Páginas

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

TEXTO DE "CHICO XAVIER..."


Quando você conseguir superar graves problemas de relacionamentos, não se detenha na lembrança dos momentos difíceis, mas na alegria de haver atravessado mais essa prova em sua vida.
Quando sair de um longo tratamento de saúde, não pense no sofrimento que foi necessário enfrentar, mas na bênção de Deus que permitiu a cura.
Leve na sua memória, para o resto da vida, as coisas boas que surgiram nas dificuldades.
Elas serão uma prova de sua capacidade, e lhe darão confiança diante de qualquer obstáculo.
Uns queriam um emprego melhor; outros, só um emprego.
Uns queriam uma refeição mais farta; outros, só uma refeição.
Uns queriam uma vida mais amena; outros, apenas viver.
Uns queriam pais mais esclarecidos; outros, ter pais.
Uns queriam ter olhos claros; outros, enxergar.
Uns queriam ter voz bonita; outros, falar.
Uns queriam silêncio; outros, ouvir.
Uns queriam sapato novo; outros, ter pés.
Uns queriam um carro; outros, andar.
Uns queriam o supérfluo; outros, apenas o necessário.
Há dois tipos de sabedoria: a inferior e a superior.
A sabedoria inferior é dada pelo quanto uma pessoa sabe e a superior é dada pelo quanto ela tem consciência de que não sabe.
Tenha a sabedoria superior.
Seja um eterno aprendiz na escola da vida.
A sabedoria superior tolera; a inferior, julga; a superior, alivia; a inferior, culpa; a superior, perdoa; a inferior, condena.
Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar!
Francisco Candido Xavier

ESSÊNCIA...


Deus, que eu aprenda a reconhecê-lo na simplicidade do dia;
nos bons amigos que se preocupam comigo;
nos familiares que eu amo tanto;
nos animais que eu acolho;
nos bons sentimentos que escolho;
no alimento que eu como.
Que eu te reconheça sempre na Luz, mas antes, meu Deus, que eu posso encontrá-lo:
no inimigo que não me suporta, e dele não carregar nenhum rancor.
No familiar mais "complicado", que talvez precise ainda mais da minha atenção.
No animal que eu tenho pavor, e que necessita ainda mais de amor.
No alimento que eu desperdicei, sem sequer experimentar, no pão que eu não dei.
Nosso Deus, nosso Horizonte e Rumo, de tudo o que podes me oferecer, entre todos os tesouros que estão a disposição, não quero às jóias nem o ouro que são mera ilusão, nem quero paixões ou experiências da carne,
quero equilíbrio físico e espiritual, quero serenidade.
Quero sentir a paz como se pudesse medi-lá, tendo a tão palpável, que quem olhar para mim, vai senti-lá e desejará a paz.
E assim, nesse encontro com a divindade interior, possa eu um dia, sentar-me sob árvore frondosa, e por entre os galhos da tua misericórdia, deixar que habites em mim, e finalmente descubra, que Deus é mais que um simples julgador, Deus é o tudo, mas antes de mais nada, Deus é amor!

Que esse Amor Divino, seja derramado sobre a sua vida neste dia, em forma de bençãos, paz e serenidade para descobrir-se.
Para ter a certeza do caminho escolhido, para ter ainda hoje, e não amanhã, que pode nem existir, a felicidade real e completa, que você merece.
Hoje e sempre, que assim seja, amém.
Paulo Roberto Gaefke

QUEM SÃO NOSSOS PAIS?


Quando abrimos os olhos, neste mundo, vimos debruçados sobre nosso berço, duas pessoas especiais: nosso pai e nossa mãe.
Nos primeiros anos nos sentimos dependentes deles. E, mesmo o simples fato de eles estarem a nos olhar, se constituía em segurança para nós.
Assim, aprendemos a andar, amparados pelos seus braços. Nossos machucados receberam curativos e beijos.
Aprendemos a andar de bicicleta, enfrentamos as ondas do mar, as águas da piscina.
Suas mãos nos conduziram à escola e quando fomos ali deixados pela primeira vez, pareceu que algo se quebrou dentro de nós.
Estaríamos sendo abandonados?
Contudo, ao final do dia, retornamos ao lar e aprendemos que a escola era somente um lugar para estar algumas horas.
Era um lugar para aprender, para fazer amizades, para crescer.
Mas sempre havia um lugar para voltar: nosso lar. O aconchego da família, a segurança paterna, o carinho materno.
À medida que os anos foram se somando, deixamos de ser dependentes. Andamos com nossos pés, agimos com nossa vontade, alçamos vôos mais altos, ou rasos.
E, alguns de nós, passamos a olhar os pais de forma diferente. Quem são eles para desejarem comandar a nossa vida? Quem são eles para dizerem o que devemos ou não fazer?
Quem são?
Nossos pais são Espíritos que, quase sempre, guardam relações afetivas conosco de longa data. Amigos que aceitam nos receber como filhos, desejando encurtar distâncias entre nós e o progresso.
Espíritos que se dispõem a nos oferecer um corpo, a nos proteger, a nos amar.
Exceções existem, é verdade. Espíritos não tão amigos que se reencontram no cadinho doméstico para ajustes do pretérito um tanto nebuloso.
Mesmo assim, eles nos moldaram um corpo, permitindo-nos a reentrada no mundo carnal, e lhes devemos ser gratos.
Mas, se desejam saber aonde vamos, com quem vamos, nesses tempos de tanta violência, é porque conosco se preocupam.
Se nos estabelecem horários para o retorno ao lar, se nos procuram quando nos retardamos, é porque a nossa segurança os preocupa.
Se insistem conosco para que estudemos mais, nos esforcemos mais, é porque, mais experientes pela maturidade que ainda não temos, nos desejam ver galgar degraus de sucesso.
Se nos impõem disciplina, se nos exigem atitudes comedidas, é porque desejam colaborar com nosso progresso.
Para isso, Deus nos confiou à sua guarda.
E porque esse compromisso está registrado em sua memória espiritual, tanto quanto pelos laços de afeto que nos unem, eles se importam conosco.
Pensemos nisso e antes de reclamarmos tanto, olhemos nossos pais com gratidão.
Vivamos com eles o melhor possível. Afinal, não estarão sempre conosco.
É possível que logo mais eles se transfiram para a espiritualidade, cumprida sua missão.
Vivamos usufruindo o melhor da sua companhia, da sua sabedoria, dos seus afagos.
Amanhã, quando não estiverem mais conosco, teremos doces lembranças para alimentar a nossa saudade.
Redação do Momento Espírita.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

VOCABULÁRIO PARA OS NETOS...


Estava eu no computador, após ter visitado meus netos, Luiza, Letícia e Luan, e haver ensinado um pouco do dever de casa quando me veio à cabeça a idéia de fazer um pequeno dicionário para que eles entendessem mais profundamente, sem a formalidade das regras gramaticais ou amarras filosóficas, o significado de algumas palavras importantes na vida de qualquer pessoa.
Quem sabe um dia, quando forem adolescentes e tiverem oportunidade de ler o que eu escrevi, procurem raciocinar sobre as palavras lá contidas, e amando-as, as deixem entrar e morar em seus corações. Engraçado é que este exercício me levou a uma séria reflexão sobre a pobreza das palavras, notadamente quando queremos expressar nossos sentimentos.
O que sentimos é imensamente mais belo e rico, de mais profundidade do que aquilo que conseguimos grafar.
Parece que quanto mais simples somos em nossa comunicação, mas nos fazemos entender e mais tocamos a corda do sentimento de quem nos lê ou escuta. Foi por causa dessa reflexão sobre a simplicidade das palavras em nossa comunicação, que introduzi o texto abaixo neste livro, convidando os leitores para que também meditem nas palavras que utilizam, principalmente no relacionamento com quem amam.
Meu guia espiritual, Francisco, me advertira de que trataríamos de um drama muito sofrido. Que começasse pela ternura. Portanto, o texto é também uma tentativa de preparar o leitor para as dores que serão narradas.

ADEUS - É quando o coração que parte deixa a metade com quem fica.
AMIGO - É alguém que fica para ajudar quando todo mundo se afasta.
AMOR AO PRÓXIMO - É quando o estranho passa a ser o amigo que ainda não abraçamos.
CARIDADE - É quando a gente está com fome, só tem uma bolacha e reparte.
CARINHO - É quando a gente não encontra nenhuma palavra para expressar o que sente e fala com as mãos, colocando o afago em cada dedo.
CIÚME - É quando o coração fica apertado porque não confia em si mesmo.
CORDIALIDADE - É quando amamos muito uma pessoa e tratamos todo mundo da maneira que a tratamos.
DOUTRINAÇÃO - É quando a gente conversa com o Espírito colocando o coração em cada palavra.
ENTENDIMENTO - É quando um velhinho caminha devagar na nossa frente e a gente estando apressado não reclama.
EVANGELHO - É um livro que só se lê bem com o coração.
EVOLUÇÃO - É quando a gente está lá na frente e sente vontade de buscar quem ficou para trás.
- É quando a gente diz que vai escalar um Everest e o coração já o considera feito.
FILHOS - É quando Deus entrega uma jóia em nossa mão e recomenda cuidá-la.
FOME - É quando o estômago manda um pedido para a boca e ela silencia.
INIMIZADE - É quando a gente empurra a linha do afeto para bem distante.
INVEJA - É quando a gente ainda não descobriu que pode ser mais e melhor do que o outro.
LÁGRIMA - É quando o coração pede aos olhos que falem por ele.
LEALDADE - É quando a gente prefere morrer que trair a quem ama.
MÁGOA - É um espinho que a gente coloca no coração e se esquece de retirar.
MALDADE - É quando arrancamos as asas do anjo que deveríamos ser.
MEDIUNIDADE COM JESUS - É quando a gente serve de instrumento em uma comunicação mediúnica e a música tocada parece um noturno de Chopin.
MORTE - Quer dizer viagem, transferência ou qualquer coisa com cheiro de eternidade.
NETOS - É quando Deus tem pena dos avós e manda anjos para alegrá-los.
OBSESSOR - É quando o Espírito adoece, manda embora a compaixão e convida a vingança para morar com ele.
ÓDIO -
É quando plantamos trigo o ano todo e estando os pendões maduros a gente queima tudo em um dia.
ORGULHO - É quando a gente é uma formiga e quer convencer os outros de que é um elefante.
PAZ - É o prêmio de quem cumpre honestamente o dever.
PERDÃO - É uma alegria que a gente se dá e que pensava que jamais a teria.
PERFUME - É quando mesmo de olhos fechados a gente reconhece quem nos faz feliz.
PESSIMISMO - É quando a gente perde a capacidade de ver em cores.
PREGUIÇA - É quando entra vírus na coragem e ela adoece.
RAIVA - É quando colocamos uma muralha no caminho da paz.
REENCARNAÇÃO - É quando a gente volta para o corpo, esquecido do que fez, para se lembrar do que ainda não fez.
SAUDADE - É estando longe, sentir vontade de voar, e estando perto, querer parar o tempo.
SEXO - É quando a gente ama tanto que tem vontade de morar dentro do outro.
SIMPLICIDADE - É o comportamento de quem começa a ser sábio.
SINCERIDADE - É quando nos expressamos como se o outro estivesse do outro lado do espelho.
SOLIDÃO - É quando estamos cercados por pessoas, mas o coração não vê ninguém por perto.
SUPÉRFLUO - É quando a nossa sede precisa de um gole de água e a gente pede um rio inteiro.
TERNURA - É quando alguém nos olha e os olhos brilham como duas estrelas.
VAIDADE - É quando a gente abdica da nossa essência por outra, geralmente pior.

Do Livro: "O Homem que Veio da Sombra", de Luiz Gonzaga Pinheiro

NÃO QUERO ORAR...


Não quero orar, quero falar com Deus!
E apesar das minhas deficiências, não quero intermediários, quero chegar até Ele.
Por isso não escolhi nenhuma oração, não vou repetir uma receita de ninguém, pois o que eu preciso não saiu no jornal. A minha alma anda aflita, e por mais que eu repita, uma ladainha de palavras bonitas, ela não se acalma.
Preciso falar o que vai aqui dentro de mim, do meu jeito, com as minhas dificuldades de linguagem, e mesmo sem imagem, sei que Ele vai me entender.
Por isso, me desarmo, tiro as sandálias, faço deste lugar onde estou, um lugar santo, com respeito me dirijo a Deus.
Com a alma desnuda, liberta de preconceitos, falo de mim como quem esvazia um balão de ar, solto tudo e as lágrimas não tardam, lavam meu rosto ressecado pelo tempo.
Sinto uma paz profunda.
É o meu ser encontrando o Criador, mesmo em silêncio Deus me ouve, me entende, e é nesse instante mágico, sublime e divino, que me entrego em Teus braços, e creio, que tenho mais força do que acreditava.
Que posso seguir meu caminho em paz, e apesar das lutas, dor e e decepções, sei que tenho alguém que vela por mim, que o que eu penso é o que atrai, e que mais do que um Deus, hoje, encontrei um Pai!
Amém
Paulo Roberto Gaefke

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

PERSEVERA...


Persevera mais um pouco...
Não deixe que a voz fria dizendo não, seja mais do que uma frase, seja uma condenação...
Ainda que a dor venha ferir a sua alma, ainda que pisem no seu sonho, esmagando a ilusão, ainda assim, persevera e insiste, pois é de sonhos que se compõem uma história de sucesso, é de pequenas lutas que se ganham batalhas que imaginamos perdidas.
Não pare de andar!
Se a estrada parece longe demais, amanhã já estará mais próxima, pois não é o sonho que vem até nós, somos nós que vamos ao seu encontro.
Seja simples, não deixe o orgulho te cegar, a vida cobra atitudes que você pode oferecer.
É dado aos fortes, como você, energias superiores, luzes que estão ainda apagadas, esperando a sua determinação,
e é quando você diz: eu quero, eu vou, eu posso, que essas luzes são acesas e o caminho, outrora escuro, se ilumina com pequenas lâmpadas da esperança.
Porque o dia ainda não acabou e a noite é apenas uma criança.
Por isso, essa certeza, essa determinação, o anjo da renovação desce em sua vida sob forma de dia, trazendo pelas mãos novas oportunidades, para você que não desistiu de você mesmo.
Para você recomeçar e dizer: eu vou vencer!
com a certeza de que já és um vencedor, e que merece, além da vida, muito amor.
Acredite em você, os anjos já acreditam, só falta você acreditar...
Paulo Roberto Gaefke

CONSELHOS DE UM PAI...


Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai.
Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

- Nunca se esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...
Que estranho conselho! Pensou o jovem. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza minha
esposa e a família que iniciaremos serão tudo que necessito para dar sentido à minha vida!
Contudo, ele obedeceu ao pai.
Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos.
Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava.
Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes de sua vida.
Passados mais de 50 anos, eis o que aprendi:
O Tempo passa.
A vida acontece.
A distância separa..
As crianças crescem.
Os empregos vão e vêem..
O amor fica mais frouxo..
As pessoas não fazem o que deveriam fazer.
O coração se rompe.
Os pais morrem..
Os colegas esquecem os favores.
As carreiras terminam..
MAS... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.
Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando você de braços abertos, abençoando sua vida!
Quando iniciamos esta aventura chamada VIDA, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante.
Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.
Amigo de verdade é raro de encontrar, difícil de deixar e impossível de esquecer!

VIDAS AO VENTO...


Quantos de nós tem passado pela vida capturando o vento?
Buscando objetivos vazios, forçando situações, mantendo relacionamentos complicados, amizades que mais lembram uma briga, empregos torturantes que castigam a alma?
Seguimos recolhendo “o nada” em forma de vida e quando abrimos a nossa “alma”, que é a caixa da vida, ela está assim; vazia, abandonada pelos contratempos.
Muitos dos nossos dias são tomados pelas preocupações com os outros, pelo que desejamos e não temos, esquecendo do que já conquistamos.
Somos um poço de emoções, emoções que por vezes deixam marcas profundas.
É o coração que sai pela boca com o medo, é no coração entristecido que nasce a depressão, é na mente transtornada pela emoção da perda, que nasce o ódio, o desejo de vingança e por fim, a apatia que termina com a nossa alegria.
Abra-se para o mundo com um novo olhar:
- Eu preciso tornar a minha vida melhor!
Assim, o mundo vai ganhar mais uma cor, o jardim da vida mais uma flor e o seu exemplo, a sua alegria, a sua paz, vai ser seguida por alguns que vão entender que tudo começa agora, na mudança real deste personagem que é o amor da nossa vida, o ser maravilhoso que habita no interior de nós mesmos.
Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 22 de setembro de 2009

TODA MOEDA TEM DOIS LADOS...


Desanimou? Foi um tempo necessário para restabelecer as suas forças.
Desacreditou de tudo? Foi o teste da fé que nascia em você.
O amor te machucou? Foi o chamado do coração que te despertou.
As pessoas te desiludiram? Foi para aprender o quanto somos frágeis.
Não passou no concurso? Foi mais uma experiência que te capacita para o próximo.
Errou a direção? Aproveita para conhecer novos lugares.
Escolheu o curso errado? Que maravilha ter 2 ou mais profissões.
O relacionamento acabou? E o que ficou de bom? Quanto você aprendeu?
Ficou desempregado? Quanto você quer ganhar no próximo emprego?
Filho inesperado? Uma benção em qualquer época. Lembre-se: Deus proverá.
Dívidas demais? Preparação para o futuro poupador, ou economista.
A experiência de se viver cada dia como se fosse um presente é que torna os homens capazes de vencerem a si mesmos, romperem barreiras, levantarem-se do pó e realizarem maravilhas. É o acreditar em si mesmo que faz a diferença entre o derrotado de ontem e o vencedor de hoje. Por isso, levante a cabeça, o horizonte é mais bonito para quem tem olhos de ver, e sol te espera nessa estrada maravilhosa chamada vida, que Deus traduz pelo singelo nome de oportunidade.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

UM PEDAÇO DE VOCÊ...


Um pedaço de você já ficou no tempo, quando você deixou de ler um bom livro, quando não acreditou naquele amigo, quando não aproveitou aquele instante para falar de amor, quando não abraçou seu pai e nem beijou sua mãe.
Um pedaço de você se perdeu na curva, quando abandonou o seu sonho sem tentar, quando aceitou trabalhar onde não gostava, quando fazia o que não suportava,quando disse sim, quando queria dizer não, quando deixou o amor morrer antes de nascer, por medo de sofrer…
Um pedaço de você ficou parado, quando você não quiz fazer um novo percurso, quando se conformou com o velho, quando ficou parado vendo o povo correr, quando votou em branco, se podia escolher, quando não apareceu quando era esperado.
A vida pede atitude em cada instante e passa por cima de quem se cala, de quem aceita, de quem acredita que tudo está irremediavelmente perdido.
A vida desacata quem não se aceita, humilha quem não se valoriza, ensina com amor os que amam sem medidas, ensina com dor, os que fogem das lições.
Um pedaço de você quer tudo, outro quer se esconder.
Assim, cabe a você, só a você, dosar ansiedade e apatia, ter um tempo para criar e outro para executar, falar e ouvir, ensinar e aprender, caminhar e correr, amar e ser amado, falar baixo e gritar.
ter um tempo para refletir…
Só não vale cruzar os braços, só não vale não ser você, só não vale esquecer:q ue nada é mais importante que você.
Paulo Roberto Gaefke

DIANTE DA PERFEIÇÃO...


Sede perfeitos como nosso Pai celestial.
Esta foi a advertência do Cristo aos nossos corações de aprendizes.
Todavia, à maneira de quem contempla estrela longínqüa, sabemos quão imensa é a distância que nos separa da meta. Impedimentos, compromissos e inibições caminham ainda em nosso íntimo, vindos do nosso ontem.
Sob essa influência, asfixia-se, a cada momento de hoje, nosso anseio de movimentação para a luz.
Por certo ainda nos situamos muito longe do justo aprimoramento que nos integrará na Excelência Divina.
Mas, é imperioso começar a grande romagem, oferecendo ao avanço as melhores forças de que dispomos.
Ninguém lhe exige que seja de imediato o exemplo do amor que o Mestre nos legou.
Mas você pode ser, desde agora, o cultor da compreensão e da gentileza dentro da própria casa.
É inviável pedir-lhe a renúncia integral aos bens que enriquecem seus dias terrestres.
Entretanto, você pode doar, de improviso, a migalha do que lhe sobra ao conforto doméstico.
Sem abrir mão de tudo, você certamente pode ofertar um pouco para auxiliar os companheiros necessitados.
Não se espera que você desempenhe, ainda hoje, o papel de herói na praça pública.
Mas está ao seu alcance calar, de imediato, a palavra maldosa que chicoteia seus semelhantes.
Ninguém aguarda que você seja o remédio para todas as doenças.
Todavia, está ao seu alcance ser o enfermeiro diligente, balsamizando as úlceras dos enfermos relegados ao abandono. Não há como lhe solicitar a realização de prodígios, em manifestações prematuras de fé.
Contudo, você pode ser, sem delongas, o reconforto que ampare os que atravessam os maus momentos do caminho.
Pensemos no exemplo da semente e aprendamos a começar.
A planta ontem era simples promessa.
Hoje ela é a garantia do pão que nos supre a mesa.
As maiores e as mais famosas viagens iniciam-se com um passo.
Esforcemo-nos por fazer o melhor ao nosso alcance, desde agora.
A perfeição será uma conseqüência natural dos primeiros esforços.
Embora a jornada seja longa, é preciso iniciá-la em algum momento.
Protestos de inferioridade, com o fim de protelar a marcha, são apenas desculpas.
Embora o autoconhecimento seja uma virtude, a falsa modéstia e a preguiça não o são.
Somos herdeiros do Universo, em nossa qualidade de filhos de Deus.
Todas as virtudes dos anjos dormem em nosso íntimo.
Tesouros de luz e paz aguardam-nos no porvir.
Mas é preciso que nos decidamos a conquistá-los.
Como o Reino dos Céus não se toma de assalto, ele deve ser diligentemente construído no seio das criaturas.
Para isso não servem arroubos de misticismo.
É preciso esforço concentrado no bem, mediante o abandono de velhos hábitos e a conquista de virtudes.
Mesmo que tal tarefa pareça inglória, a princípio, seu resultado invariavelmente aparece.
O que o ser humano não pode é, por considerar muito longo o caminho para o pai, recusar-se a dar os primeiros passos.
Jesus afirmou que nenhuma das ovelhas que Deus lhe confiou se perderia.
Conseqüentemente, deixar de realizar a jornada não é uma opção.
Resta a cada qual decidir como a fará: se com boa vontade ou premido por chamados cada vez mais diretos e firmes.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. XVII do livro Nascer e renascer, do Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. GEEM.

LEMBRE-SE DE VIVER...


"Crie filhos em vez de herdeiros."

"Dinheiro só chama dinheiro, não chama para um cineminha, nem para tomar um sorvete."

"Não deixe que o trabalho sobre sua mesa tampe a vista da janela."

"Não é justo fazer declarações anuais ao Fisco e nenhuma para quem você ama."

"Para cada almoço de negócios, faça um jantar à luz de velas."

"Por que as semanas demoram tanto e os anos passam tão rapidinho?"

"Quantas reuniões foram mesmo esta semana? Reúna os amigos."

"Trabalhe, trabalhe, trabalhe. Mas não se esqueça, vírgulas significam pausas..."

"...e quem sabe assim você seja promovido a melhor (amigo, pai, mãe, filho, filha, namorada, namorado, marido, esposa, irmão, irmã... etc.) do mundo!"

"Você pode dar uma festa sem dinheiro. Mas não sem amigos."

terça-feira, 15 de setembro de 2009

NOS DETALHES...


Eu me descubro nos detalhes, na importância que dou, ou deixo de dar para fatos, pessoas, para a própria vida que insiste em bater à minha porta.
Eu me revelo nos detalhes, do que faço, ou deixo de fazer por mim e pelos outros.
Eu me escondo nos detalhes, do que tenho medo, daquilo que eu fujo, do que não encontro em mim.
Eu me excedo nos detalhes, da perfeição que espero em mim e nos outros.
Eu me encontro nos detalhes, e me perco em minúcias, em exageros bobos.
Eu choro nos detalhes, das coisas bobas que eu esperava e não aconteceram.
Eu me revolto nos detalhes, pela ansiedade de querer ser o que eu não sou, ter o que ainda não tenho,
possuir o que nem sei se será possível.
Eu me perdôo nos detalhes, para poder seguir em frente, recomeçar.
Eu sofro nos detalhes, e pode não parecer, mas são eles que realmente importam.
O detalhe da vida é a sua própria essência, o detalhe é Deus que se revela em mim, nos detalhes que habitam em meu ser, na minha capacidade de amar, de querer ser feliz.
Isto é Deus em mim, e se sou assim, deve ter um detalhe que me escapa, um sentido em estar aqui...
Eu me vejo em detalhes, quando me encontro com você, ao ver nos teus olhos, o meu reflexo, parte de mim que habita no próximo.
Somos tão diferentes e tão iguais, detalhes tão pequenos de todos nós, que se encontram e formam essa grande família.
Família divina do eu, você, ele, nós, tal e qual, frutos maduros do grande amor do Pai, amor universal, amor sem igual. Paulo Roberto Gaefke

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

CONSTATAÇÃO...


Grave:
Nunca seremos plenamente felizes, nem plenamente completos!
Nem com promessas da sociedade de consumo, nem com religiões milagrosas e "pastores" cheios de palavras,
nem com a visão de um futuro prometido de paz e perfeição.
"Somos eternos insatisfeitos e é isso que nos move, é o que dá sentido a vida."
É exatamente a falta desse conhecimento;
a perda da certeza de que nunca seremos plenamente felizes, é que leva muitas pessoas sábias e cheias de vida ao suicídio, ou ao total alienamento da vida, caindo na depressão profunda, na mania de perseguição ou nas síndromes silenciosas.
Creia: tudo passa!
isso não é filosofia barata, nem frase de auto-ajuda.
Tudo passa:
a tristeza que parece não ter fim, a alegria que é tão gritante que não cabe em um sorriso, a esperança enorme que te guia, o amor que aconteceu de forma tão louca, e tudo aquilo que parece eterno, porque tudo tem um fim.
Tudo respeita um ciclo:
tem começo, meio e fim, até a dor!
Por isso, não se desespere por nada!
A não ser a falta de motivação para viver, pois basta a cada dia, a sua própria experiência.
Tudo se renova, tudo pode ser novo, inclusive o velho hábito de achar tudo sempre igual.
Você já é outra criatura neste dia, só continua sendo especial demais, porque é única, é um ser milimétricamente planejado, tudo em você é funcional e tem um motivo, então, comemore-se!
Seja um champagne de primeira; beba-se!
Seja o prato gourmet, saboreie-se!
Seja a mágica do impossível, renove-se!
Duvidaram de você, viva, é hora de provar o contrário.
Falaram mal de você? Pura inveja, sinta-se mais forte.
Hoje é o seu dia, todos os dias.
Paulo Roberto Gaefke

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O PODER DE DEUS EM NÓS...


Nos esquecemos cada vez mais do poder de Deus em nós, e nos aprofundamos no direito de reclamar, de ficarmos parados diante dos problemas.
Acreditamos que só um milagre poderá resolver a nossa vida. Esquecemos que temos a capacidade de "não criarmos problemas", que podemos ter uma vida simples, digna, verdadeira, longe dos vícios, que matam, afastados das intrigas, que só atraem o mal, libertos das paixões doentias, que só maltratam, firmes na caridade que une às pessoas, esperançosos no dia de hoje, porque plantamos o bem ontem.
O poder de Deus já está nas nossas mãos!
Nascemos com ele. Não precisamos de santos, nem de mártires, nem de missionários, precisamos sim, viver a missão que recebemos, ser feliz e distribuir parte dessa felicidade com quem ainda não descobriu a própria "capacidade".
Sem misticismo, sem religiões, sem fanatismo, apenas usando a arma mais revolucionária e libertária, a única arma que realmente tem valor, usar e abusar do amor!
O poder de Deus é o Amor que habita em nós, que podemos usar em qualquer situação, em qualquer momento, e deixamos de ser vinagre, para nos tornarmos o bom vinho, deixamos de ser pedintes, e nos tornamos o milagre.
Passamos a ser parte de Deus, e Deus o todo de nós mesmos.
Neste momento, não importa o que você está vivendo, lembre-se de que o poder de Deus está em você,
pronto para ser usado para modificações, que devem começar em você, agora, porque tudo está certo e pronto para acontecer, você tem a "Graça", use-a com firmeza, sem perguntar, sem duvidar, isto é o que é, isto na verdade, é a própria fé.
Paulo Roberto Gaefke

RENOVAÇÃO...


A natureza nos fornece, de forma constante, excelentes lições. As estações que se sucedem nos falam da obediência a leis previamente estabelecidas pela divindade.
A fauna e a flora que se submetem ao rigor do inverno, que hibernam, parecendo morrer e ressurgem aos toques da primavera, nos lecionam a perseverança na luta pela vida.
Entre as aves, a águia nos traz especial lição. Ela é a ave que possui maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos. Mas, para chegar a essa idade, aos quarenta anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.
Aos quarenta anos ela está com as unhas compridas e flexíveis e não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta.
O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas. Voar é, então, muito difícil.
A águia, nessas circunstâncias, só tem duas alternativas: morrer, ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinqüenta dias.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão, onde ela não necessite voar. Após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.
Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.
E só depois de cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver mais trinta anos.
Em nossa vida, também necessitamos de processos de renovação que, de um modo geral, são dolorosos.
Para se conseguiu alçar o vôo da vitória, devemos nos desprender de costumes, crenças, tradições, vícios que nos mantêm presos ao chão da ignorância.
É, sim, um processo doloroso, porque demanda esforço e vontade. Também um processo de incubação.
É preciso se sentir insatisfeito consigo mesmo e desejar crescer um pouco mais. Sentir-se incompleto com um livro só, com um pensamento apenas ou com uma visão somente.
É necessário pensar além das idéias comuns e acreditar que se pode mudar, não importando se nos encontramos nos áureos dias da juventude, nos vibrantes dias da madureza ou na esteira da velhice.
Sempre é tempo de atender aos apelos do progresso, aprender e melhorar-se.
É necessário refletir, trabalhar, estar sempre pronto para aprender e reaprender, não se permitindo jamais o comodismo.

Enquanto você dispõe do corpo físico e das horas terrenas, não se acomode. Não negligencie a si mesmo.
Cultive a sua inteligência, jamais perdendo de vista a boa leitura.
Não se sinta sábio porque sabe mais do que os que o rodeiam. Busque a sabedoria.
Não se permita sentir bem, sem esforçar-se por se desenvolver nas áreas do bem e do serviço ao próximo.
Não se permita dormir demais, enquanto é tempo de crescer, progredir e alcançar os astros brilhantes que nos extasiam nas noites claras.

Equipe de Redação do Momento Espírita, baseado em texto de autor ignorado e no livro Nossas riquezas maiores, ed. FRÁTER, cap. 38

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

TEMPO DE AMOLAR O MACHADO...


Conta-se que um jovem lenhador ficara impressionado com a eficácia e rapidez com que um velho e experiente lenhador da região onde morava, cortava e empilhava madeiras das árvores que cortava.
O jovem o admirava, e o seu desejo permanente era de, um dia, tornar-se tão bom, senão melhor, que aquele homem, no ofício de cortar madeira.
Certo dia, o rapaz resolveu procurar o velho lenhador, no propósito de aprender com quem mais sabia.
Enfim ele poderia tornar-se o melhor lenhador que aquela cidade já tinha ouvido falar.
Passados apenas alguns dias daquele aprendizado, o jovem resolvera que já sabia tudo, e que aquele senhor não era tão bom assim quanto falavam.
Impetuoso, afrontou o velho lenhador, desafiando-o para uma disputa: em um dia de trabalho, quem cortaria mais árvores.
O experiente lenhador aceitou, sabendo que seria uma oportunidade para dar uma lição ao jovem arrogante.
Lá se foram os dois decidir quem seria o melhor.
De um lado, o jovem, forte, robusto e incansável, mantinha-se firme, cortando as suas árvores sem parar.
Do outro, o velho lenhador, desenvolvendo o seu trabalho, silencioso, tranqüilo, também firme e sem demonstrar nenhum cansaço.
Num dado momento, o jovem olhou para trás a fim de ver como estava o velho lenhador, e qual não foi a sua surpresa, ao vê-lo sentado.
O jovem sorriu e pensou: Além de velho e cansado, está ficando tolo. Por acaso não sabe ele que estamos numa disputa?
Assim, ele prosseguiu cortando lenha sem parar, sem descansar um minuto.
Ao final do tempo estabelecido, encontraram-se os dois, e os representantes da comissão julgadora foram efetuar a contagem e medição.
Para a admiração de todos, foi constatado que o velho havia cortado quase duas vezes mais árvores que o jovem desafiante.
Este, espantado e irritado, ao mesmo tempo, indagou-lhe qual o segredo para cortar tantas árvores, se, uma ou duas vezes que parara para olhar, o vira sentado e tranqüilo.
Ele, ao contrário, não havia parado ou descansado nenhuma vez.
O velho, sabiamente, lhe respondeu:
Todas as vezes que você me via assentado, eu não estava simplesmente parado, descansando. Eu estava amolando o meu machado!

Reflitamos sobre o ensino trazido pelo conto.
Obviamente, com um machado mais afiado, o poder de corte do velho lenhador era muito superior ao do jovem.
Este, embora mais vigoroso na força, certamente não percebeu que, com o tempo, seu machado perdia o fio, e com isso perdia a eficácia.
Quando chegamos em determinadas épocas de nossas vidas, como o fim de mais um ano de trabalho, de esforço, de empreendimento, esta lição pode ser muito bem aplicada.
É tempo de amolar o machado!
Embora achemos que não possamos parar, que tempo é dinheiro, que vamos ficar para trás, perceberemos, na prática, que se não pararmos para amolar o machado, de tempos em tempos, não conseguiremos êxito.
Amolar o machado não é apenas descansar o corpo, é também refletir, avaliar, limpar a mente e reorganizar o nosso íntimo.
Amolar o machado é raciocinar, usar da inteligência para descobrir se estamos usando nossas forças da melhor forma possível.

Assim, guardemos algum tempo para essas práticas realmente necessárias, e veremos, mais tarde, que nosso machado poderá cortar as árvores com muito mais eficiência.
Redação do Momento Espírita com base em conto da obra S.O.S. Dinâmica de grupo, de Albigenor e Rose Militão. ed. Qualitymark.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

AUTONOMIA...


“Eu faço as minhas vontades e você faz as suas. Eu não estou neste mundo para viver de acordo com suas expectativas e você não está neste mundo para viver de acordo com as minhas. Eu sou eu e você é você. Se um dia nos encontrarmos, vai ser lindo! Se não, nada há de se fazer.”
Frederick Perls

Fomos treinados para ter medo de pensar bem sobre nós ou sobre a capacidade de gerenciar nossos caminhos. Fomos treinados para atender as expectativas. Fazendo isso medimos nosso valor pessoal pela avaliação que os outros fazem de nós. Por medo de rejeição, em muitas situações, agimos contra os sentimentos apenas para agradar e sentir-se incluído, aceito. Quem se define pelo outro, necessariamente tombara em conflitos e decepções, mágoas e agastamentos.
Autonomia é a maior defesa da alma porque estabelece limites, produz a serenidade, dilata a autoconfiança e coloca-nos em contato com Deus.
Em algumas ocasiões, a conquista da autogerencia requer solidão e recomeço. Às vezes precisamos de muita coragem para abandonar estruturas que construímos durante a vida e seguir os sinais que nos indicam novos caminhos. Nessa fase o medo aparece. Esse medo surge porque gostaríamos de contar apenas com o êxito em nossas escolhas. Adoramos respostas e soluções imediatas, prontas pra usarmos. Nessa hora teremos que escutar nossos sentimentos e seguir. Ouvi-los não quer dizer escolher o certo, mas optar pelo caminho particular em busca da experiência sentida e conquistada dentro da sua realidade.
Libertar-se do ego é um parto psicológico. A sensação de insegurança é iminente. Mas o resultado libertador. Essa liberdade psíquica e emocional da alma é uma conquista pessoal.
O individuo autônomo tem 4 principais características:
1- Auto-estima: É o aprendizado do valor pessoal. Quem se ama sabe sua real importância.
2- Resistência Emocional: É a capacidade de suportar os próprios sentimentos, que muitas vezes levam-nos a crises e opressões. Atravessar dores amadurece.
3- Saber o que se quer: Somente fazendo escolhas, descobrimos nossas aspirações. Algumas dessas escolhas incluem a corajosa decisão de romper com velhas “muletas mentais”.
4- Escutar os sentimentos: Nos sentimentos está o mapa de nosso plano divino. Aprender a ouvi-los sem os ruídos da ilusão será a nossa sintonia com o “Deus Interno”.
A ausência da autonomia pode nos levar à condição de mendigos de amor ou vitimas do destino. Considerando-a como gestora da almejada condição de “sentir-se bem” perante a existência, na sua falta o ser humano debate-se em flagelos morais lamentáveis que o escravizam a condutas autodestrutivas, tais como conflitos crônicos, mágoas permanentes, baixo tolerância a frustrações, projeções psicológicas nos outros, vergonha de si.
Imperisoso saber quem somos, pois do contrario, seremos quem querem que sejamos.
Jesus, nosso divino Tutor asseverou: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?”
A colocação de Jesus é rica de clareza acerca da autonomia como sendo nossa maior defesa na rota de ascensão.
Ermance Dufaux

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

VOCÊ É CAPAZ...


Conta-se que, numa tarde nublada e fria, duas crianças patinavam, sem preocupação, sobre um lago congelado.
De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água.
A outra, vendo que seu amiguinho se afogava debaixo da camada de gelo, pegou uma pedra e começou golpear com todas as suas forças, até que conseguiu quebrá-la e salvar seu amigo.
Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:
Como você fez isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas!
Naquele instante apareceu um ancião e disse:
Eu sei como ele conseguiu.
Todos perguntaram: Como?
E o ancião respondeu:
Não havia ninguém por perto para lhe dizer que não conseguiria fazer!
É bem possível que você já tenha desistido de algum projeto, ou deixado de tentar, porque havia alguém ao seu lado para dizer que você não seria capaz.
É bem provável que, em algum momento, você tenha fraquejado diante de um empreendimento porque alguém demonstrou falta de confiança em seu potencial de realização.
Muitos de nós somos demasiadamente influenciáveis pelos que nos rodeiam.
O que devemos levar em conta, nesse contexto, é que nem todas as pessoas têm a mesma disposição e a mesma visão das situações. O que para uma parece impossível, para outra é de fácil concretização.
Existem, também, pessoas extremamente pessimistas, que enxergam barreiras em tudo. Outras são exageradamente entusiastas, e até um tanto inconsequentes.
Assim sendo, é importante que cada um saiba avaliar seu próprio potencial e se disponha a realizar o melhor para sua vida.

Quantas vezes você pensou em desistir, em deixar de lado ideais e sonhos...
Quantas vezes bateu em retirada, com o coração amargurado pela injustiça...
Quantas vezes sentiu o peso da responsabilidade, sem ter com quem dividir...
Quantas vezes sentiu solidão, mesmo tendo pessoas à volta...
Quantas vezes falou, sem ser notado.
Quantas vezes lutou por uma causa perdida.
Quantas vezes voltou para casa com a sensação de derrota...
Quantas vezes as lágrimas teimaram em cair, justamente quando precisava parecer forte...
Quantas vezes pediu a Deus um pouco mais de força, um pouco mais de luz...
A resposta sempre acaba vindo, seja lá como for: um sorriso, um olhar de aprovação, um cartão, um bilhete, um gesto de gratidão, de amor...
E você insiste!
Insiste em prosseguir. Em acreditar mais uma vez, em transformar, em dividir, em estar, em ser...
E você sabe porque insiste em continuar?
Porque sabe que tem uma missão a cumprir.
Por essas e outras razões, tenha sempre em mente que você é capaz, senão Deus não teria lhe confiado essa missão que só você é capaz de realizar.
Redação do Momento Espírita, com base em texto de autoria desconhecida. Disponível no CD Momento Espírita, Coletânea v. 8 e 9, ed. Fep.
Ocorreu um erro neste gadget