Páginas

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O TEMPO...

A felicidade é um diamante. Brilhando de mil fogos, ela nos fascina e às vezes temos a impressão de que é só privilégio de alguns... ou de um tempo.
Todas as fases da vida têm as suas alegrias e as suas dores. Fala-se muito em crise hoje em dia. Crise da adolescência, da meia-idade, crises existenciais a qualquer momento. São horas onde paramos para pensar em nós mesmos, onde adentramos nosso eu e, finalmente, saímos com a sensação de que alguma coisa ainda falta, ou está perdida.
Adolescentes querem ser adultos; adultos dariam tudo para recuperar um pouco da inocência perdida, para viver lindos sonhos de adolescentes que talvez nunca se realizarão, mas que, enquanto estão lá, fazem viver... velhos falando do passado com nostalgia e saudade, como se não fosse mais possível experimentar momentos de felicidade.
Não se sonha da mesma forma quando se tem quinze, vinte ou cinqüenta anos.
Felizmente!!! Sim... porque em cada fase as perspectivas são diferentes e o que está errado no ser humano é justamente pensar que uma pode ser melhor que a outra.
É comum ouvirmos dizer, com certa tristeza: “naquele tempo eu era feliz e não sabia...”.
Acho que em muitos momentos da vida a gente é feliz sem saber e só se dá conta quando essa felicidade não está mais presente.
Talvez daqui a dez, vinte anos, a gente diga a mesma coisa do tempo vivido agora. Porque quando temos a felicidade ao alcance das nossas mãos, é raro que saibamos como fazer para tomá-la, cuidá-la como um bem precioso e inestimável.
É pura perda de tempo parar para refletir no que foi, poderia ter sido ou será.
É preciso saber viver o que a vida nos oferece em cada instante.
Os quinze anos não voltam mais? Estejam certos que os quarenta também não, nem os cinqüenta... então que possamos deixar as crises para aqueles que ainda não compreenderam que cada idade tem sua beleza, seu valor, sua importância.
Se assim fosse, adolescentes não se questionariam sobre o futuro com ansiedade, os quinquagenários não olhariam pra trás com arrependimento e pra frente com incerteza, porque cada um saberia tirar o máximo daquilo que têm e são, no momento presente.
Não existe idade para se ser feliz e amar e sonhar não é privilégio de jovens que têm, teoricamente, toda a vida pela frente; é privilégio daqueles que sabem compreender que a beleza da vida está em acordar pela manhã, olhar em torno de si e se dizer que, se a vida deve ser um fardo, que seja de flores; que hoje é e será melhor que ontem e amanhã, porque o ontem se foi e o amanhã é um mistério que devemos descobrir aos pouquinhos.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget