Páginas

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O SAPO E SEU ORGULHO...

"Na boca do tolo esta a punição da soberba, mas os sábios se conservam pelos próprios lábios" Provérbios 14:3

Era uma vez um sapo falador que queria fugir do inverno.

Então, alguns gansos sugeriram que o sapo se juntasse a eles e migrasse, que fosse com eles para um lugar mais quente.

Mas aí apareceu um problema: o sapo não voa, como poderia seguir viagem?

Mas o sapo sabido foi logo dizendo:

"Deixem comigo, tenho um cérebro brilhante, vou ter uma boa ideia."

Pensou um pouco e então pediu aos gansos que o ajudassem segurando um caniço forte, cada um numa ponta.

Como o sapo tem um bocão, ele poderia se prender ao cabo pela boca e seguir com os gansos.

Em pouco tempo os gansos e o sapo iniciaram a sua jornada.

Assim que passaram por uma pequena cidade os moradores saíram para ver aquela cena estranha e original.

Quem poderia ter tido uma ideia tão brilhante? perguntaram alguns moradores. 

Isso fez com que o sapo se inchasse tanto de orgulho e, se sentido importante gritou:

Fui eu, fui eu!

Seu orgulho foi sua ruína, pois no momento em que abriu a boca, se soltou do caniço e estatelou-se no chão, morto.

J. Gilmour


A vaidade tem sido a causa de muitas de nossas decepções.
Cremos que somos melhores, mais competentes e superiores àqueles que estão ao nosso redor. 
Achamos defeito em tudo e em todos, concluindo, logo a seguir, que poderíamos fazer o mesmo de maneira muito melhor. 
Quando somos humildes em nossas atitudes, os aplausos e elogios nos enchem de felicidade. 
Quando somos arrogantes e orgulhosos, muitas vezes os aplausos não aparecem e mergulhamos em profunda decepção e angústia. 
É melhor não esperar nada e receber tudo do que esperar tudo e não receber nada.
De que vale o orgulho? 
Se agimos com amor, ele vem de nosso Deus. 
Se a nossa vida brilha, a luz vem do alto, do nosso Pai celestial. 
Se as nossas palavras impressionam, toda a sabedoria vem de Cristo, que no-la deu graciosamente.
A vaidade pode nos levar à morte espiritual; a humildade nos conduz a Cristo e à vitória.


A soberba precede a ruína, e a altivez de espírito, a queda (Provérbios 16:18), mas o Senhor coroa a humildade com suas bênçãos. 

Salomão também disse: "Que um outro te louve, e não a tua própria boca; o estranho, e não os teus lábios" (Provérbio 27:2). 

Se falássemos mais de Deus, e o louvássemos mais, teríamos menos tempo para falar de nós mesmos.
"Ninguém jamais morreu engasgado por engolir seu orgulho".

Desconheço o Autor

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget