Páginas

sexta-feira, 4 de março de 2011

UM POUCO DE SARAMAGO...

- Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar.
- Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia.
- Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.
- Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.
- Dirão, em som, as coisas que, calados, no silêncio dos olhos confessamos?
- Para temperamentos nostálgicos, em geral quebradiços, pouco flexíveis, viver sozinho é um duríssimo castigo.
- Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo.
- De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos.
- O que as vitórias têm de mau é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas.
- Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.
- Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos.
- O espelho e os sonhos são coisas semelhantes, é como a imagem do homem diante de si próprio.
- Cada dia traz sua alegria e sua pena, e também sua lição proveitosa.
- Sempre chega a hora em que descobrimos que sabíamos muito mais do que antes julgávamos.
- Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória.
- Os lugares-comuns, as frases feitas, os bordões, os narizes-de-cera, as sentenças de almanaque, os rifões e provérbios, tudo pode aparecer como novidade, a questão está só em saber manejar adequadamente as palavras que estejam antes e depois.
- O talento ou acaso não escolhem, para manifestar-se, nem dias nem lugares.
- Quem acredita levianamente tem um coração leviano.
- Há ocasiões que é mil vezes preferível fazer de menos que fazer de mais, entrega-se o assunto ao governo da sensibilidade, ela, melhor que a inteligência racional, saberá proceder segundo o que mais convenha à perfeição dos instantes seguintes.
- Costuma-se dizer que as paredes têm ouvidos, imagine-se o tamanho que terão as orelhas das estrelas.
- A única maneira de liquidar o dragão é cortar-lhe a cabeça, aparar-lhe as unhas não serve de nada.
- Há esperanças que é loucura ter. Pois eu digo-te que se não fossem essas já eu teria desistido da vida.
- O homem deixou de respeitar a si mesmo quando perdeu o respeito por seu semelhante.
- (...) as velhas fotografias enganam muito, dão-nos a ilusão de que estamos vivos nelas, e não é certo, a pessoa para quem estamos a olhar já não existe, e ela, se pudesse ver-nos, não se reconheceria em nós.
- Somos a memória que temos e a responsabilidade que assumimos. Sem memória não existimos e sem responsabilidade, talvez não devamos existir.
- Todos somos escritores. Só que alguns escrevem, outros não.
- O único progresso verdadeiro é o progresso moral. O resto é simplesmente ter mais ou menos bens.
- No interior da grande cidade de todos está a cidade pequena em que realmente vivemos.
- Mesmo que a rota da minha vida me conduz a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo.


José Saramago

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget