para que haja boa comunicação – tal como nos ensinam algumas dessas maravilhas desenvolvidas em 30 segundos – é preciso, em primeiro lugar, que você conheça o produto; ou seja, você mesmo.

Em segundo, que você saiba tudo sobre a pessoa com quem vai falar – ou seja, o seu “público-alvo”. E, para completar, é preciso saber “passar a sua mensagem”. O bom comunicador é parcimonioso no uso do tempo e das palavras: a tagalerice e a verborragia estão na contramão da comunicação.

Pessoas que falam demais, que falam durante muito tempo e que, sobretudo, falam à toa, tendem a ser mais comunicadores. Ignoram o valor e o peso das palavras. Bons comunicadores são recíprocos: falam menos do que ouvem e dão aos seus interlocutores o que eles desejam, sem impor nada.

Excesso de mensagens polui o entendimento, gerando confusão. Por isso, lembre-se dos filmes publicitários. Afinal, não nos comunicamos pelo que falamos: nos comunicamos pelo que somos; quem tem autoridade sobre o que fala, quem é confiável de um modo geral, quem se compromete com seu próprio discurso, certamente é um bom comunicador.

Lúcia de Bidart, no livro "Marketing Pessoal"

ABRA O SEU CORAÇÃO...


Se você admira alguém de verdade pela inteligência, talento, competência e zelo, quer pela atitude, quer pela bondade, diga-lhe agora, já, enquanto é tempo de dizê-lo.

Se você gosta de alguém, se o aprecia,
se o julga ser na vida um bom modelo de caráter, lealdade ou simpatia, diga-lhe hoje, que é o momento de dizê-lo a seu amigo, parente, irmão querido, a quem mereça seu bem-querer.
Fale tudo de bom que ele tem sido.

Mas coloque agora enquanto há tempo de dizer.
Não guarde para expressar tudo o que pensa no momento em que ele, talvez no leito, nem sequer note a sua presença nem sinta o coração pulsando sob o peito.
Aí, o que importa?

De que vale exaltar seus méritos, sua fama de que adianta dizer que tanto o ama, se tão pouco ou quase nada entenderá?
Suas lágrimas cairão sem que ele as sinta, suas palavras soarão a uma distância quase extinta.
Não deixe, por favor, que se perca o momento.

Diga o afeto sem qualquer constrangimento, pois ele nasce de um lindo sentimento.
Diga bem alto, grite, desabafe!
Quantas vezes, por medo, timidez, covardia, Uma palavra linda a gente adia E que fica só numa saudade ou no remorso, no lamento de uma amargura fria.

A seu amigo, a seu irmão querido, a quem quer que ame sem restrições ou rodeios, enquanto há troca, sempre o enalteça, diga tudo de bom que ele tem sido como foi bom (até aqui) a seu lado ter vivido, que grandeza tê-lo conhecido, para que sua alma, assim, jamais conheça um doloroso silêncio arrependido...

Inspirado em tema do Sales Analysis Institute de Chicago - Jornal da Orla - Santos - 15.12.96

ATITUDE E MODERAÇÃO NAS ATITUDES E NECESSIDADES...


Observando, aprenderemos com os animais e com os movimentos naturais da vida, tais como a chuva, o sol, o frio, o calor, que tudo na natureza é equilibrado e sem desperdício.

Há um equilíbrio natural que sustenta e coordena todos esses movimentos e, quando o desrespeitamos, acabamos criando distúrbios que poderiam ser evitados se todos praticassem a observação.

Assim também acontece conosco. Se comemos demais, bebemos demais, nos irritamos demais, falamos o que não precisamos, enfim, cometemos pequenos excessos, criamos distúrbios que vão saturando nossa atmosfera mental.

Com observação, podemos reeducar nossos sentidos e necessidades, naturalmente. Com essa prática é mais fácil conquistar equilíbrio e moderação nas nossas necessidades de forma espontânea. Assim, você ficará mais atento a seus movimentos e aprenderá a fazer somente o necessário.

Em contrapartida conquistará maior segurança interna, o controle dos impulsos desordenados, habilidade para evitar o evitável e noção do inevitável, além de sabedoria para eliminar o supérfluo.

Paulo Zabeu, no livro "Cinco regras para vencer seus limites"

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

AINDA QUE...


Ainda que todos tenham decretado o seu fim,
ainda que os médicos tenham desenganado o seu ente querido,
ainda que as mil propostas de emprego tenham dado em nada,
ainda que mais dividas tenham se acumulado,
ainda que profetizaram a sua morte, ou até ditaram o seu fracasso, falando que para você, nada mais tem jeito...

Ainda assim, segue trabalhando, fazendo o bem que estiver ao seu alcance, sem murmurar, sem reclamar, sem levantar ao céu o seu queixume, porque Deus que tudo vê, que tudo ouve, pode ter uma opinião totalmente contrária a de todos, e ainda hoje, te levantar do monturo, te resgatar do "vale dos mortos", te colocar sobre o "alto", com tantas possibilidades novas, que até o mais incrédulo, ao olhar para você, perceberá que na sua vida, agiu uma "mão poderosa", e você deixa de ser o que fala, para ser "Evangelho Vivo", esse que transforma vidas para sempre.

Não te detenhas diante dos problemas, nem diante do mal,
não se cale diante das injustiças, e nem sofra por antecipação.
Creia e siga trabalhando, o tempo é o senhor dos dias, e Deus, o Senhor de todos os tempos.

Paulo Roberto Gaefke

O NADADOR E A PISCINA...


"Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas." Apocalipse 21:4

Conta-se que um excelente nadador tinha o costume de correr até a água e de molhar somente o dedão do pé antes de qualquer mergulho.

Alguém intrigado com aquele comportamento lhe perguntou qual a razão daquele hábito.

O nadador sorriu e respondeu:

-Há alguns anos eu era um professor de natação de um grupo de homens. Eu os ensinava a nadar e a saltar do trampolim. Certa noite, eu não conseguia dormir, e fui à piscina para nadar um pouco. Não acendi a luz, pois a lua brilhava através do teto de vidro do clube. Quando eu estava no trampolim, vi minha sombra na parede da frente. Com os braços abertos, minha imagem formava uma magnífica cruz. Em vez de saltar, fiquei ali parado, contemplando minha imagem. Nesse momento pensei na cruz de Jesus Cristo e em seu significado. Eu não era um cristão, mas quando criança aprendi que Jesus tinha morrido para nos salvar pelo seu precioso sangue. Naquele momento as palavras daquele ensinamento me vieram à mente e me fizeram recordar do que eu havia aprendido sobre a morte de Jesus. Não sei quanto tempo
fiquei ali parado com os braços estendidos. Finalmente desci do trampolim e fui até à escada para mergulhar na água. Desci a escada e meus pés tocaram o piso duro e liso do fundo da piscina. Haviam esvaziado a piscina e eu não tinha percebido. Tremi todo, e senti um calafrio na espinha. Se eu tivesse saltado seria meu último salto. Naquela noite a imagem da cruz na parede salvou a minha vida. Fiquei tão agradecido a Deus, que ajoelhei na beira da piscina, confessei os meus pecados e me entreguei a Ele, consciente de que foi exatamente em uma cruz que Jesus morreu para me salvar. Naquela noite fui salvo duas vezes e, para nunca mais me esquecer, sempre que vou à piscina molho o dedão do pé antes de saltar na água.

"Deus tem um plano na vida de cada um de nós e não adianta queremos apressar ou retardar as coisas, pois tudo acontecerá no seu devido tempo"...

Autor Desconhecido

PECADO ORIGINAL...


A humanidade é essencialmente díspar em suas características.
Cada criatura possui facilidades e dificuldades que lhe são inerentes.
A educação e o meio ambiente exercem influência no comportamento humano.
Mas certas tendências são inexplicáveis, no contexto de uma única existência.
Dentro do mesmo núcleo familiar, há marcantes diferenças de moralidade e equilíbrio entre irmãos.
Algumas crianças, desde a mais tenra idade, demonstram boa índole.
Equilibradas e serenas, aceitam com tranqüilidade a disciplina e a orientação dos pais. Já outras trazem a marca da rebeldia.
Instáveis e difíceis, por vezes até cruéis, constituem um desafio para a paciência dos familiares.
A realidade é que os espíritos encarnam infinitas vezes, em seu caminhar para a perfeição.
Cada qual é herdeiro de si próprio.
Ao reencarnar, o espírito traz consigo o que adquiriu em suas precedentes existências.
Essa é a razão pela qual os homens mostram pendores bons ou maus, que neles parecem inatos.
Virtudes e vícios não são obras do acaso.
Eles constituem o resultado de opções feitas no passado.
Quem se esforçou para burilar o próprio intelecto, hoje possui avantajada inteligência.
Aquele que gastou tempo aprimorando a sensibilidade artística dispõe atualmente de facilidade no campo das artes.
Já a criatura que se permitiu malbaratar os tesouros da vida ressente-se de sua falta.
O ser que elegeu o vício no passado tem-no presente em seu íntimo.
Os maus pendores naturais são resquícios de imperfeições das quais o espírito ainda não se despojou. Eis o verdadeiro pecado original.
As leis humanas, embora ainda falíveis e injustas, repelem a idéia de penalizar um homem pelo que outro fez.
Como Deus é soberanamente justo e bom, é incoerente imaginar que ele responsabilize uns pelas faltas de outros.
Cada qual se debate com a herança que providenciou para si.
Luz ou sombra, facilidades ou dificuldades, o que hoje se vive é resultado do que se fez no pretérito.
Não adianta culpar ninguém pelas dificuldades atuais.
Em geral, a recordação das vidas passadas não é possível ou desejável. Mas as tendências atuais evidenciam os pontos carentes de correção, na economia da alma.
O ontem é passado e não pode ser modificado. Mas hoje estão sendo lançadas as bases do futuro.
Este é o momento de refletir maduramente sobre o amanhã que virá, e adotar medidas para que ele seja luminoso.
Ninguém fará o trabalho que lhe compete.
A nobreza de caráter, a inteligência, a pureza, nada disso pode ser improvisado.
Se você deseja ser pacífico e bondoso, precisa criar o hábito de ser assim.
Diariamente você é confrontado com situações que exigem um posicionamento.
Compete exclusivamente a você optar por ser digno ou indigno, corajoso ou covarde, generoso ou mesquinho.
Mas saiba que está diariamente lançando as sementes de seu futuro.

Pense nisso.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no capítulo I do livro O Espiritismo na sua expressão mais simples e outros opúsculos de Kardec, ed. FEB.

ENTRE FALAR E CALAR...


Certa vez, um homem tanto falou que seu vizinho era ladrão, que o vizinho
acabou sendo preso. Algum tempo depois, descobriram que o rapaz era inocente, ele foi solto, e, após muita humilhação resolveu processar seu vizinho (o caluniador).
No tribunal, o caluniador disse ao juiz:
- Comentários não causam tanto mal... e o juiz respondeu:
- Escreva os comentários que você fez sobre ele num papel, depois pique o papel e jogue os pedaços pelo caminho de casa e amanhã volte para ouvir a sentença!
O homem obedeceu e voltou no dia seguinte, quando o juiz disse:
- Antes da sentença, terá que catar os pedaços de papel que espalhou ontem!
- Não posso fazer isso, meritíssimo! - respondeu o homem - o vento deve tê-los espalhados por tudo quanto é lugar e já não sei onde estão!
Ao que o juiz respondeu:
- Da mesma maneira, um simples comentário que pode destruir a honra de um homem, espalha-se a ponto de não podermos consertar o mal causado; se não se pode falar bem de uma pessoa, é melhor que não se diga nada!
Sejamos senhores de nossa língua, para não sermos escravos de nossas palavras.
No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é, e outras que vão te odiar pelo mesmo motivo. Acostume-se...
Quem ama não vê defeitos... quem odeia não vê qualidades e, quem é amigo, vê as duas coisas!!!
Deus abençoe a todos.

Procuro autoria

INDIVIDUALIDADE...


Os membros de uma tribo primitiva da África, acreditam que cada pessoa que nasce traz consigo uma música individual e intransferível, como uma espécie de identidade sonora.

Assim, quando a mãe está grávida ela recebe, através da inspiração, a música da criança que irá nascer e começa a cantá-la para que o bebê se sinta querido e desejado.

Depois, a mãe ensina a música ao pai, que também passa a cantar cada vez que se aproxima do filho, demonstrando carinho e respeito por sua individualidade.

E, assim, cada membro da família que entra em contato com a criança aprende a sua música e passa a cantá-la, como forma de dar as boas-vindas e saudá-la.

Dessa forma, a criança aprende a sua música e passa a cantá-la pelo resto de sua vida.
E é assim que cada membro canta sua música individual, e todos sabem de cor a música de cada um.

Um costume singular e interessante.
As notas são as mesmas, mas os ritmos são diferentes.

Fazendo um paralelo da prática dessa tribo primitiva com os nossos costumes atuais, poderemos tirar dela vários ensinamentos.
O primeiro é que todos temos nossa individualidade, isso é incontestável.
A diferença é que nem sempre essa individualidade é considerada e, menos ainda, respeitada.
Geralmente nossas crianças nascem em meio a ruídos mentais de toda ordem. É a mãe querendo lhe impor sua própria música e o pai, a sua.
Chegam os demais familiares e fazem o mesmo.
Nem se espera que a criança demonstre sua individualidade e já é confundida em si mesma.

Isso se leva para a vida toda, quando nós, adultos, não conhecemos nossa individualidade a ponto de ter certeza de quem realmente somos, do que sentimos do que queremos ou não queremos.
Nossas músicas se confundem. Nem cantamos a nossa, nem ouvimos a música do outro. É um tumulto de sons confusos e inaudíveis.
As individualidades não são respeitadas e tenta-se fazer das pessoas uma massa confusa e disforme.
É importante pensar a respeito desse tema nos dias atuais.
É importante que cada ser seja respeitado, e sua música seja cantada por todos, em sinal de afeto e respeito.


Imagine se você pudesse cantar sua música pessoal e, onde quer que fosse, todos lhe saudassem com a sua melodia. Isso não seria fantástico?
Se assim fosse teríamos uma sociedade amável e respeitosa, fraterna e afetuosa, onde todos se sentiriam especiais e veriam os outros também como seres especiais.

Cada pessoa tem sua identidade própria e intransferível.
O Criador não se repete. Cada filho Seu é único.
Cada ser humano tem sua sinfonia e seu ritmo particular.
Ideal seria que cada um vivesse no seu ritmo e respeitasse o ritmo do outro.
E a diversidade dessas múltiplas melodias formam a harmonia perfeita, sob a batuta do Maestro universal, que chamamos Deus.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em exposição de Sandra Borba, por ocasião do VI ENCONTRO DE COORDENADORES DE JUVENTUDES ESPÍRITAS DO PARANÁ, em abril de 2003.

MANIA DE SER FELIZ...


Cada novidade deve ser saboreada como um fino manjar.
Cada alegria deve ser perpetuada com fotos, filmagens e imagens.

Cada sabor agradável, deve ser delicadamente digerido,
como se a vida fosse areia escorrendo pelos dedos de uma criança.
É tempo de cultivar a esperança.

Por que ficar parado na dor a espera de um consolador?
Por que não fazer a sua parte, distribuindo o amor?
Por que não sair da "toca" e ver se o sol raiou?
Por que não olhar para a noite e declamar uma poesia,
ainda que a rima não apareça, ainda que se esqueça,
deixar o coração falar sem barreiras,
porque no fundo no fundo, tudo é passageiro,
até o tempo de sofrer, que já não cabe mais.
Chega então, de tantos ais!

É tempo de aproveitar o tempo que lhe cabe,
ser feliz com o que já tem, e se mais vier, que mal tem?
O importante é ter sempre a certeza de que podemos muito,
que juntos somos imbatíveis, que separados somos fracos,
e isolados, não somos nada além da própria solidão,
que aflige a alma e fere o coração.

Reconheça-se como parte importante da vida e do tempo,
e se a lágrima insistir em cair, enxugue-a depressa,
há tanta vida lá fora, esperando a sua companhia.
Que você faça da alegria, uma adorável mania.
Mania de ser feliz!

Paulo Roberto Gaefke

sábado, 2 de outubro de 2010

AUTOR DA VIDA...


Vai, deixa de tristeza e deixa o sonho te levantar.
Acredite que é possível ainda hoje uma virada,
Acredite que tudo foi apenas um engano.
Mantenha a rota do seu barco da vida,
Não desista novamente,
As pedras são apenas restos que a chuva trouxe...
Amar, viver, sonhar, acreditar, lutar e até chorar,
São fases que compõem o grande quadro chamado vida.
Onde a tela é a sua história,
As tintas são as pessoas que passam por ela,
Mas, o pintor O responsável pela obra é sempre você.
Haja o que houver, aconteça o que acontecer,
O pincel que mistura as cores,
Que dá forma ao que vai surgir na tela,
Que cria e apaga situações e imagens
Ainda está na sua mão.
É você quem pode criar agora, uma estrada florida ou o caminho escuro das incertezas e dúvidas.
Já que você é o autor, o pintor dessa tela chamada vida, comece pintando um sorriso, que é o sinal que representa a esperança, a renovação, símbolo dos que não desistem nunca de ser feliz,
E ser feliz exige criatividade, esforço e dedicação.
Se tudo deu errado até aqui, passe tinta branca em toda a tela e recomece.
Hoje é o dia perfeito para uma nova pintura...
“A vida é uma tela com pequenos rabiscos, onde criamos o céu ou o inferno, de acordo com as tintas que usamos.”

Paulo Roberto Gaefke
Ocorreu um erro neste gadget