Páginas

quarta-feira, 31 de março de 2010

TRÊS PARTES...


Vamos juntar 3 partes importantes da sua vida:
O passado, que te trouxe até aqui o presente, que te mantem aqui, e o futuro, que as vezes te arrasta daqui.

O passado, que pode ser a fonte de alguma dor agora, é a base fundamental do seu presente, mas não é essencial.
Essencial é o dia de hoje, que agora chamamos de presente, e que na virada do dia, será passado.
Por isso, não se perca em filosofias complicadas, em estudos complexos dos nervos e dos sentimentos, viva o simples.
Raciocine: dá para refazer os passos de ontem?
Então, se descobrir que não dá, e realmente não dá, comece a caminhar na nova estrada que se abre, com uma vantagem: você pode evitar os caminhos que um dia entrou e viu que não levava a nada.
Agora você já tem uma certa experiência, então, viva a possibilidade de errar menos.
Sim, vamos errar ainda, vamos dar "cabeçadas", mas, vamos acertar muito também, e quem sabe, num desses acertos, vem o amor da sua vida, a conquista do emprego tão sonhado, um novo prazer, um hobby, uma descoberta em você.

O passado é uma viagem já realizada.
O presente uma escolha de bilhetes; e o futuro, o embarque ao destino escolhido.
Escolha bem o seu roteiro e seja feliz!

Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 30 de março de 2010

AO MEU FILHO...


Hoje eu abri um livro. Não sei exatamente porque, dentre tantos de minha biblioteca, escolhi aquele.
Quando o abri, na primeira página, havia um desenho e o seu nome.
Recordei-me do dia em que comprei a obra. Era um lançamento, e muito caro.
A capa encadernada, folhas de papel de primeiríssima qualidade, um autor famoso. Coloquei-o sobre a mesa da biblioteca, para ler um pouco mais tarde.
Lembro-me que, quando descobri que você escrevera ali o seu nome, o chamei. Eu estava muito zangado. O livro era meu e você escrevera seu nome nele e fizera um desenho.
Chamei-o para lhe dar uma grande bronca. Você veio sorrindo e, antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, vendo que eu segurava o livro em minhas mãos, me disse: "e daí, papai, gostou do coração que eu desenhei no seu livro? É o meu coração, papai... Para você.
E também coloquei meu autógrafo. Como os artistas fazem. Gostou, papai?"
Você pulou no meu pescoço, beijando-me.
Pois é, naquele dia não houve bronca. Como poderia? Eu estava preocupado com um livro que comprara e era precioso.
Mas o meu bem mais precioso, você, tinha colocado nele a sua marca. Não por maldade, ou por desejar estragá-la, mas para me dar um presente.
Hoje, tantos anos passados, quando você já constituiu sua família e está distante, ao abrir o livro, tudo aquilo brotou dos arquivos da memória.
Passei os dedos sobre aquelas garatujas que pretendiam ser um desenho do seu coração e seu nome. Você mal havia aprendido a escrever seu nome, em letras grandes.
Você está longe, há tempos não nos falamos. A vida é tão estranha.
Quantas vezes lhe disse para ficar quieto porque eu desejava ter um pouco de silêncio?
Sabe, meu filho, daria tudo que tenho para ouvir sua voz, hoje, em minha velhice, aqui, na sala em que me encontro.
Ter o seu abraço, outra vez. Não sei quando tornaremos a nos ver. Seu trabalho o mantém muito distante de mim.
Mas, saiba filho, foi muito bom encontrar seu nome e seu coração grafados em meu livro.
Fez-me muito bem à alma relembrar tudo isso. E fico feliz em não lhe ter dado a bronca, naquele dia.
Você me deu um grande presente. Deu o que você tinha de melhor: o seu afeto grafado.
Sinceramente desejo que seus filhos façam o mesmo com você. Porque chegará sempre o dia em que, distantes, você ansiará por vê-los, por tê-los a seu lado.
Sinceramente espero que encontre escritos, bilhetes, desenhos em cada folha de seus livros, na capa de um CD.
Obrigado, meu filho!

A disciplina e a ordem, o respeito aos bens alheios, com certeza são valores que os pais prezam passar aos seus filhos.
Ninguém pense que se deva deixar os filhos fazerem o que querem, com os seus e os pertences de outrem.
No entanto, há que se ter sensibilidade para estabelecer a linha divisória entre mal-criação e um ato de amor.
Entre maldade e expressão do mais puro afeto de um filho por seu pai.
Aprenda a valorizar as pequenas grandes coisas que se expressam em um gesto espontâneo, em um abraço inesperado, um beijo que parece fora de contexto.
Jamais rejeite tais manifestações. Ao contrário, retribua, enquanto pode, enquanto seus filhos estão sob sua guarda, enquanto estão sob seu teto.
Dia chegará em que a vida os levará para longe, como flechas disparadas por hábil arqueiro, para as conquistas que lhes cabem.
E, então, você terá todas essas delicadas lembranças para alimentar os dias da sua saudade...
Pense nisso!

Equipe de Redação do Momento Espírita.

DIA DE SER MAIS FELIZ...


Um dia maravilhoso!
Faça chuva ou faça sol, é o seu dia, por decreto natural de Deus, é o dia de viver a plenitude,
de mudar um gesto, uma atitude.

Decidir-se pela felicidade, e de tão feliz, repartir:
- a certeza que contagia,
- a paz que confraterniza,
- a esperança que é força que energiza,
- e o amor, que deve ser muito, o que não se economiza.

Vai! deixa de lado essa angústia, experimenta o sorriso largo que anuncia, que o novo tempo se faz presente, que você está feliz, e de tão contente, não se reprime, não se compara, é inteligente.
Faz do limão uma limonada, do tombo, uma vídeocassetada, e com gosto deixar vir a gargalhada.

Faça da experiência amarga, uma oportunidade, e diga para o mundo: eu me levantei, eu estou aqui, recomecei.

É hoje sim!
O dia de dar a volta por todos os lados, deixar o pranto encostado, ser simples e estar preparado,
para viver o que a vida lhe reservou.
E com essa disposição, completamente renovado, abrir a caixa de sonhos para realizar, ser livre para seguir, sorrir e amar.

Hoje é o seu dia, não o desperdice, com o que dizem ou com crendices.
Tenha bom ânimo e acredite:
- sem Deus, até o pouco lhe rouba a paz,
- com Deus, você sempre pode, um pouco mais!

Paulo Roberto Gaefke

sábado, 27 de março de 2010

A BORBOLETA E O CAVALINHO...


Esta é a história de duas criaturas de Deus que viviam numa floresta distante há muitos anos atrás. Eram elas, um cavalinho e uma borboleta.
Na verdade, não tinham praticamente nada em comum, mas em certo momento de suas vidas se aproximaram e criaram um elo. A borboleta era livre, voava por todos os cantos da floresta enfeitando uma paisagem. Já o cavalinho, tinha grandes limitações, não era bicho solto que pudesse viver entregue à natureza.
Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta ea partir daí sua liberdade foi cerceada. A borboleta, no entanto, embora tivesse a amizade de muitos outros animais ea liberdade de voar por toda a floresta, gostava de fazer companhia ao cavalinho, agradava-lhe ficar ao seu lado e não era por pena, era por companheirismo, Afeição, dedicação e carinho. Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá chegando Levava sempre um coice, depois então um sorriso. Entre um e outro ela optava por esquecer o coice e guardar dentro do seu coração o sorriso.
Sempre o cavalinho insistia com a borboleta que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto por causa do seu enorme peso. Ela, muito carinhosamente, TENTAVA de todas as formas ajuda-lo, mas isso nem sempre era Possível por ser ela uma criaturinha tão frágil.
Os anos se passaram e numa manhã de verão a borboleta não apareceu para visitar o seu companheiro. Ele nem percebeu, preocupado que ainda estava em se Livrar do cabresto. E vieram outras manhãs e mais outras e Milhares de outras, até que chegou o inverno eo cavalinho sentiu-se só e finalmente percebeu uma borboleta da ausência. Resolveu então sair do seu canto e procurar por ela. Caminhou por toda a floresta a observar cada cantinho onde ela poderia ter se escondido e não a encontrou. Cansado se deitou embaixo de uma árvore. Logo em seguida um elefante se aproximou e lhe perguntou quem era ele eo que fazia por ali.
- Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a procura de uma borboleta que sumiu.
- Ah, é você então o famoso cavalinho?
- Eu Famoso?
- É que eu tive uma grande amiga que me disse que também era sua amiga e falava muito bem de você. Mas afinal, qual borboleta que você está procurando?
- É uma borboleta colorida alegre, que sobrevoa a floresta todos os dias visitando todos os animais amigos.
- Nossa, mas era justamente dela que eu estava falando. Não ficou sabendo? Ela morreu e já faz muito tempo.
- Morreu? Como foi isso?
- Dizem que ela conhecia, aqui na floresta, um cavalinho, assim como você e todos os dias quando ela ia visitá-lo, ele dava-lhe um coice. Ela sempre voltava com marcas horríveis e todos perguntavam a quem ela havia feito aquilo, mas ela jamais contou a ninguém. Insistíamos muito para saber quem era o autor daquela malvadeza e ela respondia que só ia falar das visitas boas que tinha feito naquela manhã e era aí que ela falava com uma maior alegria de você.
Nesse momento o cavalinho já estava derramando muitas lágrimas de tristeza e de arrependimento.
- Não chore meu amigo, sei o quanto você DEVE estar sofrendo. Ela sempre me disse que você era um grande amigo, mas entenda, foram tantos os coices que ela recebeu desse outro cavalinho, que ela acabou perdendo as asinhas, depois ficou muito doente, triste e sucumbiu e morreu.
- E ela não mandou me chamar nos seus últimos dias?
- Não, todos os animais da floresta quiseram lhe avisar, mas ela disse o seguinte:
"Não perturbem meu amigo com coisas pequenas, ele tem um grande problema que eu nunca pude ajudá-lo um resolvedor. Carrega no seu dorso um cabresto, então será cansativo demais pra ele vir até aqui."

Desconheço a autoria

Moral da História:
Você pode até aceitar os coices que lhe derem quando vierem acompanhados de beijos, mas em algum momento da sua vida, as feridas que eles vão lhe causar não serão mais possíveis de serem cicatrizadas.
Quanto ao cabresto que você tiver que carregar durante a sua existência, não culpe ninguém por isso, afinal muitas vezes, foi você mesmo que o colocou o seu dorso, ou permitiu que fosse colocado.

sexta-feira, 26 de março de 2010

O VALIOSO TEMPO DOS MADUROS...


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.
'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

Mário de Andrade

quinta-feira, 25 de março de 2010

QUANDO OS SONHOS FALAM...


Quando a noite esfriar seu coração, ea solidão morada fazer querer, não se deixe levar pelo silêncio da madrugada, pingos, dorme com sonhos coloridos, sonhe com os amigos e lugares lindos, pois o sonho é uma chama que liberta, é o desejo da alma que desperta.

Quando uma pessoa desiludir seu coração, o rancor eo fixar se, cheio de ilusão.
Não se deixe levar pela dor, que é fruto do orgulho, é prisão, pois o tempo passa, é feito um grilhão.
Antes, perdoa e segue seu caminho, pois o amor é pássaro que faz ninho, somente onde habita a ternura eo carinho.
E em você pede abrigo.

Quando Você Decidir se, resolver seguir, o único caminho do amor, entregue-se!
O amor é pura benevolência, paz e que se instala, é outra visão, são os olhos que enxergam, mas quem guia, é o coração.

Siga viagem nessa estrada florida, o amor tudo embeleza, tudo corrige, liberta tudo e pouco exige.
O Respeita amor, e pede só, que você o aceite, e dele se torne cúmplice, assim, de mãos dadas, eu e você, o amor ea eternidade, juntos no mesmo caminho, rumo a felicidade.

Paulo Roberto Gaefke

quarta-feira, 24 de março de 2010

IMPRESSÕES NEGATIVAS...


Hoje em dia, grande parte dos pais se preocupa em conduzir seus filhos a um templo religioso, em virtude da situação conflitante por que passa a nossa sociedade.
Todavia, esses mesmos pais têm encontrado grande resistência por parte dos filhos, principalmente dos jovens e adolescentes.
Isso nos recorda uma experiência vivida por um casal de amigos.
Eles tinham um filho de 14 anos que não se interessava em freqüentar as reuniões religiosas junto com os pais, apesar de todos os esforços desses por persuadi-lo.
Todas as vezes que os pais lhe falavam sobre a necessidade de se buscar a ajuda de Deus para enfrentar, com fé e confiança, as agruras da vida, o filho se mantinha calado, dedilhando sua guitarra, da qual poucas vezes se separava.
Um dia, já cansados de tentar convencê-lo, sem lograr êxito, os pais foram um pouco mais veementes.
Aproximaram-se do rapaz e começaram a lhe falar da importância de ele os acompanhar ao templo religioso.
O garoto, que até então estava calado, segurou as cordas da guitarra com uma das mãos, fitou-os nos olhos, e disse:
Meus queridos pais: há quanto tempo vocês professam essa religião?
O pai, imediatamente, respondeu que já fazia 20 anos, e a mãe disse que a professava desde o berço.
O jovem abaixou a cabeça e continuou a acariciar sua guitarra.
Mas os pais, inquietos, questionaram com impaciência:
Filho, você está surdo? Por que não fala direito com os seus pais? Diga-nos, por favor, os seus motivos.
O rapaz levantou a cabeça novamente, olhou-os com um certo ar de tristeza e falou:
Eu não queria magoá-los, mas, se vocês insistem...
Vocês acabaram de me dizer os anos que cada um freqüenta o templo religioso e eu, que na verdade já sabia disso, peço que me digam, com toda sinceridade:
Prá que serve a religião, se vocês vivem brigando dentro de casa?
De que adianta buscar um Deus que não consegue fazer com que vocês se entendam e se perdoem, ao invés de viverem aos gritos um com o outro?
Respondam, com sinceridade, de que vale uma religião se, de vez em quando eu vejo o pai dormindo no sofá e a mãe se debulhando em lágrimas, lá no quarto?
Será que vocês me acham tão infantil a ponto de me convencer que a sua religião é boa para mim, quando não consegue fazer vocês felizes?
Não! Eu realmente não perderei tempo com essas coisas que não são eficientes nem para vocês mesmos.
A história desses amigos vale como motivo de sérias reflexões para todos nós.
Esquecidos de que nossos filhos são portadores de inteligência e bom senso, queremos que acreditem no que falamos e não no que eles observam no cotidiano, portas adentro do lar.
É importante que aprendamos a ensinar pelo exemplo e não tentar convencer com teorias vazias.
Geralmente os responsáveis pelo distanciamento dos jovens do Criador, são os pais, com sua falta de fé ou hipocrisia.

As religiões trazem, em seus postulados, as diretrizes que conduzem a Deus, mas os religiosos, ou os que se dizem tais, é que não as entendem ou as desvirtuam.
Assim sendo, se quisermos, sinceramente, aproximar nossos jovens de Deus, aproximemo-nos Dele primeiro.
Pensemos nisso!


Redação do Momento Espírita, com história adaptada do cap. Necessidade de exemplo do livro Crepúsculo de um coração, de Jerônimo Mendonça.

CONQUISTAS...


Em seu livro "O coração de um campeão", Bob Richards, detentor de algumas medalhas olímpicas, fala da importância de se acreditar nos sonhos e lutar por eles.
E, para ilustrar, narra um episódio acontecido com o famoso atleta Charley Paddock.
Certo dia, Paddock fazia uma palestra num ginásio de Cleveland, e a certa altura disse: "quem sabe, talvez, haja aqui alguém que um dia vá ganhar provas numa olimpíada."
Encerrada a assembléia dos alunos, aproximou-se dele um jovem negro, magricela, de pernas finas, que estivera sentado ao fundo do salão, e lhe disse timidamente: "eu daria tudo para ganhar uma corrida importante algum dia."
Paddock olhou para ele e respondeu calorosamente: "e você pode, meu filho. Basta que faça disso sua meta de vida e dê tudo de si para alcançá-la."
E em 1936, aquele jovem, cujo nome era Jessie Owens, ganhou várias medalhas de ouro nas olimpíadas de Berlim, e quebrou diversos recordes.
Adolf Hitler, ao saber de seu maravilhoso desempenho, ficou furioso, pois a realização do sonho daquele jovem, representou um duro golpe para o louco sonho do ditador, de criar uma raça ariana superior.
Quando Jessie Owens voltou para os Estados Unidos teve uma recepção festiva nas ruas. Naquele dia, outro rapazinho negro, de pernas finas, conseguiu comprimir-se entre a multidão, chegou perto dele e disse: "eu gostaria muito de correr numa olimpíada quando crescer!"
Jessie lembrou-se do que lhe acontecera, apertou a mão do garoto e respondeu: "sonhe alto, meu filho. E dê tudo de si para chegar lá."
Em 1948, era o rapazinho, Harrison Dillard que ganhava medalhas de ouro nos jogos olímpicos daquele ano.
Por sua vez, um estudante, entusiasmado com tudo isso, estava treinando o salto em altura, preparando-se para um campeonato estadual. Após cada salto, seu técnico elevava um pouco mais o sarrafo.
Afinal ele colocou na altura do recorde da prova. O rapaz protestou: "ah, não. Como é que vou saltar essa altura?" Ao que o treinador replicou: "atire o coração por cima do sarrafo e seu corpo irá junto."

Todos os que lutam, reconhecem que os sonhos têm força propulsora. Por isso, restaure os sonhos que se frustraram, realize os que ainda não foram realizados e reformule os sonhos com defeito.
Sobretudo, não esqueça que se você tem capacidade para conquistar os seus sonhos, também tem a força de vontade necessária para reformular o seu caráter.
Pense nisso, e aja ainda hoje, enquanto é tempo!
Invista em você mesmo!


Equipe de Redação do Momento Espírita.

O QUE VAI EM VOCÊ?


O que fala o seu coração?
Estou feliz e preenchido, ou vazio e carente, todo mexido?

O que reflete o seu rosto?
Alegria e contentamento, ou preocupação e tormento?

O que sai da sua boca, palavras doces que aproximam, ou reclamações que não terminam, que afastam até os que te admiram?

Vigie-se!
As vezes entramos em uma rotina de lamentações, começamos acreditar em azar e assombrações, sendo que o que nos leva para baixo, são sempre os nossos pés, os nossos pensamentos, uma mistura de desgosto com ressentimentos.

Se o momento é bom, curta, aproveite ao máximo.
Distribua sorrisos e faça o bem sem olhar a quem.
Mas, se o momento é ruim, levante a cabeça, enxugue ás lágrimas e olhe para o céu.
Se está azul, é sinal de confiança, se está cinza e chuvoso, sinal de esperança.
Lembre-se: precisamos do sol para aquecer, e da chuva para germinar e florir.
Tudo feito para você se alegrar e sorrir.
Acreditar que tudo é possível, e assim, vencer.
Acreditar em tudo, sobretudo em você.
Você vai vencer!

Paulo Roberto Gaefke

sexta-feira, 19 de março de 2010

Uma mensagem do Conselho dos 12, canalizado por Selácia - 24 de Maio de 2009 - Em um número de círculos metafísicos, há a idéia de que o futuro da humanidade está predestinado. De acordo com esta perspectiva, a raça humana e o planeta estão seguros de ascender à consciência mais elevada de um modo predeterminado. O processo da criação, entretanto, não é de predeterminação. O futuro da Humanidade não está traçado rigidamente. Assim, o que está acontecendo? Os Humanos estão evoluindo e mudando a um ritmo sem precedentes. As pessoas em cada canto do planeta estão sofrendo um impacto. Outras formas de vida, e até a própria Terra, estão no processo de reconstrução massiva. Um salto dramático na consciência mais elevada está em andamento. Estruturas obsoletas de sociedades estão entrando em colapso, algumas vezes rapidamente e outras vezes em uma extensão de anos ou décadas. As instituições e sistemas mais impactados e controlados pela ganância e negócios de poder são freqüentemente os locais mais resistentes ao novo, às abordagens mais eruditas.

As pessoas com o poder querem manter o poder.
Nunca antes na Terra houve tantas mudanças tão rápidas. Os jovens que nascem hoje precisarão se tornar hábeis em adaptarem-se à mudança, não somente os tipos de mudança típica em uma existência, mas outras inúmeras mudanças em circunstâncias que os seus antepassados não encararam. Porque tudo é tão novo, as gerações anteriores não criaram um roteiro para como navegar nestes tempos tumultuosos.

Se vocês estão lendo estas palavras, vocês escolheram participar deste grande experimento da humanidade – ajudar a criar um início inteiramente novo para a Terra. No âmago do seu ser, vocês se lembram da importância desta existência, não somente para vocês pessoalmente, mas para todos os seres sensíveis no planeta. Vocês também se recordam das conexões vitais entre o que acontece na Terra e o que então ocorre através de todos os universos interligados. Vocês sabem da urgência da situação. Vocês compreendem os interesses envolvidos.

Antes de encarnarem neste tempo, vocês tomaram uma decisão de serem um dos Transformadores Divinos durante os anos fundamentais da Terra. Vocês concordaram sem hesitação – os bravos guerreiros espirituais que vocês são – compreendendo o grande potencial e os muitos benefícios, incluindo aqueles para vocês, pessoalmente, em sua jornada evolutiva.

Quando vocês nasceram em sua atual encarnação, vocês provavelmente não se lembraram de algumas decisões sobre unir outros companheiros em uma dança extraordinária de re-conexão humana. Muito provavelmente, na chegada, vocês se esqueceram rapidamente quem vocês eram e por que vieram. Sua lembrança do eu como um ser espiritual, também, foi bem provavelmente coberta com uma densa camada de pó. Vocês poderiam até ter se sentido que vieram ao lugar errado, para a "família" errada ou que estavam no "tempo" errado.

O Que Vocês Querem Agora

Agora, nesta conjuntura, vocês querem se sentir em casa em seu planeta, e em sua própria pele. Vocês querem se sentir capacitados para criar as mudanças que vocês sabem que precisam ocorrer. Vocês querem se sentir como se a sua vida tivesse um significado. Vocês querem se sentir confiantes em sua habilidade de se conectar com a verdade do que está realmente acontecendo em seu mundo.
Uma parte do seu desafio é que ninguém os preparou para o que vocês se defrontariam. Vocês não receberam um mapa, ou mesmo um manual, com avaliações dos melhores e piores lugares. Vocês têm que imaginá-lo, passo a passo, momento a momento. Seus companheiros para a jornada, alguns dos quais vocês provavelmente não encontraram ainda, não têm um manual também. É da responsabilidade de cada um de vocês separar as verdades das inverdades, e aprender a discernir os significados de sua realidade.

Muito freqüentemente, como vocês aprenderam, as coisas não são como parecem. Há muito acontecendo atrás das cenas. Vocês ouvem algo sobre isto através dos canais da mídia cuidadosamente manipulados. Por exemplo, vocês ouvem sobre decisões sobre preços, feitas atrás de portas fechadas, que afetam a economia global, assim como os seus próprios recursos financeiros.

Aprendendo a Questionar

Vocês estão aprendendo a questionar. Esta é uma habilidade natural, naturalmente, entretanto, é freqüentemente subdesenvolvida e até desencorajada na cultura moderna. A fim de mudar para o seu divino poder nesta vida, vocês devem desenvolver a sua habilidade para questionar e colocá-la em uso regular em situações diárias.

Será útil começar a questionar as suas próprias questões, também.

Por exemplo, alguns dos seguintes tipos de perguntas são orientados para o futuro e tenderão a mantê-los se sentindo envergonhados:
-Eu serei ou terei (uma coisa ou qualidade específica, como a felicidade) em algum tempo futuro?

-Quando eu terei (uma qualidade ou coisa específica, como a prosperidade)?

-E se eu tiver (uma doença como o câncer) ou me tornar (incapaz de fazer algo)?

-O que acontecerá se eu perder (minha casa, meu companheiro, meu emprego)?

-Quanto tempo isto durará (situação, dor, condição, problema)?

-Quando o mundo se tornará (são, seguro, tranqüilo)?

Mais do que questionar neste modo orientado para o futuro, considerem fazer perguntas que os capacitem no presente a mudar a sua situação, ou pelo menos, alterar a sua visão do que está ocorrendo.

Para mudar a sua experiência do futuro, vocês devem mudar a sua experiência do presente. Enquanto vocês continuam a jornada da redescoberta de sua natureza Divina, nós os envolvemos com o nosso amor e bênçãos.

Nós somos O Conselho dos 12.

Direitos Autorais 2008 por Selacia, Canalizado para o Conselho dos 12 *Todos os Direitos Reservados*
Tradução: Regina Drumond reginamadrumond@yahoo.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Fonte Original em Português: http://www.novasenergias.net/selacia/alookatfuture07.html

TALVEZ...


Talvez eu venha a envelhecer rápido demais. Mas lutarei para que cada dia tenha valido a pena.

Talvez eu sofra inúmeras desilusões no decorrer da minha vida. Mas farei com que elas percam a importância diante dos gestos de amor que encontrei.

Talvez eu não tenha forças para realizar todos os meus ideais. Mas jamais irei me considerar um derrotado.

Talvez em algum instante eu sofra uma terrível queda. Mas não ficarei por muito tempo olhando para o chão.

Talvez um dia eu sofra alguma injustiça. Mas jamais irei assumir o papel de vítima.

Talvez eu tenha que enfrentar alguns inimigos. Mas terei humildade para aceitar as mãos que se estenderem em minha direção.

Talvez numa dessas noites frias, eu derrame muitas lágrimas. Mas não terei vergonha por este gesto.

Talvez eu seja enganado inúmeras vezes. Mas não deixarei de acreditar que em algum lugar alguém mereça a minha confiança.

Talvez no decorrer dos anos eu perca grandes amizades. Mas irei aprender que aqueles que realmente são meus verdadeiros amigos nunca estarão perdidos.

Talvez algumas pessoas queiram o meu mal. Mas irei continuar plantando a semente da fraternidade por onde passar.

Talvez eu fique triste ao concluir que não consigo seguir o ritimo da música. Mas então, farei com que a música siga o compasso dos meus passos.

Talvez eu nunca consiga enxergar um arco-íris. Mas aprenderei a desenhar um, nem que seja dentro do meu coração.

Talvez hoje eu me sinta fraco. Mas amanhã irei recomeçar, nem que seja de uma maneira diferente.

Talvez eu não aprenda todas as lições necessárias. Mas terei a consciência de que os verdadeiros ensinamentos já estão gravados em minha alma.

Talvez eu me deprima por não ser capaz de saber a letra daquela música. Mas ficarei feliz com as outras capacidades que possuo.

Talvez eu não tenha motivos para grandes comemorações. Mas não deixarei de me alegrar com as pequenas conquistas.

Talvez a vontade de abandonar tudo torne-se minha companheira. Mas ao invés de fugir, irei correr atrás do que almejo.

Talvez eu não seja exatamente o que eu gostaria de ser. Mas passarei a admirar quem sou. Porque no final saberei que mesmo com incontáveis dúvidas eu sou capaz de construir uma vida melhor.

E se ainda assim não me convencer disso, é porque como diz aquele ditado
"AINDA NÃO CHEGOU O FIM"

Porque no final não haverá nenhum "TALVEZ" e sim a certeza de que minha vida valeu a pena e eu fiz o melhor que podia.

Aristóteles Onassis

QUADRINHA DA FÉ...


Se te feriram, é tempo de cicatrizar.
Se te magoaram, é tempo de perdoar.
Se te humilharam, é tempo de crescer.
Se te derrubaram, é tempo de se reerguer.
Se te roubaram, é tempo de juntar.
Se te abandonaram, é tempo de se encontrar.
Se te entregaram aos leões, é tempo de enfrentar.
Se te pisotearam, é tempo de se cuidar.
Se te zombaram, é tempo de mostrar sua capacidade.
Se te perturbaram, é tempo de paciência.
Se tudo parece vazio, sem sentido, usar a inteligência.

Se a vida te levou algo precioso, é tempo de se revestir da couraça da "fé e do amor".
Um complementa o outro.
Quando a luz da fé fraquejar, e os ventos dos problemas quiserem apagá-la, o amor é a chama que virá acendê-lá em meio a noite escura, que faz tudo ser possível, é o que perdura, é o que nos move, o que faz a diferença, pois o amor é real, não é uma crença.

O amor, e só o amor, pode trazer pelas mãos, o perdão, o resgate, a cura, a libertação, renovando a fé, que não é só emoção, é Deus que não enxergamos em ação.
porque está aqui, habitando o seu coração.
Acredite: é tempo de renovação, de um novo sentido para a sua vida, de saber que tudo é possível ao que crê, pois Deus te assiste, Ele tudo vê.
Enxerga e ampara quem não desiste de lutar, quem insiste em ser feliz sem deixar de amar.
Nunca pare de lutar!

Paulo Roberto Gaefke

quinta-feira, 18 de março de 2010

O GRANDE ANEL DO AMOR...


Conta a lenda, que o amor é um anel mágico, que tem poderes únicos de transformar as pessoas.
Inúmeros magos, alquimistas e gênios de todas as áreas, tentaram inutilmente dominar essa força.
Quem tentou fugir do amor, ficou preso, quem tentou negá-lo, acabou confessando uma paixão, e quem se fingiu de morto, percebeu "brotos" no coração.

O amor é um anel mágico mesmo.
Ele é capaz de derrubar barreiras sociais, remover distâncias descomunais, promover encontros impensados, e reunir em um mesmo teto, seres tão diferentes, que mal conhecem a língua um do outro, mas entendem o que fala o coração, o amor é um anel mágico que traduz tudo, não precisa enxergar, pode até ser mudo.

A grande tarefa do amor, ainda não se cumpriu, mas como ele foi gerado pela Paciência e pelo Tempo, ele sabe que um dia, sua missão se encerrará, pois todo ser vivente perceberá, que o amor é mais do que um sentimento, é a vida em pleno movimento, é ensino constante, de lições preciosas,
que mostram que todos podem ser melhores, quando abrem os olhos do coração, e descobrem que cada indivíduo, é seu irmão.

Assim, no grande círculo, que é a vida, descobrimos que no centro de tudo, há um governante supremo, "Pai do Amor", e de todos os filhos seus, no centro do anel, encontramos Deus.

Paulo Roberto Gaefke

domingo, 14 de março de 2010

MORRER EM VIDA É FATAL...


Nunca esqueci de uma senhora que, ao responder por quanto tempo pretendia trabalhar, respondeu com toda a convicção: “Até os 100 anos”. O repórter, provocador, insistiu: “E depois?”. “Ué, depois vou aproveitar a vida”.
É de se comemorar que as pessoas aparentem ter menos idade do que realmente têm e que mantenham a vitalidade e o bom humor intactos – os dois grandes elixires da juventude.
No entanto, cedo ou tarde (cada vez mais tarde, aleluia), envelheceremos todos.
Não escondo que isso me amedronta um pouco.
Ainda não cheguei perto da terceira idade, mas chegarei, e às vezes me angustio por antecipação com a dor inevitável de um dia ter que contrapor meu eu de dentro com meu eu de fora.
Rugas, tudo bem. Velhice não é isso, conheço gente enrugada que está saindo da faculdade.
A velhice tem armadilhas bem mais elaboradas do que vincos em torno dos olhos.
Ela pressupõe uma desaceleração gradativa: descer escadas de forma mais cautelosa, ser traída pela memória com mais regularidade, ter o corpo mais flácido, menos frescor nos gestos, os órgãos internos não respondendo com tanta presteza, o fôlego faltando por causa de uma ladeira à toa, ainda que isso nem sempre se cumpra: há muitos homens e mulheres que além de um ótimo aspecto, mantêm uma saúde de pugilista. A comparação com os pugilistas não é de todo absurda: é de briga mesmo que estamos falando. A briga contra o olhar do outro.
Muitos se queixam da pior das invisibilidades: “Não me olham mais com desejo”. Ouvi uma mulher belíssima dizer isso num programa de tevê, e eu pensei: não pode ser por causa da embalagem, que é tão charmosa. Deve estar lhe faltando ousadia, agilidade de pensamento, a mesma gana de viver que tinha aos 30 ou 40.
Ela deve estar se boicotando de alguma forma, porque só cuidar da embalagem não adianta, o produto interno é que precisa seguir na validade.
Quem viu o filme Fatal deve lembrar do professor sessentão, vivido por Ben Kingsley, que se apaixona por uma linda e jovem aluna (Penélope Cruz) e passa a ter com ela um envolvimento que lhe serve como tubo de oxigênio e ao mesmo tempo o faz confrontar-se com a própria finitude.
No livro que deu origem ao filme (O Animal Agonizante, de Philip Roth), há uma frase que resume essa comovente ansiedade de vida: “Nada se aquieta, por mais que a gente envelheça”.
Essa é a ardileza da passagem do tempo: ela não te sossega por dentro da mesma forma que te desgasta por fora. O corpo decai com mais ligeireza que o espírito, que, ao contrário, costuma rejuvenescer quando a maturidade se estabelece.
Como compensar as perdas inevitáveis que a idade traz? Usando a cabeça: em vez de lutarmos para não envelhecer, devemos lutar para não emburrecer. Seguir trabalhando, viajando, lendo, se relacionando, se interessando e se renovando. Porque se emburrecermos, aí sim, não restará mais nada.

Martha Medeiros
Postado ZERO HORA online - 02/05/2009

PERGUNTAS...


Quantas vezes você andava na rua e sentiu um perfume e lembrou de alguém que gosta muito?
Quantas vezes você olhou para uma paisagem em uma foto, e não se imaginou lá com alguém...
Quantas vezes você estava do lado de alguém, e sua cabeça não estava ali?
Alguma vez você já se arrependeu de algo que falou dois segundos depois de ter falado?
Você deve ter visto que aquele filme, que vocês dois viram juntos no cinema, vai passar na TV...
E você gelou porque o bom daquele momento já passou...
E aquela música que você não gosta de ouvir porque lembra algo ou alguém que você quer esquecer mas não consegue?
Não teve aquele dia em que tudo deu errado, mas que no finzinho aconteceu algo maravilhoso?
E aquele dia em que tudo deu certo, exceto pelo final que estragou tudo?
Você já chorou por que lembrou de alguém que amava e não pôde dizer isso para essa pessoa?
Você já reencontrou um grande amor do passado e viu que ele mudou?
Para essas perguntas existem muitas respostas...
Mas o importante sobre elas não é a resposta em si...
Mas sim o sentimento...
Todos nós amamos, erramos ou julgamos mal...
Todos nós já fizemos uma coisa quando o coração mandava fazer outra...
Então, qual a moral disso tudo?
Nem tudo sai como planejamos portanto, uma coisa é certa...
Não continue pensando em suas fraquezas e erros, faça tudo que puder para ser feliz hoje!
Não deite com mágoas no coração.
Não durma sem ao menos fazer uma pessoa feliz!
E comece com você mesmo!!!

Martha Medeiros

quinta-feira, 11 de março de 2010

PARADOXO DO NOSSO TEMPO...


"Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente.
Nós bebemos demais, gastamos sem critérios.
Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais, perdemos tempo demais em relações virtuais, e raramente estamos com quem amamos.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho.
Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio..

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.
Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca,
mas nos comunicamos cada vez menos.

Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.
Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos
e das pílulas 'mágicas'.
Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro.
Por isso, valorize sua familia, seus amores, seus amigos, a pessoa que te ama, e, aquelas que estão
sempre ao seu lado."

George Carlin

DAS AFLIÇÕES...


Há dores que não encontram sinônimos.
Não existem palavras que possam amenizá-las.
Há situações em que o silêncio é a única opção, é pausa para uma reflexão, ainda que muda, tardia,
é noite que não termina, é ausência do dia.

Inútil o pranto, inútil o canto, apenas um olhar de espanto...

Que do dia se faça música, pois a noite vem, e enquanto pode, embala o filho querido, ame o seu pai, ainda que incompreendido, a sua mãe, ainda que cheia de falhas, o irmão que se deu como rebelde, ainda que cheio de dificuldades, com dissabor, pois tudo é ausência do amor.

Se ainda não encontrou aquela pessoa especial, segue amando a todos sem distinção, não se entregue a futilidade da lamentação, antes, alimente a alma, enriqueça o coração, seja o que pode levar uma palavra de consolo, o que atende, o que espera, o que aguarda.
O que ainda que ferido, não fere, pois em tudo se compadece.

Ainda que a dor venha te visitar, que te deixe mudo, sem ar, ainda assim, olhe para o horizonte, lá estão dois olhos a espreitar, sondam a sua alma, vem confortar, é Deus em infinita misericórdia, esperando o seu recomeçar.

Ainda que o dia pareça um fardo pesado, é um presente que só se revela a cada passo dado.
É caminho sem volta para aternidade, chave da felicidade.
Nunca deixe de lutar!

Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 9 de março de 2010

SABEDORIA...


Um dia peguei um táxi e fomos direto para o aeroporto.
Estávamos rodando na faixa certa quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente. O motorista do táxi pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós.
O motorista do táxi apenas sorriu e acenou para o cara. E ele o fez bastante amigavelmente.
Assim eu perguntei:
Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!' Foi quando o motorista do táxi me ensinou o que eu agora chamo 'A Lei do Caminhão de Lixo". Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo.
Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações,
cheias de raiva, e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente. Apenas sorria, acene, deseje-lhes bem, e vá em frente.
Não pegue o lixo delas e espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa, ou nas ruas.
O princípio disso é que pessoas bem sucedidas não deixam os seus caminhões de lixo estragar o seu dia.

A vida é muito curta para levantar cedo de manhã com remorso, assim... Ame as pessoas que te tratam bem. Ore pelas que não o fazem.
A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe!
Tenham um dia, abençoado, livre de lixo!

Lembrem-se da sabedoria da água:
'Ela nunca discute com seus obstáculos, simplesmente os contorna'.

A VIDA SEM AMOR NÃO FAZ O MENOR SENTIDO...


Diz um Conto Chinês que um jovem foi visitar um sábio conselheiro e contou sobre as dúvidas que tinha a respeito de seus sentimentos por uma mulher de vida irregular e problemática.

O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse apenas uma coisa:
- Ame-a. E logo se calou.
Disse o rapaz:
- Mas, mestre, eu ainda tenho muitas dúvidas e receios...
E disse-lhe novamente o sábio.
- Simplesmente, ame-a.

E diante do desconcerto do jovem, depois de um breve silêncio, disse-lhe o seguinte:

- Meu filho, amar é uma decisão, não um sentimento.
Amar é dedicação e entrega. É um verbo e o fruto dessa ação é o amor.
E o amor é um exercício de jardinagem.
Arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide.
Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas, mas nem por isso abandone o seu jardim.
- Ame sempre, ou seja, aceite, perdoe, valorize, respeite, dê afeto, ternura, admire e compreenda.
Simplesmente, ame...
Entenda, meu filho, que a inteligência sem amor, te faz perverso.
A justiça sem amor, te faz implacável, assim como a diplomacia sem amor te faz hipócrita.
Já o êxito sem amor, te faz arrogante.
A riqueza sem amor, te faz avarento.
A docilidade sem amor te faz servil.
A pobreza sem amor, te faz orgulhoso.
A beleza sem amor, te faz ridículo.
A autoridade sem amor, te faz tirano.
O trabalho sem amor, te faz escravo.
A simplicidade sem amor, te deprecia.
A lei sem amor, te escraviza.
A política sem amor, te deixa egoísta.

segunda-feira, 8 de março de 2010

BASTA UM...


Um pensamento de confiança, e tudo se renova, até a esperança.
Um desejo de melhorar, e tudo recomeça, novos sonhos vem povoar.
Um sentimento de gratidão, abre portas, provoca a emoção.
Um minuto de silêncio profundo, evita brigas, respeita quem partiu, muda o seu mundo.
Um tempo para reflexão, tira idéias malucas, remove a indefinição.
Um beijo demorado, é um alimento para a paixão, mantém apaixonado.
Um abraço apertado, palavra silenciosa, é um aconchego, força maravilhosa.
Um olhar de cumplicidade, é uma oração, é dizer: estou aqui, é falar ao coração.
Um momento de amor, de entrega, aproxima o homem de Deus, que nada nega.

O amor abre todas as portas, escancara janelas, diminui distâncias, nos remete a infância,
perdoamos e somos perdoados, libertamos e somos libertos, amamos e somos amados, tudo se completa, a alma se vê preenchida, porque o bem se instala, a mágoa é esquecida.
E é assim, que a vida vale a pena ser vivida.
Sem amor a vida é livro vazio, é poesia esquecida.

Paulo Roberto Gaefke

DIA INTERNACIONAL DA MULHER


Mulher
Semente...
SER-mente...
SER que faz gente,
SER que faz a gente.

Mulher
SER guerreiro, guerrilheiro, lutador...
multimídia, multitarefa, multifaceta, multi-acaso...
multi-coração...

Mulher
SER que dá conta, que vai além da conta, que multiplica, divide, soma e subtrai, sem perder a conta,
sem se dar conta, de que esse século foi seu parto, na direção de seu espaço, de seu lugar de direito e de fato, de seu mundo que lhe foi usurpado e que agora é por ela ocupado.

MULHER...
Esse SER florado, esse SER adorado, esse SER adornado, que nos põem em um tornado, nos deixa saciado e transtornado, que nos faz explodir e sentir extasiado.
SER admirado...

MULHER...
Nesse final de milênio, faça a transição.
Tire de seu coração a semente que vai mudar toda a gente levando o mundo a ser mais gente...
Um mundo mais feminino, mais rosado e sensibilizado, mais equilibrado e perfumado...

PARABENS MULHER!!!
Não pelo oito de marco, nem pelo beijo e pelo abraço, nem pelo cheiro e pelo amaço.
Mas por ser o que és...
Raiz da sensibilidade, Tronco da multiplicidade, Folhas da serenidade, Flores da fertilidade, Frutos da eternidade...
Essência da natureza humana.

Parabéns não só pelo dia de hoje, mas por todos os seus dias...

Recebi por email (Hermannn Manhães)

sexta-feira, 5 de março de 2010

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE UM LÍDER...


• Primeira: Oferece uma causa, não apenas tarefas.
Cria um ambiente de motivação profunda ao deixar claro o significado que transcende a tarefa, o trabalho, a missão, o emprego das pessoas que o cercam.
Ajuda as pessoas a identificarem com clareza o rumo que pretendem seguir.
Estimula as pessoas a sentirem que fazem parte de algo nobre, muito além da simples troca do trabalho por remuneração.
Oferece às pessoas aquilo que mais desejam: uma bandeira, uma razão para suas vidas.

• Segunda: Forma outros líderes, não apenas seguidores.
Seu papel não se resume a motivar seguidores.
Investe no desenvolvimento dos futuros líderes. Educa seus filhos para exercerem liderança, não apenas para obedecer.
Torna-se mentor dos outros no seu ciclo de amizades, no clube que freqüenta, no projeto comunitário de que participa.

• Terceira: Lidera nos 360 graus, não apenas 90 graus.
Atua onde faz diferença, não fica confinado às “paredes” do seu território formal. Exerce a “Liderança 360 graus”: fora, para cima, para os lados. Não influencia somente quem está do lado “de dentro” numa família, empresa, equipe.
A filha líder influencia o pai. O jogador influencia o treinador da equipe.
Constrói “pontes”, em vez de “paredes”.

• Quarto: Surpreende pelos resultados, faz mais do que o esperado.
Consegue obter resultados incomuns de pessoas comuns. Surpreende, superando sempre o esperado. Em vez de simplesmente dar ordens e cobrar rendimento, incentiva cada um a fazer o seu melhor, porque dá o seu melhor.
Não espera acontecer. Cria as oportunidades. Estimula o senso de urgência, não deixa as coisas para amanhã.

• Quinta: Inspira pelos valores, não apenas pelo carisma.
Essa é a tarefa mais importante do Líder.
Esta é a “cola” que une as outras quatro forças, a que dá sentido a tudo.
O Líder Integral cria clima de ética, integridade, confiança, respeito pelo outro, transparência, aprendizado contínuo, inovação, pro-atividade, paixão, humildade, inteligência emocional.

ENDIREITA A TUA VIDA...


Conserta a tua vida, endireita teus caminhos e o progresso, a prosperidade, o amor como um todo se acercarão de você, criando uma redoma de proteção invisível aos olhos, mas perceptível na qualidade do seu viver.

Não adianta querer se enganar, levando nas costas dúvidas, aflições, incertezas, medo, nem situações que claramente são contrárias aos bons princípios, aos fundamentos da moral. Querer para você o que é de outra pessoa, pegar o que não lhe pertence, cobiçar o que é do próximo, e até mesmo desejar com simples pensamentos o que o outro lutou tanto para ter é uma forma de criar tormentos na alma, que aflita adoece e isso se reflete no corpo físico que aparece com aquelas doenças que nem a tomografia computadorizada de última geração pode detectar.

Conserta a tua vida, endireita teus caminhos!
Não se engane, não acredite de que o errado pode ser o certo.
Não se perca na ilusão de que pode mudar alguém.
Não acredite em tudo que os outros falam, nas desculpas esfarrapadas de quem não quer assumir nada com você.
Pare de fechar os olhos, de seguir o rebanho porque o "pastor" toca o instrumento da ilusão. Somos seres feitos para o "pensar", independente de graú de instrução, todos nós temos a capacidade de refletir e chegar a boas conclusões.
Não se iluda: TUDO TEM UM PREÇO!
Tudo é ação e reação!

A vida permite tudo, sempre oferece e oferecerá dois caminhos pelo menos. O das "facilidades", quase sempre começa florido, com cantos de sereias, mas é só para atrair os que não pensam, os que querem apenas se dar bem. Logo o caminho se transforma, se enche de espinhos e dor, muita dor.

O caminho da vitória passa por muitas lutas sim, pela dignidade moral, pelo desejo de ser útil, de servir.
E servindo, seremos enganados.
E sendo bom, seremos confundidos como bobos.
E sendo úteis, seremos até abusados.
E sendo honestos, seremos até roubados.

Mas, seguindo esse caminho de retidão e justiça, com certeza encontraremos a paz. Dormiremos o sono dos justos.
Por fim, encontraremos na própria existência, motivos de sobra para acreditar que tudo coopera para o Bem, ainda que a noite pareça escura demais. Pela manhã, o sol nasce mais uma vez e a Luz se faz mais presente na vida de quem já aprendeu que só o amor é capaz de transformar tudo que ainda é contrário ao bem.
Conserta a tua vida, endireita teus caminhos e veja Deus se refletindo no seu rosto, na sua paz, na sua família, em tudo que cerca o seu viver.
É tempo de reflexão...

Paulo Roberto Gaefke

quarta-feira, 3 de março de 2010

EVOLUÇÃO EM DOIS TEMPOS...


Respeite os seus limites.
Mas não faça deles, o seu ponto de chegada.
Nada é definitivo, afinal de contas, estamos em constante mudança.
E são as mudanças, sejam elas naturais, como a idade, sejam elas reflexos das nossas escolhas,
como a dor, a alegria, a esperança ou o medo, que transformam a nossa capacidade de atingir metas.
Por isso, não se encoste no muro das lamentações, nem fique implorando aos céus o improvável,
aquilo que você ainda não trabalhou dentro de você.
Não espere respostas prontas, pois você vai encontrar mais perguntas.

Cada desafio, cada dificuldade é apenas mais uma etapa nessa jornada evolutiva que todos passamos, seja no campo, na cidade ou na aldeia mais distante, seja o sábio ou o andarilho errante.
Todos rumam para o mesmo ponto: a evolução moral que eleva o espírito, que transforma as pessoas mais simples em pessoas especiais, carismáticas, pelo simples fato de serem felizes, com aquilo que tem, seja muito, ou seja pouco.
Descobrir por fim, que em qualquer tempo, sempre será tempo de sorrir, de acreditar, seguir e ser feliz!
Simples assim...

Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 2 de março de 2010

SENTAR Á JANELA...


O jovem advogado, certo dia, deu-se conta de como as pequenas coisas são importantes na vida, e escreveu o seguinte:

Era criança quando, pela primeira vez, entrei em um avião. A ansiedade de voar era enorme.
Eu queria me sentar ao lado da janela de qualquer jeito, acompanhar o vôo desde o primeiro momento e sentir o avião correndo na pista cada vez mais rápido até a decolagem.
Ao olhar pela janela via, sem palavras, o avião rompendo as nuvens, chegando ao céu azul. Tudo era novidade e fantasia.
Cresci, me formei, e comecei a trabalhar. No meu trabalho, desde o início, voar era uma necessidade constante.
As reuniões em outras cidades e a correria me obrigavam, às vezes, a estar em dois lugares num mesmo dia.
No início pedia sempre poltronas ao lado da janela, e, ainda com olhos de menino, fitava as nuvens, curtia a viagem, e nem me incomodava de esperar um pouco mais para sair do avião, pegar a bagagem, coisa e tal.
O tempo foi passando, a correria aumentando, e já não fazia questão de me sentar à janela, nem mesmo de ver as nuvens, o sol, as cidades abaixo, o mar ou qualquer paisagem que fosse.
Perdi o encanto. Pensava somente em chegar e sair, me acomodar rápido e sair rápido.
As poltronas do corredor agora eram exigência. Mais fáceis para sair sem ter que esperar ninguém, sempre e sempre preocupado com a hora, com o compromisso, com tudo, menos com a viagem, com a paisagem, comigo mesmo.
Por um desses maravilhosos "acasos" do destino, estava eu louco para voltar de São Paulo numa tarde chuvosa, precisando chegar em Curitiba o mais rápido possível.
O vôo estava lotado e o único lugar disponível era uma janela, na última poltrona. Sem pensar concordei de imediato, peguei meu bilhete e fui para o embarque.
Embarquei no avião, me acomodei na poltrona indicada: a janela. Janela que há muito eu não via, ou melhor, pela qual já não me preocupava em olhar.
E, num rompante, assim que o avião decolou, lembrei-me da primeira vez que voara. Senti novamente e estranhamente aquela ansiedade, aquele frio na barriga. Olhava o avião rompendo as nuvens escuras até que, tendo passado pela chuva, apareceu o céu.
Era de um azul tão lindo como jamais tinha visto. E também o sol, que brilhava como se tivesse acabado de nascer.
Naquele instante, em que voltei a ser criança, percebi que estava deixando de viver um pouco a cada viagem em que desprezava aquela vista.
Pensei comigo mesmo: será que em relação às outras coisas da minha vida eu também não havia deixado de me sentar à janela, como, por exemplo, olhar pela janela das minhas amizades, do meu casamento, do meu trabalho e convívio pessoal?
Creio que aos poucos, e mesmo sem perceber, deixamos de olhar pela janela da nossa vida.
A vida também é uma viagem e se não nos sentarmos à janela, perdemos o que há de melhor: as paisagens, que são nossos amores, alegrias, tristezas, enfim, tudo o que nos mantém vivos.
Se viajarmos somente na poltrona do corredor, com pressa de chegar, sabe-se lá aonde, perderemos a oportunidade de apreciar as belezas que a viagem nos oferece.
Ademais, pode ser que ao descer do avião da vida já não encontremos ninguém a nossa espera.
Pense nisso!

Se você também está num ritmo acelerado, pedindo sempre poltronas do corredor, para embarcar e desembarcar rápido e "ganhar tempo", pare um pouco e reflita sobre aonde você quer chegar.
A aeronave da nossa existência voa célere e a duração da viagem não é anunciada pelo comandante. Não sabemos quanto tempo ainda nos resta. Por essa razão, vale a pena sentar próximo da janela para não perder nenhum detalhe.
Afinal, "a vida, a felicidade e a paz são caminhos e não destinos".
Pense nisso, mas pense agora.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em texto de Pietro Valença, pseudônimo de Paulo Valério.

segunda-feira, 1 de março de 2010

SER PROFESSOR...


Se alguém lhe perguntasse qual é a mais nobre das profissões, o que você responderia?
Talvez a resposta correta seja: todas. Todas as que são exercidas com nobreza.
Todavia, há uma profissão da qual praticamente todas as demais dependem: é a de professor.
Esse profissional é o grande responsável pela formação intelectual dos seres que passam pelas salas de aula. E não são poucos.
O professor é quase um segundo pai, e a professora, uma segunda mãe, já que têm o poder de influenciar sobremaneira na formação dos caracteres de seus alunos.
Por isso, a profissão do educador é uma das mais nobres e também de grande responsabilidade.
Se todo professor tivesse consciência da gravidade da ação que exerce sobre seus educandos, certamente a nossa sociedade seria melhor.
Não queremos dizer que toda responsabilidade pese sobre o professor, mas grande parte dela, já que os pais são os maiores responsáveis pela conduta moral dos filhos.
No entanto, há professores e professores.
Há aqueles que não passam de comerciantes da educação. Dão suas aulas como quem se desincumbe de pesado fardo, pensando no valor que recebem no final do mês.
Há os indiferentes, que dão aulas de forma maquinal, não se esforçam nem para sair da mesmice, que os alunos já não suportam mais.
Há aqueles que são o exemplo vivo da deseducação. Sentam-se na mesa, gritam para serem ouvidos, esmurram a mesa ou o quadro para chamar a atenção dos educandos.
Há também os que pensam que crianças são adultos em miniatura. Não usam a criatividade nem para buscar o aperfeiçoamento pessoal e fazem apenas o que seus superiores lhes ditam.
Ser professor, no verdadeiro sentido da profissão, é ajudar a formar cidadãos de bem. É conhecer a intimidade do aluno e procurar extrair o que tem de melhor em sua intimidade, ajudando-o a reformular o que tenha que ser repensado.
Ser professor é estar sempre em busca do próprio aperfeiçoamento, para melhor servir.
É buscar sempre o que tem de melhor, para oferecer aos seus educandos.
É jamais se conformar com os desafios, por mais imponentes que sejam.
Ser professor é descobrir em cada aluno seu universo de potencialidades e ajudá-lo a desenvolvê-las. Ser professor é muito mais do que passar teorias e conceitos. É edificar pelo próprio exemplo.
É romper com os modelos ultrapassados de incutir na cabeça do educando fórmulas prontas. É incentivar a criatividade, permitindo o surgimento de mentes mais preparadas para a construção de um mundo novo, onde não haja lugar para o preconceito, para a hipocrisia, nem para a subjugação dos mais fracos.
Ser professor, finalmente, é poder aplicar o amor na sua mais expressiva manifestação de sublimidade. É fazer brilhar no íntimo de cada aluno, a chama sagrada que o criador ali depositou.

O nobre professor é abençoado maestro que consegue retirar dessa harpa viva que é o coração da criança, a mais sublime musicalidade.
Sabe dedilhar nas cordas mais sutis da alma juvenil, a canção do dever e da justiça.
Consegue despertar nas almas que lhe ouvem os sábios conselhos, a mais harmoniosa melodia da esperança, da fé e do amor sem limites.

Equipe de Redação do Momento Espírita

LINKS PARA MONTAGENS E MOLDURAS EM FOTOS...


http://www.photofunia.com/

http://fotomolduras.com/

http://www.imagechef.com/

http://www.scrapee.net/

http://www.montafoto.com/

http://www.loonapix.com/index.cgi

http://www.supermolduras.com/

DO QUE É QUE VOCÊ SE ESCONDE?


"Procura em teu coração aquilo que Deus gosta."
(Santo Agostinho)

Do que é que você se esconde?
De que é feito esse medo de aparecer?
O que vai no seu coração e que não se revela?
Será o medo de amar, uma dor escondida?
Uma falta mais sentida, uma ausência de valores, mágoa de outros amores?

Do que é que você se esconde?
Das pessoas que podem não ser o que aparentam?
Das ciladas que a vida as vezes revela, ou de pequenos desencantos vividos, que ficaram marcados demais, além do porto e muito além do cais.

É tempo de desabrochar!
De sair da casca e amar.
Entregar-se a experiência de viver e insistir, descobrir que tudo pode ser diferente, e resistir.

Resistir aos apelos do mal, que é ausência do bem, valorizar os sentimentos, que no fundo todos tem. Todo mundo quer viver um grande amor, e está disposto ao risco de pagar até um grande mico, ou simplesmente encontrar a sua alma gêmea, que espera também, que você não desista, que você insista.

Revele-se!
Não se esconda mais, isso é uma temeridade.
Hoje é o dia certo para descobrir, que você nasceu para o amor, para a felicidade.
Sem se importar com o tempo ou com a idade, ser simplesmente a rima deste verso, que conjuga "amor com o universo", e forma uma terna poesia de vida, poesia que tem o seu nome, escrita nas estrelas, eternizada no mar, na certeza de que você sabe e pode amar.

Paulo Roberto Gaefke
Ocorreu um erro neste gadget