Páginas

sábado, 13 de agosto de 2011

OS LÁPIS DOS RUSSOS E AS CANETAS DO ASTRONAUTAS DA NASA.

Lenda...

Os lápis dos russos e as canetas dos astronautas da NASA


A lenda procura ilustrar situações em que se buscam soluções complexas para problemas simples que poderiam ser resolvidos com facilidade e baixo custo. No caso em questão, nada mais falso.


Diz a mensagem: a NASA investiu milhões (ou bilhões) de dólares em pesquisas para criação de uma caneta a ser usada no espaço sideral. Enquanto isso, os russos continuaram a usar os lápis comuns, a grafite.


Os custos do projeto e do desenvolvimento da caneta espacial variam: 1 milhão, 1,5 milhão, 12 milhões, 241 milhões e 12 bilhões. Os valores são falsos.


Essa história é mais uma lenda, pois russos e americanos utilizaram lápis em suas viagens espaciais até serem criadas canetas especialmente para uso no espaço sideral.


Enquanto a nova caneta não estava disponível, o lápis foi usado por ser a única alternativa. Mas havia os riscos de acidentes e eles não eram pequenos.


Ao quebrar as pontas, pedaços de grafite ficavam a flutuar na cabine da espaçonave e poderiam causar acidentes se entrassem nos olhos e ouvidos dos astronautas.


Ou pior: se as pontas quebradas se alojassem nos circuitos eletrônicos poderiam provocar curtos circuitos de graves conseqüências. O lápis, portanto, foi usado enquanto não havia alternativa, pois ele mesmo poderia ser um fator de risco (sem trocadilhos ;))) e provocar acidentes.


A mensagem fala na empresa Andersen Consulting, hoje Accenture contratada pela NASA por 12 milhões de dólares.


Não foi a Accenture, mas a Fisher Space Pen Co que, em 1965, registrou a Patente # 3.285.228 da Anti-Gravity Pen. Os custos do projeto e do desenvolvimento da nova caneta foram todos bancados por essa empresa.


Depois de dois anos sendo testadas pela NASA, as novas canetas passaram a ser usadas pelos astronautas americanos a partir de outubro de 1968 na missão Apollo 7. Os russos também as adotaram a partir dessa época.


O texto contido na mensagem pretende ilustrar alguma técnica ou procedimento de busca de solução de problemas complexos. Os autores esqueceram, no entanto, de mencionar as variáveis mais importantes: o ambiente de uso, quem vai usar a solução, quem vai sofrer os impactos ou receber os benefícios da implementação da solução.


Pra quem fica aqui por baixo o lápis ou a lapiseira pode ser a solução ideal: o custo é baixo, vende-se em qualquer livraria, é de fácil manuseio, o traço é visível e pode ser apagado, apresenta-se em vários níveis de dureza.


Mas a grafite, além de ser condutora de eletricidade, ela quebra e o lápis possui o envoltório de madeira, um material combustível.


Quando a grafite quebra, em casa ou no escritório, não há nenhum problema causado pela ponta solta. A gravidade faz com que ela caia no chão ou na mesa e ela pode ser facilmente jogada na lixeira. Se ela for encontrada, é claro. E se não for encontrada, pior para ela :)))


Aqui na superfície da Terra, o fato de a grafite usada para escrever ser condutora de eletricidade é irrelevante assim como o fato de a madeira do lápis ser material combustível não tem muita importância.


Mas para quem necessita de um objeto para escrever e encontra-se num ambiente diferente do da Terra, como a bordo de naves espaciais em órbita, cercado de circuitos elétricos em que os riscos de incêndio e de propagação dele devem ser iguais a zero, aí as coisas ficam muito diferentes.


http://www.quatrocantos.com/LENDAS/index.htm

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget